• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Entrevista aos Venom Inc

Os Venom Inc nasceram em meados de 2015 como uma nova banda que reúne toda a força e poder dos seus membros: Tony “Demolition Man” Dolan (baixo/voz) com os membros originais de Venom – Jeff “Mantas” Dunn (guitarra) and Anthony “Abaddon” Bray (bateria). A banda tem estado em tournée(...)

Falecimento do antigo baixista de Celtic Frost

O antigo baixista e membro fundador de Celtic Frost e de Hellhamer Martin Eric Ain, faleceu no passado sábado dia 21 de Outubro, aos 50 anos de idade. A causa da morte foi (...)

Novo álbum de Pestilence em Março

Os Pestilence irão lançar o seu novo álbum "Hadeon", em Março, pela Hammerheart Records. Este trabalho terá treze faixas que combinam as raízes de Pestilence, com a sua (...)

Arch Enemy com novo vídeo "The Race"

Os Arch Enemy acabam de lançar mais um vídeo do seu novo álbum, "Will To Power", que foi lançado no dia 8 de setembro através da Century Media.(...)

Angel Dust estão de volta!

A banda alemã informou através da sua página de Facebook que está de volta e já em estúdio a gravar o seu próximo trabalho. Depois de se terem separado em 2011, (...)


A segunda edição do Morbid Spring Fest aconteceu no Pátio do Sol em Barcarena, no passado dia 14 de Abril. Um sítio aconchegante e verdejante, longe do que poderíamos considerar um cenário idílico para receber aquela quantidade, variedade e agressividade de bandas. Começou por ser caricato e embora tímidos a início, lá nos fomos sentindo cada vez mais confortáveis e adequados ao espaço. A disparidade entre o som e o cenário foi com certeza uma das coisas que ficou na memória dos presentes. Por ser feriado e talvez por estarmos já em fim-de-semana de Páscoa, o evento contou com uma afluência reduzida. Ainda assim o festival foi tudo o que deveria ter sido e sextas-feiras santas assim é que valem a pena.

Com uma atitude menos experiente, mas nem por isso com menos potencial, coube aos My Dementia abrirem hostilidades desta segunda edição de festival. Esta banda lisboeta formada em 2011 trouxe a palco quatro elementos e o seu recente EP “The Struggle (to Find One’s Identity)”, em conjunto com algumas passagens que nos poderiam facilmente fazer lembrar My Dying Bride, o que não tem de ser (e não foi de todo) necessariamente mau. Embora ainda lhes consiga encontrar espaço para definirem a sua própria sonoridade dentro do doom metal, vontade não lhes falta para explorar diferentes conceitos e conjugar aspectos mais clássicos e atmosféricos de uma forma bastante simpática. Serem a primeira banda não foi de todo o melhor que lhes podia ter acontecido, uma vez que o espaço se encontrava ainda bastante despido, mas a verdade é que isso em pouco afectou a performance desta banda… e das que se seguiram.


Já com uma atitude mais madura, chegavam então de Sintra os Burned  Blood e mantiveram entre mãos a difícil tarefa de puxar por um público que, para além de reduzido, pouco parecia estar realmente a aproveitar os concertos. Ainda com baterista e guitarrista recentes, estes meninos mostraram que mesmo com poucos se pode fazer a festa ao som de um deathcore bem esgalhado. Não deixou de ser curioso ver o baixista Cláudio Melo a tocar só de meias e a sentir-se suficientemente à vontade para vir tocar para o meio do público. São já nossos conhecidos de outras paragens e só podemos dizer que a banda se tem demonstrado mais segura a cada actuação. Contámos com temas dos seus dois EPs, entre eles “Evolution of Self” e “Killing Spree”, e mais uma vez contaram com um convidado para a interpretação do tema “The Method”, desta vez protagonizando o dueto com Bruno Evangelista, vocalista dos Mass Disorder.

A actuação dos Disthrone, que chegavam a Barcarena directos da margem sul, prometeu desde que se ouviu o soundcheck da guitarra com “Bate forte o tambor, eu quero é tic, tic, tic, tic, tac” da Banda Carrapicho. Não se armem em esquisitos, que nós sabemos que vocês também conhecem a música e isto demonstra-nos bem que o nosso underground é sobretudo sobre bom humor e companheirismo. Este será certamente o momento ideal para vos introduzir a vocalista Carina Domingues, que não deixou ninguém indiferente com o seu registo vocal abrasivo a acompanhar extraordinariamente bem o puro thrash/black/crust punk à moda antiga que este quarteto nos trouxe. Desde conseguirmos vê-la estrangulada no cabo do microfone até a vermos intimidar toda a gente na sala com um machado na mão, houve direito a um pouco de tudo. A bateria de P. Tosher marcou o passo e se não fosse estar tão pouca gente naquele espaço, era tareia garantida. Ainda mandaram umas bocas tentar agitar o público, sem deixar de mencionar o futebol, mas a verdade é que a mensagem anti-sistema e uma atitude muito DIY foram suficientes e falaram por si só. Tocaram “Mistress of Evil” e “Anti-system” do demo com o mesmo nome, mas também “War Criminals” e “Álcool e Caos” do seu mais recente EP “Retaliação”, lançado o ano passado… e eu se pudesse via mais uma hora de concerto só deles.

