• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


"O Inverno dos Outros" é um título poético para um disco e também é o título do segundo trabalho do grupo lisboeta Mulherhomem. Para quem não faz a mínima ideia do que é que estamos a falar, o assunto é rock. Rock puro e duro. Visceral. É com um groove contagiante que este trabalho se inicia, com "Ódio Sódio" a abrir as festividades da melhor maneira. A banda demonstra estar coesa e prova sem dificuldade nenhuma que cantar rock em português é possível mesmo sem ter como objectivo passar na RFM ou Rádio Comercial. Mesmo que se pegue em algumas faixas com potencial para isso - como a "Sofisticada", uma espécie de "No One Knows" dos Queens Of The Stone Age mas em português - há um certo quê de inexplicável que nos faz perceber logo de que apesar de apelativa, não é uma música a procura do sucesso descarado.

É a força do rock e os Mulherhomem mostram-na em todo o seu esplendor. Uma produção forte nada faz se não existirem músicas como "Shalom de Sá" e "Culinária do Amor", onde a visceralidade do rock nos agarra pelos ouvidos e não nos deixa fazer mais nada. Dá vontade de fazer conclusões daquelas exageradas tais como o melhor álbum de rock cantado em português dos últimos anos, porque sabemos que declarações como estas mandam-se ao ar mas que pouco tempo demoram a cair-nos em cima. Intrigante e apaixonante, sem dúvida. Com uma vida aparentemente inesgotável. Definitivamente. Agora mais que isso...

É um álbum definitivo em não ser definitivo. Ou seja, mesmo após muitas audições em cima, não se fica com uma opinião final formada sobre o mesmo. É óbvio que é bom mas está num processo eterno de crescimento dentro do interior do ouvinte que dificulta a que se chege a um ponto de discernimento fácil sobre o seu nível qualitativo. É também daqueles trabalhos que nos deixa com a sensação amarga na boca, a nós que falamos e escrevemos de música, já que nos faz aperceber que as palavras são sempre pálidas em relação à música em si. Que saudades do rock português com coisas assim.


Nota: 8.5/10

Review por Fernando Ferreira