• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Com mais ou menos anos de carreira, há poucas bandas que merecem ser referidas como verdadeiros clássicos… e ainda menos se falarmos de clássicos do rock progressivo. Ora, no passado dia 2 de setembro, os britânicos Camel regressaram a Portugal, para nos relembrar os seus clássicos e fazer-nos embarcar numa nostálgica viagem.

Com data única marcada para Lisboa, chega a ser surpreendente como é que estes gigantes do prog não mereceram mais destaque no seu regresso a território nacional, passados quatro anos desde a sua última visita. Desta feita, tínhamos encontro marcado para uma quente noite de domingo, no Coliseu dos Recreios, sem necessidade de qualquer banda de abertura. Mal nós sabíamos o que nos esperava.

Acho que se pode falar por todos quando se diz que este tipo de concertos nos consegue deixar qualquer um com um nervoso miudinho, mas sempre saudável. Para além de contarem com o fundador Andrew Latimer no seu alinhamento, falamos da atuação de uma banda com mais de 40 anos de carreira, e de um concerto onde poderíamos ouvir o icónico “Moonmadness” na íntegra.

A primeira, e mais curta, parte da atuação incidiu sobre “Moonmadness”, onde nos deixámos encantar pela naturalidade com que temas como “Song Within a Song”, “Another Night” e “Lunar Sea” voavam e flutuavam entre as luzes, saídos diretamente dos instrumentos de Latimer, Colin Bass, Denis Clement e Pete Jones, até aos nossos ouvidos. Sendo um dos membros mais recentes, Jones é responsável pelas teclas deste coletivo desde 2016, mas nem por isso revela uma menor entrega em cada um dos temas tocados naquele palco, sobretudo se falarmos da sua capacidade vocal e dos momentos memoráveis que os seus duetos com Latimer conseguiram criar.

Depois de uma curta pausa, os músicos regressam ao palco revigorados e chega a altura de trocar alguns recados com o público, sempre demonstrando o maior carinho pelos seus fãs portugueses, que, verdade seja dita, conseguiram compor uma plateia à altura para os receber. A segunda parte garantiu-nos uma longa e prazerosa viagem pela carreira da banda, desde 1976 a 1999, passando por temas como “Unevensong”, “Rajaz”, “Ice”, “Mother Road” e “Long Goodbyes”, que inúmeras vezes garantiram momentos únicos entre músicos e público, em que tantas vozes se faziam ouvir em uníssono.

Durante esta viagem pelo tempo, não faltou espaço para que cada um dos elementos e instrumentos nos relembrassem de que é feito o virtuosismo. Versatilidade é a palavra de ordem e Andrew Latimer continua a demonstrar toda a sua humildade e simpatia em palco, mesmo com 47 anos de grandes êxitos às costas, e todos os membros da banda acompanham esta simplicidade aliada a uma mestria incomparável. A atenção de Latimer divide-se entre voz, flauta e guitarra, e a cumplicidade sentida entre todos os membros conseguiu conquistar qualquer um que esteve presente no Coliseu naquela noite.

Foi entre intermináveis agradecimentos e aplausos que vemos a banda abandonar o palco, e entre mais uns tantos que os víamos regressar, para o tão desejado encore. Quando todos os presentes pensavam que já nada os poderia surpreender, fizeram-se ouvir os primeiros acordes de “Lady Fantasy” do, também ele icónico, “Mirage.” O quarteto, embora já com alguns sinais de cansaço após duas horas de concerto, não demonstravam vontade de abandonar o palco, e o público revelava ainda menos sinais de querer sair daquela sala sem oportunidade de lhes prestar mais uma homenagem. O adeus fez-se de pé, novamente perdido entre sorrisos e desejos de um breve regresso.

Texto por Andreia Teixeira
Fotografias por Ana Carvalho
Agradecimentos: Ecosmusicais