• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)



O britânico Ozzy Osbourne é, sem sombra de dúvidas, um ícone na música pesada. Ser membro fundador dos Black Sabbath já era mais do que suficiente para ser considerado como tal; porém, a sua carreira a solo veio consolidar este título. Há 16 anos, o cancelamento da sua presença no Ozzfest, no Estádio do Restelo, abalou uma legião de fãs, que já havia perdido um pouco a esperança de assistir a uma atuação do músico. “Só acredito quando o vir”, leu-se várias vezes nas redes sociais. Foi razão para acreditar – o rei tardou, mas chegou. 

E se esta é a tour de despedida do músico (apesar de o próprio referir que nunca se irá reformar e que irá continuar a tocar em datas únicas), claro que precisava de convidados à altura. E foi assim que os Judas Priest vieram juntar-se à festa.

O pano cai e os britânicos apresentam-se em palco com “Firepower”, tema-título do álbum lançado há quatro meses. Este registo, que foi representado mais tarde com “Lightning Strike” e “Rising From Ruins”, veio reafirmar que a banda ainda tem cartas na manga. Depois de “Grinder”, Rob Halford grita “the priest is back, are you ready?” e o público mostra-se muito entusiasmado. De mencionar que o Altice Arena estava bem composto nesta noite, mas sem ter esgotado. Muito possivelmente, e com muita tristeza se diz isto, “era agora ou nunca”. Quem foi, já tem uma história diferente para contar a gerações vindouras. 

Seguem-se “Sinner” e “The Ripper”. Nesta última, o baterista Scott Travis pede para o público bater palmas, enquanto que no ecrã gigante, por detrás da banda, visualizávamos imagens alusivas a Jack, The Ripper. Ouvimos a já mencionada “Lightning Strike” e “Bloodstone”, mas foi a partir de “Turbo Lover” que o público mudou a sua postura de um “este concerto está a ser bom” para um “vamos aproveitar isto como se não houvesse amanhã”. Em “Freewheel Burning” surgem dois grupos de mosh, ambos na plateia em pé; os fãs do golden circle, mais próximos da banda, preferiram seguir todos os movimentos de Halford e companhia. Este foi, também, um dos temas no qual a voz de Halford se destacou mais: o músico está a caminho dos 67 anos, mas não é algo que se note no seu poderio vocal. “You’ve Got Another Thing Comin’” vem elevar os braços de grande parte da plateia, sendo possível ver uma bandeira de Portugal e outra da Turquia. Não há dúvidas que devem estar muitos fãs estrangeiros presentes na sala; afinal, se um português estivesse lá fora, é provável que também não quisesse perder este espectáculo.


“Hell Bent For Leather” traz Halford a conduzir uma Harley Davidson e vem reativar novamente aqueles dois grupos de mosh anteriormente falados. Plateia em pé 2 – Golden Circle 0. “Portugal, how are you doing tonight? We’ve got one more song, what do you wanna hear?”. Mais uma? Uma era pouco. Muito embora a vontade de ver o Ozzy fosse gigante, o público podia esperar e gastar mais algumas energias com o seu Priest preferido.  Antes do encore, ouvimos a estrondosa “Painkiller”, que manteve o mosh e ainda veio acrescentar algum crowdsurf, para desespero dos seguranças.

O encore foi especial, não só por trazer-nos “Metal Gods” e a obrigatória “Breaking The Law”, mas também porque pudemos contar com a presença de Glenn Tipton na guitarra. Recorde-se que, devido à doença de Parkinson, o músico não consegue tocar todas as músicas da banda, nem aguentar um concerto na íntegra. Assim, cedeu o seu lugar a Andy Sneap, que tem assumido a posição na guitarra. Contudo, e apesar dessa dificuldade, Tipton deu-nos a honra da sua presença nos últimos dois temas de Judas Priest e o público ficou grato, embora tenha ficado a impressão de que nem todos se tenham apercebido da dimensão do que tinha acabado de ocorrer. Tocar guitarra, correndo o risco de a experiência não correr bem devido a uma condição alheia a Tipton, não deve ser tarefa fácil, depois de tantos anos de concertos e álbuns lançados. Por isso, se um músico decide correr esse risco em frente a milhares de pessoas, quer seja por amor à música e/ou aos fãs, merece a maior ovação de todas. Obrigada, Glenn Tipton.

A atuação terminou com a frase “the priest will be back” no ecrã gigante. Cá estaremos para os receber.  