Foi em conversa com os elementos da banda nortenha que ficámos agradavelmente surpreendidos por saber que este projecto teve início em Novembro do ano passado. Os Gaerea chegaram do norte, tal como a sua música nos chegou fria, crua, perdida entre a luz e o vazio. Assinaram por uma editora italiana e talvez por isso tenham mais reconhecimento no exterior do que por terras lusitanas. Aos amantes de black metal atmosférico, muito na onda de Mgla, aconselha-se vivamente, e mesmo tendo em conta o boom que este género sofreu, este é um dos projectos nacionais que certamente merece toda a nossa atenção. Depois dos machados, vemos montar-se um suporte de microfone feito com troncos, que não foi de todo a única coisa que se destacou desta actuação. A ausência de luz natural e de interacção com o público, um vocalista entregue à escuridão, os riffs mais melódicos da guitarra e uma bateria dissonante, a tinta nos braços, quantidade de fumo e as máscaras inscritas que cada um dos membros envergava, foram todos elementos fundamentais para tornar aquela actuação ainda mais intensa. Ainda que seja uma opinião ligeiramente tendenciosa (enquanto seguidora de black metal), é exactamente esta a performance que se espera de uma banda deste estilo.

Quanto a nós, o tempo para jantar foi pouco, e já com um horário ligeiramente apertado, foi complicado dedicar a cada banda o tempo merecido. Nada surpreendente num cartaz tão ecléctico e que inclui tantas bandas a tocar no mesmo dia, mas nós ressentimo-nos na mesma.

A nortada continuou e finalmente tínhamos Redemptus à nossa porta. Trouxeram-nos o seu álbum “We All Die The Same” lançado em 2015 e é impossível que tenham deixado alguém indiferente, ainda que houvesse gente mais interessada no jogo que passava na televisão ou nas cervejas que que se bebiam na esplanada. Um projecto que nasceu de partilhas entre dois amigos e se torna numa verdadeira experiência a cada audição, ao vivo ou não. Houve trovoada, as samples de voz fizeram-se à nossa frente e ouvimos temas como “Redemption” e “Busted, Disgusted and not to be Trusted.” A guitarra, a bateria e o baixo unem-se numa profecia caótica e o headbanging do público acompanha. Confesso que preferia vê-los num espaço menos iluminado e menos arrumadinho, mas em pouco o local afectou a qualidade do que este trio nos demonstrou a nível técnico, com o seu doomy-post-sludge metal arrastado. Em passagens dedicadas à decadência da condição humana e o estado da sociedade actual, deixaram-nos na memória frases como: “Society makes us believe we need to live with an eighteen years old body all our lives, but I live just fine with who I am.”  O vocalista P.R. é também conhecido pelos seus projectos paralelos, como é o caso de Besta e de Verdun, e as suas performances continuam a encontrar uma harmonia perfeita entre o desconfortável e o admirável. A banda revelou já este ano estar neste momento a gravar o seu segundo álbum e nós mal podemos esperar.

Os Grimlet vieram direitinhos de Coimbra para apresentar o seu acabadinho de estrear Theia: Aesthetics of Lie” perto da capital, depois de terem feito a apresentação oficial do álbum no Stairway Club. Esta banda conta já com 18 anos de carreira e apenas com três álbuns lançados, são provavelmente a aposta mais convincente a nível do death metal progressivo nacional. Mesmo contando com (menos de) meia casa em Barcarena, traziam com eles a sabedoria e à vontade inerentes a uma banda com este tempo de carreira, mas também alguns elementos surpresa. O guitarrista Flávio e o baterista Filipe são membros relativamente recentes no grupo e embora a banda apresente ainda algumas arestas por limar, a técnica, boa vontade e boa-disposição são coisas que não lhes faltam. O vocalista nunca baixou os braços e tentou sempre puxar por uma plateia que já estava menos do que morna, gabo-lhe o esforço. Conseguiram então falar também ao coração dos aficionados do death metal mais oldschool, apresentando uma setlist onde não faltaram temas como “Knee-Deep in the Dead” e “Chaoscope”, sem nunca descurarem os temas do seu mais recente trabalho.

