• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Os Twitching Tongues são um bicho difícil de classificar. A sua mistura muito própria entre o metal moderno carregado de groove (com certos toques de thrash metal – contribuindo muito a voz de Colin Young que tem muito de Phil Rind dos Sacred Reich nas suas cordas vocais – que nos faz pensar em bandas clássicas como Corrosion Of Conformity, Crowbar e os próprios Sacred Reich) e um espírito hardcore que não se pode inserir em nada do que é moda actualmente faz com que os primeiros momentos deste trabalho seja gasto a tentar enquadrar a banda numa qualquer categoria pré-concebida. Quando se desiste desta busca infrutífera, já vamos bem avançados na audição de Disharmony”.

A questão é… neste ponto, o que seria comum seria deixar ir e não pensar mais nisso, mas há algo de tão profundamente intrigante na música dos Twitching Tongues que nos obriga a voltar atrás e tentar perceber o que raio se está a passar. Não é para desanimar, mas mesmo após algumas intensas audições deste terceiro álbum, não se pode dizer que se tenha a tarefa facilitada. Ainda assim, o que acontece, e essa é a parte a salientar, apesar de não se conseguir encaixar em nenhuma prateleira pré-fabricada, a forma como se aprecia este álbum é intensa. A surpresa que temas como “Love Conquers None” provocam e a forma como se instalaram na nossa mente sem pedir autorização é um dos indicadores da qualidade que esta banda tem para apresentar músicas memoráveis.

Entre a estranheza, o peso e a melodia, “Disharmony” é uma boa surpresa a justificar por inteiro a aposta da Metal Blade.  É certo que vai necessitar de alguma paciência e insistência para voltar para uma nova audição e que a cada vez que isso acontece, existe efectivamente um crescimento das malhas aqui apresentadas, mas também é certo que essa insistência surge naturalmente, ou seja, o seu elemento misterioso acaba por funcionar a seu favor, isto se lhe for dada a devida hipótese. Apenas um álbum fora do normal é capaz de apresentar três formas diferentes de fazer música de seguida – a melodia de “Arrival”,  a brutalidade e peso de “The End Of Love” e o factor épico “Cruci Fiction” – e mesmo assim conseguir manter a mesma identidade e o mesmo fio condutor ao longo de tudo o trabalho.


Nota: 8.5/10

Review por Fernando Ferreira