Começam a surgir imagens de Ozzy no ecrã, ilustrando momentos desde a infância até aos seus 50 anos de carreira, e o público fica em êxtase. “I want you to go fucking crazy tonight!”, diz Ozzy, pedindo palmas. A atuação iniciou com “Bark at the Moon”, seguindo-se “Mr. Crawley”, na qual Ozzy se ajoelha no chão e faz uma vénia ao público. Logo desde o início, Ozzy teve como missão criar uma grande cumplicidade com os fãs. Embora a caminhar para os 70 anos, o músico foi puxando pelo público e dirigia-se constantemente de uma ponta do palco à outra. Mesmo sem a agilidade de outrora, isso não o impediu de ser comunicativo, o que pode ser uma grande lição a outros nomes da música com muito menor capacidade de criar empatia. E a voz dele…impecável, superou as expectativas (e foram muitos anos a criá-las!).


“I Don’t Know” fez os braços do público levantarem-se e “Fairies Wear Boots” foi a primeira amostra de Black Sabbath. Para comemorá-lo, Ozzy dá início a um costume seu, que se repetiu ao longo da noite: dirige-se à zona da bateria, na qual se encontram vários baldes de água, pega num, vem até à ponta do palco, deita metade para cima de si e a outra metade para o público. Será este o segredo da juventude de Ozzy, baldes de água fria? Os baldes continuam em “Suicide Solution” e já se vê alguém a repô-los ao lado da bateria. O Ozzy parece, em simultâneo, um velho sábio e uma eterna criança (pendendo mais para o lado da criança!), sendo impossível não entrar no jogo dele. Em “No More Tears”, destaca-se o efeito de luzes na cruz gigante presente no palco, terminando com Ozzy a gesticular de forma algo bizarra (“Ozzy-style”). No fim de “Road to Nowhere”, Ozzy apresenta os músicos que o acompanham já há largos anos: o guitarrista Zakk Wylde, o baixista Blasko, o baterista Tommy Clufetos e o teclista Adam Wakeman.

O segundo tema de Black Sabbath contemplado nesta noite foi “War Pigs”, para grande regozijo dos fãs. Seguiu-se um medley dos temas “Miracle Man/ Crazy Babies/Desire/Perry Mason” que, todo junto, dava um grande tema de metal progressivo. O culpado foi Zakk Wylde, que decidiu vir mostrar os seus dotes à 1ª fila, percorrendo-a na íntegra até à outra ponta. Guitarra à frente do corpo, guitarra atrás das costas, o homem fez de tudo. É inegável a sua qualidade enquanto guitarrista; e enquanto que uns faziam cara de quem já queria o Ozzy de volta, outros maravilhavam-se com a mestria de Wylde. Quando o seu maravilhoso solo terminou, foi a vez de…Ozzy? Não! Foi a vez do baterista Clufetos fazer o seu solo. Todo este tempo deve ter permitido que Ozzy descansasse um pouco, pois esteve ausente durante esse período – nós desculpamos, Ozzy. O importante é ter saúde! Mas dois grandes solos depois, queremos-te de volta, ok?


Em “I Don’t Want to Change the World” ouviu-se Wylde na guitarra e nos vocais. Segue-se “Shot in the Dark” e, no fim, Ozzy diz que aquela é a altura de pedirmos mais uma música (dando a entender que ia terminar a atuação, como é da praxe). Ouvimos a emblemática “Crazy Train” antes do encore, que colocou Ozzy a correr de um lado para o outro e, novamente, a fazer vénias ao público. Foi um dos melhores temas da noite, mas sabíamos que o encore ainda estava para vir. Ouvir “Mama, I’m Coming Home” já no fim da noite é pedir para lacrimejar. Então Ozzy, essas maneiras? Enfim, não havia melhor forma de nos recompormos e de terminar esta atuação do que com a obrigatória “Paranoid”, dos Black Sabbath. Mosh, crowdsurf, gritos, dança – cada um sentiu a música à sua maneira. 

“God bless you all, thank you so much for coming”. Foi assim que Ozzy se despediu de Portugal. Custou – muito – virar as costas ao palco. Será esta a última vez que vejo este homem à minha frente? Muito provavelmente, sim. Obrigada nós por teres vindo. 


Texto por Sara Delgado
Fotografias por Everything Is New/ Nuno Conceição
Agradecimentos: Everything Is New