• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


O regresso dos Iron Maiden ao nosso país é sempre um evento. Depois de um álbum esmagador que é "The Book Of Souls", ainda mais, mas no dia seguinte a Portugal ter sido campeão da Europa, o sentimento ainda é mais superior. Poderá pensar-se à partida de que se tratam de dois acontecimentos sem relação um entre outro, no entanto, se há uma banda que melhor acolhe as celebrações e vive o futebol essa banda é mesmo Iron Maiden - sem falar de como o heavy metal sempre foi vivido e celebrado nos concertos da mesma forma que os adeptos vivem e vibram o futebol.

O ambiente soube-se logo que ia ser fantástico, conforme o Meo Arena ia enchendo - apesar de não termos a indicação de que esgotou, terá andado bem próximo disso, certamente. Até mesmo a recepção a uma banda sem grande expressão como os The Raven Age se provou fantástica. Não é caso para dizer que o único motivo de interesse da mesma é o facto de ter como um dos guitarristas o filho de Steve Harris (George Harris), mas a realidade é que o som da banda é algo banal, dentro da linha das propostas actuais que temos de novas bandas que misturam o rock e o metal mais moderno, ficando num meio termo que apesar de agradável, não tem capacidade para grandes entusiasmos. 

A banda britânica conseguiu aquilo que se propôs, aquecer a multidão, com energia e atitude. Mais do que isso é difícil, o que nos dá vontade de soltar uma previsão em resposta aquilo que o vocalista, Michael Burrough, disse antes de anunciar a última música: "Espero que um dia tenham o mesmo tipo de entusiasmo por nós" (referindo-se à reacção do público quando disse que de seguida vinham os Maiden) - achamos difícil que isso aconteça, pelo menos enquanto soarem igual a tantas outras bandas. Ainda assim, uma boa primeira parte que só teve algo realmente mau - o som. Sabemos que o Meo Arena vai ter obras para melhorar a acústica e dizemos com toda a força, já vai tarde! No caso dos The Raven Age, a banda estava a tocar com um eco que pareciam que estavam numa catedral, com a mistura entre os vários elementos a soar desequilibrada.

Aquilo que aqueles milhares de fãs queriam ver era mesmo Maiden e assim que se fez ouvir a já tradicional "Doctor, Doctor" dos U.F.O. como introdução, o público todo entrou ao rubro, cantando a música do início ao fim. O início oficial deu-se com uma animação que estava a passar nos dois ecrãs colocados em cada lado do palco (a primeira vez que a banda teve ecrãs no Meo Arena) e que serviu apenas para levar o público ao rubro. Quando a intro de "If Eternity Shoudl Fail" se faz ouvir, era oficial, era real, Iron Maiden estava de regresso ao nosso país perante uma Meo Arena cheio e eufórico. 

O último álbum foi obviamente o destaque da actuação - algo que já é tradição da banda nos últimos anos, tocar pelo menos seis temas do último trabalho, evidenciando sempre a confiança da banda no mesmo, quando poderia muito facilmente tocar apenas uma ou duas e centrar as atenções nos sucessos do passado (os AC-DC já o fazem há pelo menos vinte anos e ninguém se queixa). Os temas escolhidos foram, além do já citado tema de abertura, "Speed Of Light", "Tears Of A Clown" (tema dedicado a Robin Williams), o fantástico "The Red And The Black", o divertido "Death Or Glory" e o tema-título. Não faltaram as incursões pelo passado, algumas surpreendentes que outras. "Children Of The Damned", "Powerslave", "Blood Brothers" e "Wasted Years" (esta última a encerrar o espectáculo) do lado das surpresas enquanto "The Trooper", "Hallowed Be Thy Name", "Fear Of The Dark", "Iron Maiden" e "The Number Of The Beast" já eram esperadas.

Tal como aconteceu com The Raven Age, o som foi péssimo. No início, principalmente em temas como "If Eternity Should Fail" e "The Red And The Black", muito se perdeu devido à cacofonia que se fazia ouvir. Tivemos, no entanto, a sensação de que o mesmo foi melhorando conforme o espectáculo ia avançando - ou isso ou fomos nós que nos fomos habituando - de qualquer forma, continua a ser um sítio misterioso para se ouvir metal. Ou corre bem ou corre mal, neste caso, considerando o valor do bilhete, poderia ou deveria ter corrido bem melhor. Ainda assim, foi uma noite mágica, com os ecos da vitória futebolistica do dia anterior a contagiar a festa dos Maiden, facto que Bruce Dickinson bem salientou nas diversas intervenções que teve. A energia que o público transmitiu à banda foi única e a resposta foi um concerto fulgurante de uma banda com mais de quarenta anos - uma lição para tantos novos talentos que julgam ter o rei na barriga.

No final, ainda assim, apesar de todas as emoções fortes, ficou a saber a pouco. Seria furar os planos da banda, mas um segundo encore era muito bem vindo, principalmente pelo barulho ensurdecedor que o público fez até se fazer ouvir a outro da praxe, "Always Look On The Bright Side Of Life" dos Monthy Python". Não sabendo se a banda vai continuar com este nível durante muito mais tempo, aquilo que podemos afirmar é que este foi um dos melhores concertos que a banda deu no nosso país nos últimos anos e sem dúvida, o melhor que deu no palco do Meo Arena. Esperemos que não seja o último.

Reportagem por Fernando Ferreira