• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


O regresso dos Iron Maiden ao nosso país é sempre um evento. Depois de um álbum esmagador que é "The Book Of Souls", ainda mais, mas no dia seguinte a Portugal ter sido campeão da Europa, o sentimento ainda é mais superior. Poderá pensar-se à partida de que se tratam de dois acontecimentos sem relação um entre outro, no entanto, se há uma banda que melhor acolhe as celebrações e vive o futebol essa banda é mesmo Iron Maiden - sem falar de como o heavy metal sempre foi vivido e celebrado nos concertos da mesma forma que os adeptos vivem e vibram o futebol.

O ambiente soube-se logo que ia ser fantástico, conforme o Meo Arena ia enchendo - apesar de não termos a indicação de que esgotou, terá andado bem próximo disso, certamente. Até mesmo a recepção a uma banda sem grande expressão como os The Raven Age se provou fantástica. Não é caso para dizer que o único motivo de interesse da mesma é o facto de ter como um dos guitarristas o filho de Steve Harris (George Harris), mas a realidade é que o som da banda é algo banal, dentro da linha das propostas actuais que temos de novas bandas que misturam o rock e o metal mais moderno, ficando num meio termo que apesar de agradável, não tem capacidade para grandes entusiasmos. 

A banda britânica conseguiu aquilo que se propôs, aquecer a multidão, com energia e atitude. Mais do que isso é difícil, o que nos dá vontade de soltar uma previsão em resposta aquilo que o vocalista, Michael Burrough, disse antes de anunciar a última música: "Espero que um dia tenham o mesmo tipo de entusiasmo por nós" (referindo-se à reacção do público quando disse que de seguida vinham os Maiden) - achamos difícil que isso aconteça, pelo menos enquanto soarem igual a tantas outras bandas. Ainda assim, uma boa primeira parte que só teve algo realmente mau - o som. Sabemos que o Meo Arena vai ter obras para melhorar a acústica e dizemos com toda a força, já vai tarde! No caso dos The Raven Age, a banda estava a tocar com um eco que pareciam que estavam numa catedral, com a mistura entre os vários elementos a soar desequilibrada.

Aquilo que aqueles milhares de fãs queriam ver era mesmo Maiden e assim que se fez ouvir a já tradicional "Doctor, Doctor" dos U.F.O. como introdução, o público todo entrou ao rubro, cantando a música do início ao fim. O início oficial deu-se com uma animação que estava a passar nos dois ecrãs colocados em cada lado do palco (a primeira vez que a banda teve ecrãs no Meo Arena) e que serviu apenas para levar o público ao rubro. Quando a intro de "If Eternity Shoudl Fail" se faz ouvir, era oficial, era real, Iron Maiden estava de regresso ao nosso país perante uma Meo Arena cheio e eufórico. 

O último álbum foi obviamente o destaque da actuação - algo que já é tradição da banda nos últimos anos, tocar pelo menos seis temas do último trabalho, evidenciando sempre a confiança da banda no mesmo, quando poderia muito facilmente tocar apenas uma ou duas e centrar as atenções nos sucessos do passado (os AC-DC já o fazem há pelo menos vinte anos e ninguém se queixa). Os temas escolhidos foram, além do já citado tema de abertura, "Speed Of Light", "Tears Of A Clown" (tema dedicado a Robin Williams), o fantástico "The Red And The Black", o divertido "Death Or Glory" e o tema-título. Não faltaram as incursões pelo passado, algumas surpreendentes que outras. "Children Of The Damned", "Powerslave", "Blood Brothers" e "Wasted Years" (esta última a encerrar o espectáculo) do lado das surpresas enquanto "The Trooper", "Hallowed Be Thy Name", "Fear Of The Dark", "Iron Maiden" e "The Number Of The Beast" já eram esperadas.

Tal como aconteceu com The Raven Age, o som foi péssimo. No início, principalmente em temas como "If Eternity Should Fail" e "The Red And The Black", muito se perdeu devido à cacofonia que se fazia ouvir. Tivemos, no entanto, a sensação de que o mesmo foi melhorando conforme o espectáculo ia avançando - ou isso ou fomos nós que nos fomos habituando - de qualquer forma, continua a ser um sítio misterioso para se ouvir metal. Ou corre bem ou corre mal, neste caso, considerando o valor do bilhete, poderia ou deveria ter corrido bem melhor. Ainda assim, foi uma noite mágica, com os ecos da vitória futebolistica do dia anterior a contagiar a festa dos Maiden, facto que Bruce Dickinson bem salientou nas diversas intervenções que teve. A energia que o público transmitiu à banda foi única e a resposta foi um concerto fulgurante de uma banda com mais de quarenta anos - uma lição para tantos novos talentos que julgam ter o rei na barriga.

No final, ainda assim, apesar de todas as emoções fortes, ficou a saber a pouco. Seria furar os planos da banda, mas um segundo encore era muito bem vindo, principalmente pelo barulho ensurdecedor que o público fez até se fazer ouvir a outro da praxe, "Always Look On The Bright Side Of Life" dos Monthy Python". Não sabendo se a banda vai continuar com este nível durante muito mais tempo, aquilo que podemos afirmar é que este foi um dos melhores concertos que a banda deu no nosso país nos últimos anos e sem dúvida, o melhor que deu no palco do Meo Arena. Esperemos que não seja o último.

Reportagem por Fernando Ferreira