• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Bliss of Flesh não são uma banda francesa com grande destaque mas “Empyrean”, o seu 3.º e mais recente trabalho, a ser editado no dia 7 do próximo mês de julho através da Listenable Records, irá catapultá-los para as luzes da ribalta. Necurat e Sikkardinal estiveram à conversa com a Metal Imperium.


M.I. – A banda formou-se em 1999 com o nome Labdacides mas, em 2000, alteraram o nome para Bliss of Flesh. Porquê esta mudança?

Sikkardinal – O nome Labdacides era uma referência mitológica à maldição humana mas, rapidamente, percebemos que era um nome foleiro e não estamos aqui para fazer alusões à Grécia Antiga nem queremos ser pseudo-intelectuais. Bliss of Flesh é um nome mais adequado às nossas crenças. Este oxímoro dá ênfase ao paradoxo entre as nossas necessidades espirituais e a nossa ligação à carne, e encaixa no nosso lema.


M.I. – Só ao fim de 10 anos é que lançaram o primeiro álbum “Emaciated Deity”. Porque demorou tanto tempo?

Sikkardinal – Antes do álbum, lançámos a demo, uma pro-tape e 3 EP’s. Tínhamos de pagar o nosso tributo ao underground e queríamos fazer o álbum com tempo, porque achamos era algo que tínhamos de merecer e estes 10 anos foram necessários para tal. Sei que este ponto de vista, hoje em dia, pode parecer obsoleto porque o pessoal quer fazer tudo muito rapidamente.


M.I. – Em 2013, 4 anos após o 1.º, lançaram o 2.º álbum “Beati Pauperes Spiritu” e, 4 anos depois, em 2017, lançaram “Empyrean”.  Este será um padrão para o futuro... um álbum de 4 em 4 anos?

Necurat – Parece que esse é o tempo de que necessitámos para criar material novo e interessante. Por um lado, tentamos tocar bastante, apresentar o nosso material em palco e, por outro lado, somos muito exigentes, portanto 4 anos é como se fosse o nosso número mágico. Poderá parecer um processo lento, nesta era da velocidade. Todos temos empregos a tempo inteiro, portanto não temos necessidade de tocar ou criar merdas para ganhar dinheiro. Fazemos o que fazemos por termos algo para dizer e por termos orgulho no nosso trabalho. Essa é razão pela qual nunca obedecemos a ninguém... mesmo que tal seja um problema para outros.


M.I. – O 1.º álbum foi lançado pela Twilight Vertrieb, o 2.º pela Non Serviam Records e este pela Listenable Records. Porquê a constante alteração de editora?

Necurat – Porque, a cada dia, nos tornamos maiores, tal como um tumor, e temos liberdade para ir onde queremos. Temos de nos sentir bem com as pessoas com quem trabalhamos e nem sempre é fácil lidar connosco porque somos teimosos pra caraças. A Twilight Vertrieb fechou. Depois o Ricardo e Non Serviam Records foram a melhor opção na altura de promovermos “Beati Pauperes Spiritu”, ele fez isso muito bem e estamos-lhe gratos por isso. Para o “Empyrean” escolhemos a Listenable, uma estrutura maior, por acharmos que este álbum merece uma melhor exposição. Tal como te dissemos, o tempo exige progresso, nós avançamos, mas nunca esquecemos de onde viemos.


M.I. – Os vossos 3 álbuns foram inspirados na trilogia “Divina Comédia” de Dante. Porquê este autor e este trabalho em particular?

Sikkardinal – A “Divina Comédia” de Dante é interessante para sublinhar o caminho que se percorre mentalmente até conseguires sentir-te realizado, e encaixa no nosso lema. Pensamos que tens de enfrentar o pior de ti para te tornares em quem és, e esta procura da verdade através de paradoxos está perfeitamente delineada neste trabalho.


M.I. – “Empyrean” fecha esta trilogia, e lida com o quê?

Sikkardinal – Fala da revelação e da decisão final que se tem de fazer para se poder abraçar a nossa própria escuridão e renunciar ao Divino, ou rodearmo-nos de Luz para alcançar a paz. Esta escolha é tua mas, tanto quanto sabemos, a nossa última faixa é “Renunciation” e não “Acceptation”.


M.I. – És fã de literatura? Quem é o teu autor preferido? E a obra?

Sikkardinal – Sou sim e isso é bom, porque é o meu trabalho. Peço desculpa mas recuso-me sempre a referir quem é o meu autor preferido. Primeiro porque não estamos aqui para fingir sermos mais intelectuais do que somos na realidade e segundo, porque escolher um autor está sempre associado ao teu estado mental. O mais importante é tentar sempre ser melhor do que fomos no dia anterior.


M.I. – Os futuros trabalhos de Bliss of Flesh serão também baseados em obras literárias?

Sikkardinal – Certamente haverá sempre uma ligação com a literatura ou com a arte em geral, mas nós criamos mais a partir do nosso ódio e sentimentos do que a partir da razão.


