• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Chaos Synopsis, banda de São Paulo que, com “Gods of Chaos”, lança o seu quarto álbum de originais, surgiu nos nossos radares aquando da sua confirmação para o SWR XX e, tanto ao vivo como em cada um dos seus trabalhos, não são precisos mais de 30 segundos para sabermos com o que nos vamos deparar.

Um Thrash agressivo, pesado, grave, muito ao estilo dos primeiros álbuns dos seus compatriotas Sepultura. O toque a “Bestial Devastation”, “Morbid Visions” ou até “Beneath the Remains” é mais do que uma simples influência no som de Chaos Synopsis, tanto em “Gods of Chaos” como nos seus trabalhos anteriores. Estas semelhanças são desde logo evidentes pelo estilo vocal de Jairo Vaz, consistindo maioritariamente em berros graves, a roçar o gutural, pelo uso comum de riffs em trémulo e pelas constantes batidas rápidas.

O álbum arranca com uma forte e energética “Raising Hell”, que marca o ritmo para o resto do full-lenght. Com riffs rasgados e um rápido pedal duplo, elementos característicos da banda desde os primórdios, mas já com elementos inovadores presentes neste novo trabalho. Referimo-nos a secções mais melódicas, prática cada vez mais comum em álbuns de bandas de Thrash já com algum nome feito, ao uso de sons eletrónicos em alguns graves, e ao uso de uma dinâmica mais Groove que se tem vindo a tornar mais presente de trabalho em trabalho. Essa veia mais Groove e pausada é mais evidente em “Serpent in Flames”, a faixa mais lenta do álbum, e quiçá da carreira da banda.

Falando de músicas em particular, parece-me relevante destacar “Badlands Terror” como a faixa mais rápida do álbum, que inclusivamente poderia ser destacada como a nossa faixa favorita, não fosse, a pouco mais de metade da música, todo esse power ter-se dissipado por entre linhas melódicas e solos medíocres. Assim sendo, pela sua consistência, esse título será atribuído a “The Beast That Sieges Heaven”, faixa que nos parece jogar melhor com o novo e o clássico da banda, tendo como riff final um dos melhores do álbum.

Não querendo desvalorizar a criatividade da banda e a sua disposição a sair da sua zona de conforto, não nos parece que este formato, um pouco mais longe do Thrash seja o que mais valoriza a banda em questão, que prima bastante mais pela sua energia, velocidade e agressividade do que por um virtuosismo melódico que se apresenta, fruto das características da banda, dispensável.

Para terminar com as críticas, não poderíamos deixar passar o som do bombo que, num álbum eminentemente Thrash, nos parece demasiado artificial, não tanto pelo som em si, mas pelo volume constante e falta de dinâmica na mistura final, principalmente nos momentos mais rápidos.

No cômputo geral, este “Gods of Chaos” apresenta-se como um bom álbum, recheado de excelentes riffs e batidas rápidas e caóticas que, desde o E.P “Postwar Madness”, se mostraram como os elementos fundamentais para a reputação que banda mantém. É a introdução dos elementos mais modernos e inovadores que, a nosso ver, faz com que este álbum não consiga estar ao nível do seu antecessor “Seasons of Red”, que se mantém como o mais forte e consistente álbum da banda.

Nota: 7/10

Review por Jordi Lopes