• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Sem grande preparação anímica (no bom sentido, claro), os fãs de Moonspell e de Bizarra Locomotiva, de três locais de Portugal – Castelo Branco, Arcos de Valdevez e Aveiro – tiveram a oportunidade de os ver ao vivo no espaço de 4/5 dias. Esta reportagem é dirigida para o concerto do Cine-Teatro Avenida, em Castelo Branco, que se realizou num espaço fechado e com cadeiras, mas com uma excelente acústica. “Invulgar para o metal” podem dizem alguns, porém o público disse “presente” e quase encheu a casa para assistir a dois concertos brutais, que nos fizeram a todos levantar das tais cadeiras.

O dia estava frio, mas os Bizarra Locomotiva fizeram questão de nos começar a aquecer. Um set de cerca de 50 minutos com êxitos da banda lisboeta, onde pudemos ouvir o Metal Industrial estridente da principal referência deste estilo em Portugal.

“Anjo Exilado” foi uma das músicas que mais facilmente captou a atenção do público, até pela presença de Fernando Ribeiro em conjunto com o vocalista dos Bizarra Locomotiva, bem como “O Escaravelho”, que terminou o seu concerto de forma sublime, com uma “poderosa musculatura”. Já agora, sugestão cultural: a banda liderada por Rui Sidónio vai tocar um dos seus álbuns mais bem-sucedidos, “Álbum Negro”, em concertos no RCA Club (Lisboa) a 9 de Dezembro e no Hard Club (Sala 2, Porto) no dia 13 de Janeiro de 2018.


Por volta das 20h20 entraram em palco aqueles que estavam ali para encabeçar este dia e nos apresentar o seu mais recente álbum, “1755”, um álbum que fala do grande terramoto que houve nesse ano, em Lisboa, e que destruiu grande parte da cidade lisboeta. O álbum, esse, foi tocado na sua totalidade e por ordem. Nada a que os Moonspell não nos tenham já habituado, fizeram-no com outros da sua vasta discografia, mas para os menos informados, este tem uma particularidade que o distingue: é todo cantado na língua de Camões.

A versão orquestral de “Em Nome do Medo” marcou o início, tal como no disco, e aqui, temos de elogiar a capacidade e o trabalho que a banda nacional coloca em cada vez que opta por tocar um álbum nestes moldes, porque com certeza não deve ser tarefa fácil. Os Moonspell executaram-no de forma eficaz e espectacular, num cenário bastante condizente com o tema e onde todas as faixas tiveram o seu significado. Ainda assim, destaco a música “In Tremor Dei”, que contou com a presença do fadista Paulo Bragança, numa união perfeita entre vozes de estilos musicais diferentes, que faz desta uma das melhores faixas de “1755” e uma das melhores que tivemos o privilégio de observar.

Para além destas, “1 de Novembro” foi uma das mais pesadas que ouvimos, “Todos os Santos” já é um dos principais sons deste álbum – em palco com um crucifixo de madeira que emitia luz vermelha – e ainda a última, onde Fernando Ribeiro entrou em palco de forma sombria, com a “Lanterna dos Afogados”, nas mãos. Para terminar esta “primeira fase” do concerto, chamemos-lhe assim, Rui Sidónio também se juntou a Fernando Ribeiro em palco para a versão original de “Em Nome do Medo”. E depois… clássicos! Logo a seguir de ouvirmos “1755”, passámos para Wolfheart. Talvez a melhor música deste espectáculo, “Vampiria”, e uma das melhores dos Moonspell abriu a parte dos clássicos da banda a que se seguiu “Alma Mater”. Depois de cantarmos em português, agora cantámos em inglês e neste êxito, o vocalista pediu que nos levantássemos das cadeiras… como é óbvio, já ninguém se sentou até final do concerto.
Como parte do 20º aniversário do álbum “Irreligious”, completados no ano passado, a banda também nos brindou com um medley de três músicas desse mesmo trabalho, por ordem: “Opium”, “Awake” e “Mephisto”. Uma escolha acertada.

O último parágrafo deste concerto foi feito ao som de “Full Moon Madness”, num solo brilhantemente executado por Ricardo Amorim, enquanto baixava o pano e nos preparávamos para o último aplauso deste Domingo. Fez-se dia… em Castelo Branco.

Texto por Carlos Ribeiro
Fotografias por Catarina Gonçalves