• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


O que é que temos quando juntamos os Jehtro Tull com as drogas psicadélicas dos The Doors a tentar tocar covers dos Bong mas sem grande distorção? Os The Silence. Pelo menos é o que parece com a primeira parte do primeiro tema, "Ancient  Wind Part 1 & 2". Poderá ser uma comparação parva (e em certa medida, até é) mas se não fosse essa teríamos que dizer que seria o equivalente caso o John Carpenter começasse a fazer música mais orgânica, sem recorrer aos sintetizadores, e a usar flauta. A tensão que esses dois primeiros temas recorrem é palpável, pelo que o seu uso estaria bem apropriado para um qualquer filme ou cena de suspense. Isto na sua primeira parte, porque depois na segunda a coisa descamba um pouco para o rock cheio de espasmos que aparenta ter descendência directa com o John Zorn.

É esta segunda parte da descrição que se encaixa melhor na música dos The Silence como um todo, ou seja, uma espécie de Frank Zappa frenético e on drugs, caso decidisse incorporar flauta na sua sonoridade. Poderá parecer algo mau mas na realidade até nem é. Para usar total uso da sinceridade, até é melhor do que a própria descrição promete. A dinâmica é o forte dos The Silence (que para quem não sabe, é a nova entidade musical de Masaki Batoh e Kazuo Ogino dos Ghost em conjunto com o baterista dos Acid Mothers Temple, Futoshi Okano) e assim depois de todo o caos apresentado, é possível relaxar em temas como "Ornament" e "Little Red Records Company" - este último que parece que foi escrito na década de setenta e revelado apenas agora ao mundo.

"Hark The Silence" é um álbum surpreendente e aparentemente inesgotável para aqueles que gostam de rock experimental e não se importa de sair do seu corpo de vez em quando, porque é aquilo que deverá acontecer com autênticos devaneios como aqueles que se tem em "Galasdama", "DEX #1" e "Fireball". Por vezes a viagem é de tal forma que se sente que nos podemos perder e não conseguir voltar ao nosso corpo, pelo que se recomenda apenas para viajantes astrais mais experientes. Ainda assim, tendo em conta a maluquice que para aqui vai, vale a pena o risco. Um álbum a devorar compulsivamente aos bocadinhos, onde nem sempre todas as experiências são bem sucedidas, mas as que resultam, resultam em pleno.

 
Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira