• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


O retro continua na ordem do dia. É o que se pode concluir quando um álbum como este auto-intitulado é lançado pela Metal Blade Records, uma das mais influentes editoras de metal a nível mundial. No entanto, é importante fazer a ressalva que mesmo no meio da maralha há sempre coisas boas que nos surgem e que poderiam potencialmente passar ao lado. Felizmente o pessoal da Metal Blade não anda a dormir pelo que esta estreia auto-intitulada é cá uma pomada daquelas que merecem ser apreciadas por décadas a fio. Imagine o seguinte, caro leitor assíduo das nossas análises. Imagine um mundo onde teríamos na mesma rodela nomes como Deep Purple (da fase “Machine Head”)/ Rainbow (da fase Dio),  Uriah Heep (dos dois primeiros álbuns), Black Sabbath (também dos primórdios) e ainda aqui e ali coisas de Scorpions, U.F.O. e Iron Maiden, sem esquecer, claro está, a restante N.W.O.B.H.M..

É um álbum que passa num instante. As músicas fluem como mel pela garganta dorida de tosse abaixo. Com uma musicalidade impressionante, é de apreciar a forma como as músicas conseguem tanto ser encaixadas na década de setenta, como na década de oitenta (nos seus primórdios, é certo) e ao mesmo tempo soar contemporâneas – porque isto do retro, por muito que seja o ir buscar ao passado ideias e tiques, acaba sempre por deixar migalhas da era em que se está inserido. A questão da originalidade poderá ser sempre importante para aqueles que são mais exigentes e existem por aqui alguns momentos em que a mesma é colocada nitidamente em causa (o riff da “Madness And Magick” é tão gamado da “Country Girl” dos Black Sabbath com o Dio na voz que de certeza que era coisa para haverem processos judiciais) mas são questões que perante o produto final ficam nitidamente de parte.

Este será mais um trabalho a juntar a uma já longa lista de álbuns que apesar de serem lançados na actualidade, fazem sentir o ouvinte como se estivesse noutra época – ou neste caso, outras épocas, como foi afirmado atrás. Portanto, vício garantido para todos os amantes de hard rock clássico, proto heavy metal e claro, heavy metal como mandam as regras clássicas do estilo.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira