• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Não julgar um livro, ou neste caso, um disco, pela sua capa é a primeira coisa que me ocorre à primeira audição de “Stench of Death” pois, a brutalidade e negritude, inspirada pela capa do referido álbum, que esperava, não ocorre nem na primeira faixa (excelente tema instrumental de raízes folk, “Nekro”), mas sim após a entrada do pedal duplo na bateria em “Echoes from the Coffin”.

A partir desse momento, o mote para a sonoridade geral do disco parece ser dada, esperar o inesperado com riffs de guitarra a lembrar Red Sparowes, passagens instrumentais com recurso a sons pouco usuais num disco de black metal (que seria de esperar da capa e do título do disco), como o uso de vibrafone em ambos os temas iniciais.

Não conhecendo a música, nem o percurso dos Mortis Mutilati, impressiona a variedade de sonoridades que invocam outros géneros e bandas, desde os supra referidos Red Sparowes a Amorphis, passando pela brutalidade e crueza de Abbath, assim como pelo peso doom dos Paradise Lost. Sendo toda a instrumentação do álbum obra quase só de um indivíduo, salvo casos pontuais como a guitarra de Rodkhan (Isthar), torna este álbum mais curioso, por exemplo em momentos em que os teclados servem como contraponto quer às guitarras quer à bateria, o que ajuda a tornar os temas mais épicos, ou mais suaves (para dar apenas um exemplo, ouça-se as passagens instrumentais breves de “Oguent Mortuaire”).

Resumidamente trata-se de um disco variado em termos de sonoridade, que pede diversas audições do mesmo, sendo que a sua duração no total do mesmo pode vir a prejudicar a fluidez a médio prazo, não deixando de primar pela individualidade dos seus temas. Recomendo a quem possua interesse por um disco que invoca tanto filmes de terror (na faixa de encerramento, “Ecchymoses”), como sonoridades que vão além do que seria de esperar para quem, como é o meu caso, teve neste disco a sua introdução a um projecto musical cativante que se baseia no black metal, mais vai muito além desse género.

Nota: 8/10

Review por Raúl Avelar