• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


O que é que temos quando juntamos os Jehtro Tull com as drogas psicadélicas dos The Doors a tentar tocar covers dos Bong mas sem grande distorção? Os The Silence. Pelo menos é o que parece com a primeira parte do primeiro tema, "Ancient  Wind Part 1 & 2". Poderá ser uma comparação parva (e em certa medida, até é) mas se não fosse essa teríamos que dizer que seria o equivalente caso o John Carpenter começasse a fazer música mais orgânica, sem recorrer aos sintetizadores, e a usar flauta. A tensão que esses dois primeiros temas recorrem é palpável, pelo que o seu uso estaria bem apropriado para um qualquer filme ou cena de suspense. Isto na sua primeira parte, porque depois na segunda a coisa descamba um pouco para o rock cheio de espasmos que aparenta ter descendência directa com o John Zorn.

É esta segunda parte da descrição que se encaixa melhor na música dos The Silence como um todo, ou seja, uma espécie de Frank Zappa frenético e on drugs, caso decidisse incorporar flauta na sua sonoridade. Poderá parecer algo mau mas na realidade até nem é. Para usar total uso da sinceridade, até é melhor do que a própria descrição promete. A dinâmica é o forte dos The Silence (que para quem não sabe, é a nova entidade musical de Masaki Batoh e Kazuo Ogino dos Ghost em conjunto com o baterista dos Acid Mothers Temple, Futoshi Okano) e assim depois de todo o caos apresentado, é possível relaxar em temas como "Ornament" e "Little Red Records Company" - este último que parece que foi escrito na década de setenta e revelado apenas agora ao mundo.

"Hark The Silence" é um álbum surpreendente e aparentemente inesgotável para aqueles que gostam de rock experimental e não se importa de sair do seu corpo de vez em quando, porque é aquilo que deverá acontecer com autênticos devaneios como aqueles que se tem em "Galasdama", "DEX #1" e "Fireball". Por vezes a viagem é de tal forma que se sente que nos podemos perder e não conseguir voltar ao nosso corpo, pelo que se recomenda apenas para viajantes astrais mais experientes. Ainda assim, tendo em conta a maluquice que para aqui vai, vale a pena o risco. Um álbum a devorar compulsivamente aos bocadinhos, onde nem sempre todas as experiências são bem sucedidas, mas as que resultam, resultam em pleno.

 
Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira