• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


O rock dos britânicos Royal Blood já caiu nas boas graças do público português. A pisar os palcos nacionais pela segunda vez este ano, não podíamos deixar de receber a banda na tour de apresentação do seu segundo álbum, “How Did We Get So Dark?”. 


A primeira parte da noite esteve a cargo dos Black Honey que, à semelhança dos Royal Blood, vieram de Brighton para o mundo. Entraram em palco timidamente com “All My Pride” e o público não reagiu. Mas pouco a pouco, a voz e o carisma de Izzy Bee Phillips foram conquistando os presentes e em “Somebody Better” já se viam pessoas a abanar a cabeça e a bater palmas. “Hello Today” foi uma das mais aplaudidas da atuação, a par de “Spinning Wheel”, cuja sonoridade fez relembrar os tempos do rockabilly. Terminaram com “Corrine” e o público não precisou de incentivo para aplaudir com vontade. 


Foi com o tema-título do novo álbum, “How Did We Get So Dark?”, que os Royal Blood começaram a sua atuação, provocando a euforia imediata. Seguiu-se “Where Are You Now?”, a terminar com o público a chamar pelo nome da banda. Talvez pareça impressionante que uma banda com “apenas” quatro anos de carreira, e com o segundo álbum acabado de lançar, consiga mover multidões até grandes salas lisboetas. Mas basta ouvir um par de músicas destes dois jovens (sim, são apenas dois!) para perceber a excitação. Apresentam-nos um rock despretensioso, mas com muita, muita energia. Chega “Lights Out” e o público não dá descanso, desde o entoar da letra ao crowdsurf nas primeiras filas. Em “Come On Over” e “You Can Be So Cruel”, a história repetiu-se, mas com o dobro da força. 


Seguiu-se “Blood Hands” e “Don´t Tell”. Esta última foi tocada pela primeira vez ao vivo, e que bem soou (embora tenha aumentado a vontade de ouvir “Sleep” e “Look Like You Know”, temas do último registo que também nunca foram tocados e que não foram contemplados nesta noite…talvez numa próxima). “I Only Lie When I Love You” é um dos temas mais orelhudos do novo álbum e foi também um dos mais aplaudidos.  Seguiu-se “She’s Creeping” e voltamos a contar com um coro de duas pessoas, que foi enriquecendo alguns temas ao longo da noite. 



“Little Monster” fez levantar muitas pessoas da bancada e ainda nos presenteou com um solo do baterista Ben Thatcher. Por outro lado, “Hook, Line & Sinker” deixou muitas pessoas literalmente caught in the middle do mosh. “Hole In Your Heart” trouxe as teclas ao palco, mostrando que Mike Kerr é um verdadeiro multi-funções. Mas também soube derreter um pouco dos nossos corações, quando disse que Portugal é o melhor país para se tocar (vamos acreditar, Kerr, ainda que as palavras venham de alguém que canta “I only lie when I make a sound”…mas a sério, acreditamos!). 

Kerr também aproveitou para tecer os maiores elogios ao baterista de serviço (o “sem ossos e feito de aço”, parafraseando o músico), dizendo que é das pessoas mais especiais. 




“Loose Change” e “Figure It Out” fizeram suar a plateia antes de um inesperado encore (uma vez que encores não são o cup of tea do duo). Terminaram com “Ten Tonne Skeleton” e a necessária “Out Of Black”. Nesta última, Kerr deu uns toques na bateria e Thatcher ficou de pé em cima da plateia, como se estivesse a andar sobre água. Thatcher ergue a bandeira portuguesa, Kerr pendura o instrumento, enquanto toca o último acorde da noite. E que noite. 



Texto por Sara Delgado
Fotografias por Everything is New / Alexandre Antunes 

Agradecimentos: Everything Is New