• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


27 de Novembro foi dia de música pesada e muita juventude no Campo Pequeno. Isto devido à passagem da digressão europeia dos famosos norte-americanos, Avenged Sevenfold, pelo nosso país. Segundo consta, já desde manhã que dezenas de jovens esperavam impacientemente pelo concerto dos seus ídolos, à entrada do recinto, de modo a poderem ficar na fila da frente.

O evento começou com a actuação curta mas entretida dos suecos Avatar, que substituiram a nova banda de David Drainman (Disturbed) no cartaz, os Device, porque o conhecido vocalista teve de deixar a tour para acompanhar a sua esposa, que está com complicações na gravidez. Apesar de não serem dos Estados Unidos como as outras duas bandas presentes e a que vieram substituir, os Avatar são suecos, de Gotemburgo, a sua sonoridade é tão americanizada, que encaixou perfeitamente no cartaz desta tour. Apesar do público obviamente ansiar pelos Avenged Sevenfold, isso não se notou durante o concerto dos Avatar, mostrando que os presentes estavam ali para se divertir com o que apanhassem à frente e os Avatar, apesar de saberem que tinham tempo apenas para meia dúzia de músicas, puxaram muito pelos portugueses e foram bem recebidos e muito aplaudidos. Começaram com "Torn Apart" e terminaram com "Smells Like a Freakshow", tema-título do seu mais recente álbum, no qual a banda baseou quase inteiramente o concerto.


Melhor reacção ainda por parte do público tiveram os californianos Five Finger Death Punch, que conquistaram os espectadores nacionais com a sua sonoridade repleta de groove e melodia. É de realçar a aparente popularidade que a banda americana já parece gozar em Portugal, porque além de grande parte dos presentes terem delirado com o concerto da banda de Ivan Moody e companhia, o público mostrou conhecer uma boa parte das músicas, cantando juntamente com o vocalista. Nos Estados Unidos, a banda é extremamente popular, como ficou demonstrado pela 2ª posição conquistada pelas duas metades do recém-editado álbum, "The Wrong Side Of Heaven And The Righteous Side Of Hell", no top da Billboard. Mas, pelos vistos, não é só no outro lado do Atlântico que a banda está a fazer sucesso, como ficou demonstrado por excelente receptividade dos espectadores portugueses, o que até não é de admirar, porque a banda funde várias correntes do metal moderno, fazendo um som extremamente apelativo e acessível para os apreciadores do peso mais contemporâneo. Além dos que já conheciam o grupo, terão ganho mais um bom número de fãs com este concerto. "Under and Over It" e "Hard To See", "Bad Company" e "The Bleeding" foram alguns dos momentos em destaque por parte dos Five Finger Death Punch, bem comandados por um vocalista muito comunicativo, num concerto que mereceu a aclamação por parte dos espectadores.



Mas a multidão que não esgotou mas que compôs muito bem o recinto, estava lá para ver os Avenged Sevenfold e não terá saído de lá defraudada. Os presentes desfrutaram do concerto do primeiro ao último segundo e os Avenged Sevenfold deram, de facto, um grande espectáculo, goste-se ou não da sonoridade da banda, com uma performance imaculada tecnicamente e uma presença em palco e interacção com o público dignas dos maiores nomes. Nota-se, de facto, uma grande evolução na performance do grupo em palco desde a primeira vez que a banda marcou presença em solo português, em 2008, no Super Bock Super Rock. O espectadores também foram parte essencial deste concerto, o que foi posteriormente digno de menção no facebook dos Avenged Sevenfold, onde a banda afirmou que o público deste concerto em Lisboa, foi um dos melhores que já alguma vez tiveram. A banda veio apresentar o novo álbum, "Hail of the King", e deste trabalho saíram quatro músicas que soam incrivelmente fortes ao vivo: "Sheperd Of Fire", "Hail of the King", "Doing Time" e "Requiem". Foi o disco mais representado no alinhamente desta noite e ficou demonstrado que alguns destes temas podem estar futuramente entre os favoritos dos fãs. Do último álbum notou-se a ausência de "This Means War", a famosa música que tem causado imensa controvérsia online, devido às grandes similiaridades que tem com o clássico dos Metallica, "Sad but True". Será curioso perceber se foi por acaso que os Avenged Sevenfold deixaram de parte essa música ou se, futuramente, continuarão a ignorá-la nos seus espectáculos, talvez devido a estarem fartos das críticas de plágio de que têm sido alvo por causa da mesma. Faixas obrigatórias como "Nightmare" e "Bat Country" também foram tocadas para um público que cantou em uníssono com M. Shadows. O grupo fechou com chave de ouro este concerto memorável para os seus seguidores, com os clássicos "Chapter Four" e "Unholy Confessions" do álbum que impulsionou o percurso da banda, "Waking the Fallen". A noite foi de aclamação para uma banda que é inegavelmente apelativa para as massas, provou ser um caso sério de popularidade e não apenas uma moda momentânea e mostrou que a sua base de fãs continua a crescer.


Texto por Mário Santos Rodrigues
Fotos Joana Soares
Agradecimentos: Everything is New