• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Quase que o título do álbum engana mas não, este não será um álbum que se conseguirá acompanhar ou pelo menos perceber as letras, isto partindo-se do príncipio que o caro leitor pertence a uma grande maioria de portugueses que não percebem nada de alemão. "Strophe Bridge Refrain" é o terceiro álbum dos Grüßaugust, que desta vez resolveu arriscar e cantar inteiramente em alemão - excepto por uma apenas uma música, cantada em russo. Segundo a Carry Coal, a empresa de promoção que está a trabalhar com a banda, o seu som é uma mistura entre punk, psicadélico, neofolk e uma energia elevada para meter tudo a mexer. Ou seja, traduzido por nomes, compara com os The Swans (mas com mais humor), Motorpsycho (mas mais melancólico), Melvins (mas menos inflalíveis), Violent Femmes (mas menos sarcásticos) e Sonic Youth (mas mais cru).

Já aqui falámos dos malefícios dos press release que se empolgam e se metem a fazer comparações a torto e direito, comparações que a música depois não consegue acompanhar. Há realmente um certo cheirinho de todos os nomes atrás citados, mas nada que se faça aproximar a algo feito pelas bandas em questão. A costela pós-punk, neo folk e new wave sem dúvida que está presente, mas também um certo toque a alternativo. O problema é mesmo o raio do alemão. A banda pode estar a declarar os poemàs mais interessantes, que quem está a ouvir não irá perceber, mas mais que a língua, é a forma como a voz é utilizada.

A música deverá sempre falar mais alto e em alguma da grande parte deste trabalho, a música é aborrecida. Temas como "Nothing" - um de três temas que tem título em inglês mas os poemas são todos cantados e declamados em alemão. Os outros são "My Love" e ´"Smells Like" - podem provocar um coma profundo a quem não problemas de saúde, apesar de quase no final começar a ganhar um pouco de mais interesse. É o problema deste álbum, anda sempre no quase e nunca efectivamente consegue chegar com sucesso onde quer que seja. Ficando pelo caminho, é um trabalho que anda pela mediania, infelizmente, excepção seja feita para a épica "Prikas" que finaliza o álbum e que quase que o redime.


Nota: 6/10


Review por Fernando Ferreira