• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


«In Eminent Disgrace» marca a estreia e o final dos minhotos Goldenpyre. Estranho? Nem tanto assim, para quem conhece o percurso deste quinteto, desde cedo ligado ao festival SWR, local escolhido para encerrarem a carreira este fim-de-semana. Venham descobrir tudo com a Metal imperium, numa conversa com o guitarrista Ricardo Coutinho.

M.I. - Goldenpyre estão a lançar um disco e a anunciar a presença nos XX anos do SWR. O que se passou na última década?
Este disco que saiu agora, começou a ser gravado em 2007. Entre esse ano e até 2009, nós gravamos a maior parte do álbum, basicamente todo. Até regravámos parte dos temas, pois durante o processo de gravação, tivemos um disco de computador danificado e perdemos parte dos temas. A partir daí, foi a questão de pós-produção do disco, e o estúdio era quase a nossa sala de ensaios, pelo que ensaiávamos e mudávamos coisas, o que estava a tornar a gravação num processo longo. Isto tudo até que tivemos a infelicidade do Jarder, nosso vocalista na época, falecer. Isso colocou a banda em suspenso, as coisas foram-se arrastando e a banda foi-se dissolvendo com o tempo. O ponto final não foi uma decisão que tomámos, mas algo que foi acontecendo. Tínhamos ficado com uma dívida de acabar este disco e quando nos sentimos preparados para retomar, foi o que fizemos, quando sentimos, em finais de 2016, que estávamos prontos. O concerto é para marcar esse lançamento e apenas isso.

M.I. - Apesar de ser uma banda com personalidade própria, Goldenpyre esteve sempre muito ligado ao SWR, e estes vinte anos do festival impunham a vossa presença, não?
Foi uma feliz coincidência, na realidade. Não preparámos tudo a pensar que iam celebrar-se os vinte anos. Quanto à ligação, naturalmente que Goldenpyre está ligado a Barroselas e o festival ligado à banda, mais não seja porque temos na formação o Ricardo e Tiago Veiga, que são os mentores de todo o festival desde a sua génese. Todos os elementos já passaram, de forma mais ou menos activa, pela organização e preparação do festival, mas falamos de entidades separadas, obviamente.

M.I. - Curiosamente, ao fim de uma década, vão recuperar o vocalista anterior, o Freddy, muito querido pelos fãs do grupo e que tinha saído pouco antes do início das gravações.
Sim, creio que saiu em 2007 ou 2008, o último concerto dele estava para ser num festival em Grândola, não se tendo concretizado. Não me recordo o ano exacto e foi esse festival o ponto de viragem, tendo pouco depois começado a trabalhar com o Jarder.

M.I. - O Jarder e a sua geração, fazem parte de uma geração que foi bastante influenciada por Goldenpyre e SWR, quase como uma escola. Influenciaram bastantes bandas da zona mesmo, não no sentido de estilo, mas de abordar o Metal.
Se as bandas foram directamente influencidas, não sei, mas concordo com isso da escola Goldenpyre na região, não como sonoridade, mas na forma de como estruturar e conduzir uma banda, perceberem a regularidade de ensaios, movimentar-se no meio para agendar concertos. Mesmo a rodagem ao vivo, para se tornarem melhores como músicos e banda. Nesse aspecto sim, podiam olhar para nós, que fomos completamente autodidactas e fomos crescendo enquanto músicos à custa da experiência e muito trabalho e empenho. Essa geração que referes, pôde ir vendo e percebendo que é possível chegar lá. Os que estavam próximos de nós, foram-se apercebendo disso.

M.I. - Muitos já não se recordarão, mas apesar do pouco material gravado, fizeram digressões europeias. Recordo mesmo terem estado na Polónia, e se não fizeram mais, se calhar foi porque as condições há uma década eram bem diferentes.
Sim, e fazíamos isso de forma bastante regular. Não me recordo de quando fizemos a primeira mini-tour europeia, mas a partir daí fizemos algo parecido todos os anos, penso que a partir de 2003, até 2007 fomos bastante regulares. O facto do Ricardo e o Tiago serem organizadores de concertos, ajudou a que criassem sinergias à volta deles e é preponderante nos contactos como em Barroselas, em que numa vila minhota surge um festival como o SWR, que é mesmo uma referência europeia. Depois recriavam isso com a própria banda, criando intercâmbio de concertos, e criaram um circuito com coisas a acontecer regularmente.

M.I. - Em tudo isso, talvez o calcanhar de Aquiles tenha sido mesmo a falta de edições, embora na época não fosse assim tão fácil.
Sim, mas como tocávamos com muita frequência, depois não tínhamos tempo para estar na sala de ensaios a preparar os álbuns. É por isso que em tantos anos de actividade este é o nosso primeiro longa-duração!

Entrevista por Emanuel Ferreira