• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)



Passaram apenas algumas meses desde a primeira parte deste “Hexadic” e a segunda aí está. A quantidade de tempo entre os dois lançamentos não surpreende tanto como a abordagem adoptada. Se antes o experimentalismo do projecto de Ben Chasny vinha na forma de caos sonoro e muita distorção. Este caos apresentava uma inquietude que apesar de intensa e imensa, se tornava algo dolorosa aos ouvidos. Basicamente, apesar de ser apreciável na sua forma de experimentar com formas pouco usuais de apresentar e vivenciar a música, era (e é) um trabalho muito difícil de ouvir. A abordagem para “Hexadic II” é totalmente oposta. Se a primeira parte é de difícil audição, a segunda é de audição bastante fácil.

Não quer isto dizer que se tornou um trabalho comercial, com potencial de passar nas rádios mainstream de todo o mundo. A vertente experimental continua bem vincada. A diferença principal é que desta vez a roupagem é acústica e bastante (neo)folk, o que nos dá um teor ritualista a cada uma destas nove faixas. É como que uma viagem induzida por drogas alucinogénias à moda antiga, sem distorção, sem muitos efeitos, cru, como a própria vida em si. É essa visceralidade que torna esta segunda parte triunfante onde a primeira parte falhou de forma infeliz. É eficaz na forma como toca o ouvinte, deixando-o perturbado tanto como cativado. Libertando-o para voar, mas ao mesmo tempo ficando em alerta porque há algo de estranho e dissonante em toda esta viagem auditiva.

Não será tão viciante como o parágrafo atrás parece antecipar e não tão easy listening como poderá ter parecido no início desta missiva. Demora o seu tempo a entrar, precisa de algumas audições e mesmo assim poderá parecer tudo o mesmo, sem grandes variações de música para música… mas elas existem e de que forma. Destacar uma faixa das nove seria subverter aquele que parece ser o propósito final: a experiência de um ritual que deverá ser vivido e sentido do início ao fim, uma forma que dará, se bem sucedida, daquilo que nos rodeia. Um excelente regresso e a prova viva de que as coisas não são o que aparentam. E ainda há quem não goste de viver nos tempos em que vivemos e que temos acesso a coisas como esta.


Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira