• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


W... T... F...?! Dub, rock psicadélico (ou então só psicadélico, sem o rock) cantado em alemão. Sabem o que está aqui? Ora aqui está a receita para o desastre. Se "Bang Bang" é esquisita até mais não, o que dizer da "Sehn=Sucht" que aposta numa mesma melodia e ritmo de baixo (intervalam uns com os outros) ao longo de sete longos e dolorosos minutos? É difícil mas não tão difícil como ouvir este trabalho do início ao fim, sem pelo menos não ficar a interrogar-se como a vida é bela, como o sol brilha lá fora e nós, sofredores e mártires, estamos aqui dentro de casa a ouvir isto.

Peço desculpa, sei que estou a ser cruel e insensível provavelmente. Há por aqui um óbvio esforço e trabalho envolvido. Há dedicação e à, provavelmente, carinho pela obra em si. E é por isso que se aconselha, nestes casos, ser melhor guardar e acarinhar temas como "Der Jüngste Tag" em privado, porque há certas coisas que os estranhos não devem ver/ouvir/saber/conhecer. Há certas coisas que os estranhos não querem ver, ouvir, saber e conhecer. E este trabalho é evidentemente um deles. Demasiado simplista algumas vezes enquanto noutras é demasiado ambicioso, sem conseguir em ambos os casos atingir o seu objectivo - chegar ao ouvinte.

Se for encarado como experimental, trata-se nitidamente de uma experiência falhada. O som electrónico vintage e a voz à la Till Lindemann dos Rammstein faz com que pareça como uma viagem no tempo da famosa banda à década de oitenta, mas querer estabelecer mais paralelos em dois mundos tão distantes (mais distantes até do que apenas 30 anos) é querer abusar da sorte. Curiosamente, conforme o álbum avança, vamos conseguindo apreciar melhor a coisa. Ou já estamos a ficar afectados ou então isto é mesmo bom. Se calhar é melhor não arriscar e parar de ouvir.


Nota: 3/10

Review por Fernando Ferreira