M.I. – Sabendo que este álbum foi baseado no trabalho de Dante, quem transformou o texto em temas?

Necurat – Eu transformei o texto em letra porque é impossível eu cantar letras escritas por outras pessoas que não eu. Foi um trabalho intenso e introspectivo, eu queria criar um universo pessoal inspirado no trabalho do Dante mas com ligações às nossas inspirações. Penso que consegui.


M.I. – Quem fez a capa de “Empyrean”? Porquê tantos anjos e um anjo caído? Qual o significado de tudo isto?

Sikkardinal – Obrigado por perguntares, porque, a maior parte das vezes, o artista com quem trabalhamos não tem destaque. Todo o trabalho foi feito por Balázs Jacsó, um incrível artista húngaro. Este óleo sobre tela retrata um anjo no momento da Renúncia. Na Divina Comédia, o Dante nega a sua humanidade para ter acesso ao céu e alcançar a Luz de Deus. Na capa, queríamos simbolizar a renúncia ao Divino numa visão do Paraíso.


M.I. – Todas as faixas são bastante pesadas para, por um breve instante, pensei que “Renunciation” fosse a excepção já que os primeiros 2m53s são bastante calmos mas depois a intensidade ataca... quão complicado é criar temas apelativos?

Sikkardinal – Acho que é uma questão de inspiração ou sentimentos. Na maior parte do tempo, não criamos com a Razão, só com o Ódio. Quanto a “Renunciation”, tínhamos o pressentimento que os tais 2m53s eram necessários para colocar o ouvinte na melhor disposição possível para ser capaz de apreciar toda a faixa. Já agora, todo o álbum é visto como uma peça só.


M.I. – Quem escreve os riffs? Os músicos da banda têm formação musical ou aprenderam sozinhos?

Necurat – Todos os riffs são escritos pelo Sikkardinal e pelo Pandemic. Depois disso, o Fleshstigma compõe para a bateria. Todos aprendemos sozinhos, mas já temos muita experiência. E tal como já te disse, achamos que o tempo é importante para a aprendizagem.


M.I. – Qual o significado do vosso lema “Humiliation suffering climax”?

Sikkardinal – Para nós, essas três palavras descrevem os passos que nos conduzem à Luz, tal como nos três volumes da Divina Comédia. Primeiro enfrentas a fraqueza, depois tens de a aceitar e, finalmente, abraça-la.


M.I. – Qual a melhor coisa de ser músico? E a pior?

Necurat – Penso que a melhor é tocar ao vivo e fazer tournées. Estar em palco a debitar esta gangrena é o melhor que há para mim. E o pior é ter de compreender tudo o que é necessário para que a tua banda sobreviva. Tens de criar relações para existir, mas nós somos péssimos nisso. 


M.I. – Os Bliss of Flesh já tocaram ao vivo muitas vezes... há alguma que recordes em particular? Porquê?

Sikkardinal – Temos uma boa memória de The Motocultor, porque foi a primeira vez que tocamos para tanto pessoal.


M.I. – A folha promocional refere que vocês têm vindo a construir a reputação de terem espectáculos ao vivo verdadeiramente incendiários. O que têm os vosso espectáculos de tão especial?

Sikkardinal – Nada, porque, tal como dizes, é uma folha promocional. Para ser sincero, nem sei se os nossos concertos são especiais mas sei que são verdadeiros. Nós somos transcendidos pela nossa música e letras e não fingimos o que sentimos. A palavra “incendiário” deve vir do facto do Necurat cuspir fogo em palco, quando nos permitem fazê-lo. Todas as atmosferas que criamos em palco mostram a nossa essência.


M.I. – Com certeza ireis andar em tournée para promover o álbum… quando vos veremos em Portugal?

Necurat – Não fazemos ideia mas esperamos que seja em breve. Depois já poderás confirmar se, afinal, os nossos concertos são especiais ou não.


M.I. – O underground francês parece estar vivo e em muito bom estado, considerando o número de excelentes bandas. Qual a tua opinião?

Sikkardinal – Tens razão! Há muitas bandas excelentes. O mais difícil é não nos tornarmos cópias do que já existe.


M.I. – O que mais detestas na sociedade actual?

Sikkardinal – Estas duas questões estão interligadas. Um pensamento profundo reside na experiência e amadurece com o tempo. A sociedade de hoje vê o tempo como um inimigo e não como um aliado. A verdadeira liberdade vem do conhecimento, mas a paciência já não parece ser considerada uma virtude. Apenas as opiniões prevalecem hoje.


M.I. – Agradeço por terem dispensado o vosso tempo e desejo-vos tudo de bom para o novo álbum. Partilhem uma mensagem com os leitores da Metal Imperium.

Sikkardinal – Obrigado pelo vosso apoio e por repararem em nós!
Necurat – Estamos ansiosos por espalhar a nossa raiva num palco em Portugal!

Humiliation Suffering Climax

For English version, please click here.

Entrevista por Sónia Fonseca