• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


O que é que temos quando juntamos os Jehtro Tull com as drogas psicadélicas dos The Doors a tentar tocar covers dos Bong mas sem grande distorção? Os The Silence. Pelo menos é o que parece com a primeira parte do primeiro tema, "Ancient  Wind Part 1 & 2". Poderá ser uma comparação parva (e em certa medida, até é) mas se não fosse essa teríamos que dizer que seria o equivalente caso o John Carpenter começasse a fazer música mais orgânica, sem recorrer aos sintetizadores, e a usar flauta. A tensão que esses dois primeiros temas recorrem é palpável, pelo que o seu uso estaria bem apropriado para um qualquer filme ou cena de suspense. Isto na sua primeira parte, porque depois na segunda a coisa descamba um pouco para o rock cheio de espasmos que aparenta ter descendência directa com o John Zorn.

É esta segunda parte da descrição que se encaixa melhor na música dos The Silence como um todo, ou seja, uma espécie de Frank Zappa frenético e on drugs, caso decidisse incorporar flauta na sua sonoridade. Poderá parecer algo mau mas na realidade até nem é. Para usar total uso da sinceridade, até é melhor do que a própria descrição promete. A dinâmica é o forte dos The Silence (que para quem não sabe, é a nova entidade musical de Masaki Batoh e Kazuo Ogino dos Ghost em conjunto com o baterista dos Acid Mothers Temple, Futoshi Okano) e assim depois de todo o caos apresentado, é possível relaxar em temas como "Ornament" e "Little Red Records Company" - este último que parece que foi escrito na década de setenta e revelado apenas agora ao mundo.

"Hark The Silence" é um álbum surpreendente e aparentemente inesgotável para aqueles que gostam de rock experimental e não se importa de sair do seu corpo de vez em quando, porque é aquilo que deverá acontecer com autênticos devaneios como aqueles que se tem em "Galasdama", "DEX #1" e "Fireball". Por vezes a viagem é de tal forma que se sente que nos podemos perder e não conseguir voltar ao nosso corpo, pelo que se recomenda apenas para viajantes astrais mais experientes. Ainda assim, tendo em conta a maluquice que para aqui vai, vale a pena o risco. Um álbum a devorar compulsivamente aos bocadinhos, onde nem sempre todas as experiências são bem sucedidas, mas as que resultam, resultam em pleno.

 
Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira