• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)

Ninguém quis perder o regresso dos Greenleaf ao nosso país, depois de se terem destacado no evento
Sprint to Rock Fest em 2014. Prova disso foi um Stairway Club que rebentou pelas costuras para receber o primeiro concerto da digressão europeia destes stoners suecos, que partilharam o palco com outros detentores de semelhantes sonoridades, como foi o caso dos portugueses Miss Lava e Fuzzil.

Para aquecerem a noite fria que se fazia sentir em Cascais, subiram ao palco os Fuzzil, prontos para
darem a conhecer a sua primeiríssima criação, intitulada a propósito "Boiling Pot". Donos de uma atitude bastante enérgica em palco, já que se estreavam no Stairway Club, estes miúdos de Alcobaça contemplaram os presentes com quatro das cinco malhas bem cativantes desse mesmo EP de estreia, com especial destaque para "The Underdog", primeira música do concerto, e "Run". Perante uma boa aceitação por parte dos espetadores, o quarteto mostrou-se sempre imparável, e nem uns breves  problemas técnicos impediram-no de pôr o público a mexer ao som do seu stoner rock arrojado. A banda despediu-se com "Unconscious Minds", tema com influências mais psicadélicas e que já dispõe de videoclipe, dando lugar a uma merecida ovação. Com um caldeirão cheio de ingredientes como o grunge e o stoner rock juntamente com uma pitada de psicadelismo, os Fuzzil deixaram de fato boas indicações no que toca ao seu percurso que se prevê efervescente.

"Nós somos os Miss Lava and we gonna kick your fuckin ass!". Estava dado o mote para o que seria mais um grande concerto dos Miss Lava, o que já é habitual. A banda esteve sempre na máxima força, talvez por ser o seu primeiro concerto de 2016 ou estar naiminência de lançar um novo álbum, o que ambas as situações servem claramente de incentivo, e, quanto a isso, nada como dar a conhecer alguns temas novos, como “In The Arms Of The Freaks”, “Fortune And Vice” ou "Silent Ghost Of Doom", o que talvez leve a crer que vem aí um registo mais doom. Em tom de brincadeira, o vocalista Johnny Lee dedicou aos mais distraídos outros temas "novos" como por exemplo "Ride", o que provou que não havia tanta gente distraída assim, já que os refrões acompanhados por palmas sintonizadas e as ovações aumentavam a cada tema. Depois de quase uma hora de rock puro e duro, os Miss Lava terminaram a sua atuação com a poderosa "Don't Tell a Soul", proporcionando o primeiro crowdsurf da noite, o que num espaço como o Stairway Club é sempre uma grande proeza.
Se "Sonic Debris" se equiparar ao exuberante desempenho em palco deste quarteto, estaremos com certeza na presença de um grande álbum!

Os Greenleaf entraram em cena já para lá da hora marcada, o que revelou não ter muita importância, já que o público acabaria obviamente por perdoar os suecos, como se pôde constatar ao longo do concerto que começou logo a abrir com "Trails And Passes", tema que dá nome ao seu último álbum. Desse mesmo álbum, ouviram-se também "Our Mother Ash","Ocean Deep" e "The Drum", não deixando contudo a banda de promover o seu próximo álbum, "Rise Above The Meadow", com lançamento marcado para o próximo dia 26 de Fevereiro, tendo em sua representação o seu primeiro tema intitulado "A Million Fireflies", bastante orelhudo por sinal. Houve ainda espaço para malhas mais antigas como "Electric Ryder", um instrumental bem portentoso e bem executado por Tommi Holappa, Sebastian Olsson e Hans Fröhlich, pertencente  ao álbum "Revolution Rock", lançado em 2001. Possuidor de uma voz carismática, o vocalista Arvid Jonsson mostrou-se sempre bastante comunicativo com o público, qual pastor evangélico, mantendo a atuação dos Greenleaf numa poderosa toada que culminou na revigorante "With Eyes Wide Open" e, consequentemente, numa grande ovação. Mas o público queria mais e a banda fez-lhe a vontade ao regressar para mais dois temas - um dos quais uma versão mais pesada de "Going Down" de Freddie King - e para uma última e devida ovação. Numa noite embebida em muito rock, os Greenleaf deram sem dúvida uma boa réplica daquilo que foram capazes em 2014 e foi com enorme regozijo que acolhemos o seu regresso a Portugal.

Reportagem por Bruno Porta Nova