• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


A Metal Imperium esteve ao telefone com Max Portnoy, o filho do baterista dos Dream Theater Mike Portnoy, e ele próprio baterista da banda Next To None. Com a edição em breve de “Phases”, o Segundo álbum de originais da banda da Pensilvania, falámos do processo de gravação, expectativa sobre a nova direcção sonora da banda e memórias de infância.


M.I. – Max, muito obrigado por teres tempo para falar connosco. Vamos começar pelo início: Como é que surgiram os Next To None?

Sempre cresci no meio musical, sendo exposto a música logo numa idade muito jovem, e sendo o meu pai um baterista, acabei por tocar toda a minha vida. Depois, com 10 anos mais ou menos, comecei a levar as coisas mais a sério, tocar alguns concertos e com várias pessoas. Quando conheci o Thomas Cuce (teclas e vocalista), decidimos que era altura de começar a escrever material original e compor umas músicas. Conhecia o Kris Rank (baixista) ainda quando ele tocava guitarra, e quando se juntou aos Next To None mudou para o baixo. O Derrick Schneider foi o ultimo a entrar para a banda, o ano passado, quando o guitarrista que tínhamos foi para a universidade.


M.I. – Sendo tu o filho de um baterista tão importante, isso influenciou a tua escolha de instrumento?

Obviamente que quando começas a tocar bateria quando tens apenas 3 anos, e por teres montes de bombos e tarolas espalhadas por casa e onde quer que vás, tens tendência a agarrar naquilo. Foi isso comigo. Nunca existiu um conselho do meu pai para escolher a bateria sobre qualquer outro instrumento mas era fácil demais para estar a largar e começar a tocar outra coisa.


M.I. – Mencionaste que havia todos esses instrumentos espalhados por casa e também é verdade que seguiste os Dream Theater em tournée desde que nasceste. Achas que eles são uma influência para ti enquanto músico?

Seria doido se não incluísse o meu pai na lista das maiores influências que tenho. Mas foi-me apresentada tanta banda e tanta música ao longo destes anos que não posso reduzir apenas a ele. Adoro Slipknot desde a primeira vez que ouvi, por isso diria que eles são uma das minhas maiores influências, mas também Lamb of Good, Korn ou Tool.


M.I. – Começaste a escrever letras aos 10/11 anos de idade, uma idade em que a maioria dos jovens tem outras coisas na cabeça...

Isso é muito verdade. A maioria dos amigos que tenho com a mesma idade que eu estão mesmo interessados noutras coisas, mas foi assim que aconteceu. Acho que foi algo bastante natural.


M.I. – Falando de “Phases”, o vosso segundo disco, há um claro desvio na direcção da vossa música, de encontro a sonoridades mais pesadas do que acontecia no álbum de estreia “A Light In The Dark” de 2015…

É sem dúvida mais pesado…


M.I. – Isso teve a ver com a mudança de produtor do disco? Em 2015, o disco foi produzido pelo teu pai. “Phases” é produzido pela banda. Achas que foi um passo no sentido de cortares a ligação invisível a ele, que ainda faz muitas pessoas questionar se o vosso som é mais obra do teu pai que vossa?

Sim, é isso mesmo. Temos pessoas que questionam a nossa habilidade de tocar, que dizem que é o meu pai que faz tudo. Quisemos mostrar que somos capazes de criar música que é completamente nossa. Tudo o que ali ouves vem de dentro de nós enquanto banda. Neste disco passámos 4 ou 5 meses juntos, e mesmo quando o processo de produção começou, estávamos lá todos para ajudar e contribuir. Claro que as pessoas vão sempre comparar e falar do envolvimento do meu pai no processo, mas não foi o caso com este disco.


M.I. – O vosso som tem sido descrito como uma nova geração de rock progressivo, e olhando para as faixas escolhidas para o álbum, elas alternam entre os 9 minutos de duração e algumas bem mais curtas. Isso foi pensado? Como é que fizeram em estúdio para produzir faixas com esta duração?

Quando começámos a compor e a escrever as faixas foi difícil antecipar o tempo que cada uma iria ocupar no final. Podemos gravar uma faixa com 3 minutos que pensamos estar perfeita e não tocar mais nela como também haver alturas em que achamos que uma de 4 minutos necessita mais alguma coisa, seja teclas, ou um outro riff de guitarra, e acabamos por estender mais 2 ou 3 minutos. O que é importante é estarmos contentes com o resultado final.


M.I. – Isso quer dizer que ao vivo essas faixas têm espaço para serem mais estendidas?

Essa é uma excelente pergunta. No outro dia estava num concerto de Tool e via como eles tocavam as suas músicas com detalhes extra, adicionando mais coisas ao vivo. E funcionou de maneira brilhante. Acho que algumas das nossas faixas podem ter momentos desses ao vivo. É algo que vamos com certeza considerar!


M.I. – No início do ano andaram em tournée com os Haken. Conseguiram introduzir algumas das novas músicas no alinhamento?

Não muitas. Tocámos duas ou três, obviamente o primeiro single “The Apple”, mas pude ver a reacção do público ao material mais pesado que estava a ser tocado. Os concertos foram espectaculares, tocar na Alemanha, Inglaterra e Itália foi excelente. Mas agora vamos voar de volta à Europa numa mini-tour de suporte aos Mike Portnoy’s Shattered Forest e tocaremos muitas mais.


M.I. – Vão regressar à Europa? Vão andar pelo Velho Continente quando o disco for lançado, a 7 de Julho?

Quase!!! Vamos tocar uma série de concertos pela Europa a partir de 28 de Junho, no Koko de Londres, e acabamos na Holanda na véspera do lançamento do disco. Voamos de volta aos Estados Unidos para dois ou três concertos de apresentação do disco e depois partimos em tournée no mês de Julho com as Doll Skin.


M.I. – Algo que reparei quando tocas ao vivo é que mesmo Escondido atrás de uma enorme bateria, és bastante ativo ao longo do concerto. Como ficam os teus níveis físicos depois de cada actuação?

Bastante baixos!!! Dou sempre 100% no palco e adoro fazer headbanging durante todo o concerto, por isso fico bastante exausto a caminho do fim. Tenho sempre de beber duas garrafas de água ainda antes de acabar a actuação!!


M.I. – Muito obrigado pela entrevista e boa sorte para o futuro. Esperamos apanhar a banda proximamente ao vivo aqui por Portugal. Queres deixar uma última mensagem aos nossos leitores?

Muito obrigado pelo apoio. O novo álbum sai dia 7 de Julho e tem algo para toda a gente, por isso espero que oiçam e gostem dele.

For English version, please, click here.

Entrevista por Vasco Rodrigues