• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


A Metal Imperium teve a oportunidade de falar com Juuso Raatikainen, o baterista e mais recente membro dos finlandeses Swallow The Sun, acerca do novo álbum triplo, “Songs From The North I, II & III”, e do regresso destes aos palcos, onde se incluiu uma data dupla em Portugal.

M.I. - Os Swallow The Sun já existem há cerca de 15 anos. O que é que vos motiva a continuarem a fazer música?

Bebidas à borla (risos)! Não, eu acredito firmemente que os outros elementos da banda possuem um laço de amizade e camaradagem muito forte, que se veio a solidificar com o passar dos anos. Eles gostam mesmo de andarem em tour e de tirarem algum tempo fora das suas vidas normais e rotina do dia-a-dia para comporem e tocarem. O Juha (guitarrista e fundador da banda) é uma autêntica fonte de criatividade, e não há sequer sinais de que vá abrandar ou sofrer algum tipo de bloqueio criativo. Agora como me têm a mim na banda, além de ser o que tem mais cabelo e o que baixa a média de idades deles, vou ajudar a manter as coisas mais “frescas” e a dar uma outras perspectiva.


M.I. - Como é que surgiu a ideia de fazerem um álbum triplo? Foi algo planeado ao pormenor com antecedência, ou aconteceu naturalmente?

O Juha já andava com a ideia de fazer algo desta magnitude há alguns anos,  e quando ele propôs fazer-se o álbum triplo, todos os restantes membros da banda mostraram-se completamente abertos à ideia. Este álbum e conceito é uma abordagem nova e diferente de tudo o que tem sido feito até agora tanto pelo a banda, como no estilo, e que desafiou a musicalidade de Swallow The Sun. A banda em si está sempre interessada em inovar e sair um pouco fora da sua zona de conforto e a experimentar coisas novas. Eu creio que as bandas devem sempre desafiar e explorar a fundo as suas capacidades.


M.I. - Passando agora ao processo de escrita/composição do álbum, podes-nos descrever como é que se desenrolou? 

As três partes do álbum foram escritas praticamente na íntegra pelo Juha, e alguns dos arranjos e outros pequenos pormenores foram feitos pelos restantes membros da banda. Ele fez deste álbuma sua grande afirmação artística, por ser uma coisa inovadora, e todos nós estamos muito contentes por termos sido capazes de fazer parte deste.


M.I. - As três distintas partes do álbum obedecem a alguma ordem e/ou conceito em particular (além das obvias diferenças do estilo musical)?

Os temas das letras encaixam-se entre si, e fazem as três partes, e o álbum num todo, funcionar melhor desta forma. Os motivos musicais são bastante semelhantes entre si, no entanto o que muda é a atmosfera musical criada em cada uma das partes, e que lhes dá uma roupagem e sentimentos diferentes. As letras são bastante pessoais e intímas. Mas apesar disso, cada uma das partes tem uma espécie de sub-título diferente que as descreve, bem como ao som da banda no seu todo, que é “Gloom, Beauty and Despair” (melancolia, beleza e desespero), algo que veio da música com o mesmo nome, que faz parte do álbum de 2005, “ Ghost Of Loss”.


M.I. - A parte do artwork e aspectos gráficos do álbum ficaram a cargo de quem?

O nosso teclista Aleksi fez grande parte desse trabalho. Ele desenvolveu uma série de ideias para a capa do álbum e imagens promocionais, baseadas na interpretação dele e do Juha das músicas e do álbum em si. Eu pessoalmente gosto muito do resultado final e vejo-o como sendo algo simples e natural, que flui e se enquadra bem com a música. Não há demasiados elementos, nem demasiado trabalho de edição. Ficou bastante discreto e cru, com uma beleza sombria, e isso era o objectivo, demonstrar a atmosfera principal da música.


M.I. - Há alguma razão em particular para terem escolhido as faixas “Heartstings Shattering”, “Pray For Winds To Come” e “Abandoned By Light” para apresentarem cada uma das partes do álbum?

A primeira, “Heartstrings Shattering” é uma autêntica música ao estilo “clássico” de Swallow The Sun, enquanto que as outras duas são aquelas que melhor representam o ambiente e a essência completa das outras partes (a segunda parte mais melódica e acústica e a terceira mais para o funeral doom).


M.I. - Estão a planear fazer algum concerto especial no qual toquem as três partes do álbum na íntegra?

Sim, definitivamente! Desde o início que ando a pensar nessa possibilidade. Adorava tocar o 3º disco todo na totalidade, assim num palco com ambiente a rigor, uma atmosfera sombria e melancólica, coberto com umas capas, e até mesmo com alguns sacrifícios humanos (risos). Mas fora de brincadeiras, acredito que é algo que venha a acontecer no futuro, já se fala muito disso, portanto é uma possibilidade bastante real.


M.I. - Tens alguma música (ou músicas) favorita deste álbum?

De momento, a que eu mais gosto é a “Empires Of Loneliness”, que faz parte do disco III. Creio que muitos fãs de Swallow The Sun, depois de a ouvirem com atenção, vão ficar a achar o mesmo que eu, esta música tem tudo para se tornar numa das favoritas do público.


M.I. - Como é que descreves musicalmente este álbum a todos aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de o ouvir, o que não estejam familiarizados com o trabalho da banda?

A parte I é Death/Doom sombrio, com melodias intensas e uma atmosfera melancólica; a II é de uma beleza acústica, com vibes muito post-rock, e que nos aproxima da natureza e intímo, sendo perfeito para curar uma ressaca (risos); a III parte  é o funeral doom mais pesado dos últimos tempos, lento, arrastado, épico e misantropico.


M.I. - Apesar de ainda não ter passado muito tempo desde o lançamento do álbum, qual é que tem sido o feedback recebido até agora? Era o que estavam à espera?

Nós ultrapassamos o Justin Bieber nas tabelas de venda na Finlândia no dia do lançamento e obtivemos a nossa primeira posição de sempre nas tabelas na Alemanha! Isto não é de forma alguma prioridade, mas ficamos bastante animados com isto, porque a nossa música é do mais honesto artisticamente que se pode ver. Até agora o feedback tem sido bastante positivo, muito melhor do que alguma vez imaginamos. Inicialmente, houve muitas dúvidas em relação ao álbum triplo, e houve quem o visse como sendo uma jogada arriscada, e que o tínhamos feito por ser uma ideia épica, mas depois ouviram o álbum e perceberam a qualidade, e que isto é muito mais que apenas os minutos de duração.

M.I. - Estão entusiasmados para voltarem a andar em tour? O que podemos esperar dos vossos concertos?

Eu especialmente! É a minha primeira tour enquanto membro oficial da banda, e estou bastante entusiasmado para tocar as músicas novas ao vivo. A setlist vai-se focar nas músicas do novo álbum, das três partes, mas pelo meio não vão faltar algumas das nossas melhores “pérolas”.


M.I. - Para terminar, gostarias de deixar uma mensagem para os vossos fãs em Portugal?

Estou bastante animado por ir tocar em Lisboa e no Porto, vai ser a minha primeira vez em Portugal! Espero encontrar-vos e conhecer alguns de vocês por lá. Se ainda não ouviram, vão ouvir o “Songs From The North I, II & III”, e comprem-no e apoiem-nos, para que possamos ser capazes de continuar a fazer música e a andar em tour!

Entrevista por Rita Limede