• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Os rapazes finlandeses estão de volta. E é sempre um evento mesmo para que existam muitos que nunca lhes acharam piada ou que tenham achado mas ali por alturas do "Hate Crew Deathroll" tenham ficado algo desencantados - esse maldito álbum para muitos. A questão é que está mais que provado que os rapazes consigam provocar algum tipo de unanimidade, até mesmo por aquilo que se proposeram a tocar no início de carreira - uma espécie de mistura entre power metal e black metal. Esses dias já lá vão e a banda já desvirtuou essas raízes com o passar do tempo, o que por um lado é positivo, porque o beco sem saída criativo era mais que evidente. "Halo Of Blood" foi anunciado como uma espécie de regresso às raízes e embora esse regresso às raízes seja sempre uma ilusão - ninguém pode voltar a ser o que era e ignorar toda a evolução que teve em dez ou quinze anos - o álbum realmente foi dos melhores dos últimos anos da banda e mostrou-os com uma energia e entusiasmo renovado. É essa a premissa e expectativa que temos para este "I Worship Chaos".

Portanto, revisão da matéria: A voz de Laiho não é o que era e a sua abordagem também é diferente. A música não tem tanto foco nos teclados como tinha antes e o que temos hoje em dia é mais death metal melódico do que cruzamento entre power metal com o quer que seja, com os teclados praticamente a ter relevância apenas nos solos e nalguns dos poucos espaços em que as guitarras os deixam respirar. A única preocupação que devemos ter é se as músicas são realmente boas ou não e não nos devemos deixar cegar por detalhes que no final de contas não têm qualquer importância. A debater-se com uma ausência de peso - o guitarrista Roope Latvala, que já estava na banda desde 2003 saiu este ano do grupo - os COB tinham assim mais uma coisa a provar a si próprios e ao mundo. O resultado final é um álbum sólido, tal como "Halo Of Blood" foi. "I Hurt" é uma boa abertura com a intensidade necessária para essa função e uma melodia bem catchy (que até nem estaria desfazada daquilo que uns Cradle Of Filth fariam por volta de 2006).

Variado e dinâmico, a banda apresenta-nos os momentos mais compassados e melódicos com temas como "Morrigan" e "Prayer For The Afflicted", esta última com o seu quê de Hypocrisy. Também a "All For Nothing" se apresenta do lado das mais melódicas. No lado da intensidade temos o tema título furioso; uma "My Bodom (I Am The Only One)" que fica um pouco no meio termo entre a agressividade e o groove melódico e que se revela ideal para ser tocada ao vivo, tal como a "Hold Your Tongue"; uma "Horns" alucinante e "Suicide Bomber" são boas adições ao peso do álbum que finaliza com uma a meio gás "Widdershins". De forma fria e pouco reflectida poderia dizer-se que os Children Of Bodom provam com "I Worship Chaos" que não conseguem voltar atrás por muito que queiram ou os fãs desejem. O que não quer dizer obrigatoriamente que o sítio onde estão agora seja um mau sítio para se estar. A qualidade das músicas prova isso mesmo. Apenas não vão conseguir de forma repetida às expectativas falsas que são levantadas pelo "agora-é-que-vão-voltar-a-fazer-um-"Something-Wild"-outra-vez".

Um bom álbum dos rapazes finlandeses que agradará definitivamente aos seus fãs e que arreliará aqueles que já têm prazer em ser arreliados por tudo aquilo que façam. Comparativamente, não tem tanto impacto como o anterior, mas também tem aqui mais umas músicas com capacidade para suportar o teste do tempo. E isso chega.


Nota: 8.5/10

Review por Fernando Ferreira