• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Não julgar um livro, ou neste caso, um disco, pela sua capa é a primeira coisa que me ocorre à primeira audição de “Stench of Death” pois, a brutalidade e negritude, inspirada pela capa do referido álbum, que esperava, não ocorre nem na primeira faixa (excelente tema instrumental de raízes folk, “Nekro”), mas sim após a entrada do pedal duplo na bateria em “Echoes from the Coffin”.

A partir desse momento, o mote para a sonoridade geral do disco parece ser dada, esperar o inesperado com riffs de guitarra a lembrar Red Sparowes, passagens instrumentais com recurso a sons pouco usuais num disco de black metal (que seria de esperar da capa e do título do disco), como o uso de vibrafone em ambos os temas iniciais.

Não conhecendo a música, nem o percurso dos Mortis Mutilati, impressiona a variedade de sonoridades que invocam outros géneros e bandas, desde os supra referidos Red Sparowes a Amorphis, passando pela brutalidade e crueza de Abbath, assim como pelo peso doom dos Paradise Lost. Sendo toda a instrumentação do álbum obra quase só de um indivíduo, salvo casos pontuais como a guitarra de Rodkhan (Isthar), torna este álbum mais curioso, por exemplo em momentos em que os teclados servem como contraponto quer às guitarras quer à bateria, o que ajuda a tornar os temas mais épicos, ou mais suaves (para dar apenas um exemplo, ouça-se as passagens instrumentais breves de “Oguent Mortuaire”).

Resumidamente trata-se de um disco variado em termos de sonoridade, que pede diversas audições do mesmo, sendo que a sua duração no total do mesmo pode vir a prejudicar a fluidez a médio prazo, não deixando de primar pela individualidade dos seus temas. Recomendo a quem possua interesse por um disco que invoca tanto filmes de terror (na faixa de encerramento, “Ecchymoses”), como sonoridades que vão além do que seria de esperar para quem, como é o meu caso, teve neste disco a sua introdução a um projecto musical cativante que se baseia no black metal, mais vai muito além desse género.

Nota: 8/10

Review por Raúl Avelar