Depois de tudo isto, foi um prazer ver as nossas preces ouvidas, talvez por estarmos em semana santa. Há pouco tempo partilhámos a falta que sentíamos de um concerto de death metal demolidor, como só os Bleeding Display são capazes de nos proporcionar. Importante destacá-los desde já como tendo sido a única banda com direito a mosh pit (ainda que apenas com três participantes). Um concerto curto e grosso, sem grande tempo para interacções além de alguns agradecimentos à organização, aos presentes e aos que continuavam na esplanada a virar cervejas. Sérgio Afonso incorporou mais uma vez aquele pugilista do mal a que já nos habituámos, sempre muito bem acompanhado pelos seus companheiros na componente instrumental. Pelos atrasos nas actuações, recebemos uma verdadeira visita de médico, pecando somente pela ausência de sangue. Entre faixas como “Refinement of Evil”, “Beyond Flesh” e “Killing Spree”, houve ainda tempo para dedicar “Remains to be Seen” a Nocturnus Horrendus, com a especial participação de Carina Domingues (Disthrone) e de dois machados em nada estranhos aos presentes, proporcionando certamente um dos melhores momentos do festival.

Numa onda consideravelmente mais calma, subiram ao palco A Tree Of Signs. Um projecto que começou em 2012 e sofreu ao longo do percurso algumas alterações na formação original, apresentou-nos no Pátio do Sol a sua mais recente parelha de elementos, P. Tosher na bateria e Sofia Silva na voz, nossa conhecida de Neoplasmah. Num ambiente à média luz apresentaram-nos temas do seu primeiro EP “Salt” e da sua mais recente compilação “The Rituals”, mas também dois novos temas “The Fall of the Neophyte” e “Initiation of Light”, possivelmente a integrarem o álbum que a banda se prepara para lançar este ano. Transportaram-nos para longe, mas para um sítio bonito, sem dúvida. A bateria de Tosher e o baixo de Nocturnus são um verdadeiro duo dinâmico na entrega deste doom metal atafulhado de influências psicadélicas, combinando de forma peculiar algumas influências góticas e folk que conseguimos captar através do teclado de Letícia e da voz de Sofia, perdidas numa aura de natureza e misticismo. As influências são muitas, desde Sabbath a Blood Ceremony, e a conjugação das vozes de Sofia e Nocturnus nas passagens de algumas músicas, em conjunto com tudo o que foi mencionado anteriormente, também marcam a diferença na performance da banda e ao mesmo tempo relembram-nos o talento de cada um dos músicos que integram este projecto.

Os Martelo Negro vieram encerrar esta noite de celebração do underground nacional a chave de ouro, com o seu thrash, death e black metal cantado em português. Mesmo com o Pátio do Sol a contar apenas com a presença dos mais resistentes, seguiram-se cerca de 40 minutos de porradinha nas orelhas à antiga. Donos de uma energia inexplicável conseguiram prender a atenção dos poucos presentes e eu posso garantir-vos que ficámos mais uma vez com o nosso bichinho de mosh a roer-se por não se poder libertar devidamente. Dos dois álbuns já lançados pela banda ouvimos “Mutilação Ritual”, “Servos da Cúspide”, “Liturgia de Excrementos” e “Equinócio Espectral.” Brindaram-nos com um novo tema, “Rameira Necromante”, e ouviram-se rumores de um novo álbum para 2018. Foi (finalmente) a única banda a destacar a presença de uma pequena figura religiosa no background do palco, reforçando uma atitude bem-disposta e “fuck the system.” Sendo a única banda com direito a encore (e bem!), terminaram a actuação ao som de “Hierofante em Chamas” com a participação de Carina Domingues, que subia a palco pela terceira vez nessa noite. Nós agradecemos, porque não é todos os dias que vemos uma presença tão forte em palco e tão humilde fora dele, quando chega a altura de trocarmos uma ou duas palavras com elas.

Existem mais do que mil motivos para explorar o underground português ainda mais, mas continuamos a deparar-nos com uma realidade em que muitos eventos ainda têm pouca adesão do público dedicado às sonoridades mais pesadas. Longe de compreender o porquê disto acontecer, deixo-vos como sempre a mensagem de que vocês é que não sabem o que estão a perder. Queremos deixar um agradecimento à Stone The Crow - Productions por nos ter recebido e à Loudness por nos disponibilizar algumas fotografias, e só esperamos que mais gente continue a ter a mesma coragem que a Rita e o Marco, para fazer avançar projectos e eventos como estes.

Texto por Andreia Teixeira
Fotos por Andreia Vidal
Agradecimentos: Stone The Crow - Productions & Loudness (cedência de fotografias)