• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


A Noruega continua a surpreender-nos com óptimas bandas de Black Metal. Apesar dos Helheim não serem novatos na cena, parecem ter sido um pouco negligenciados por ela... "Rignir", o seu décimo álbum está aqui para nos provar que eles merecem os holofotes! A Metal Imperium conversou com Vgandr sobre o novo álbum e tournée. 

M.I. - Helheim existe há 27 anos e muitas bandas norueguesas que se formaram nos anos 90 ainda estão activas. Tens alguma ideia da fórmula para todo este sucesso?

Não, na verdade não. A única coisa de que tenho certeza é que Helheim é uma banda de irmãos. É importante para nós aproveitarmos o que estamos a fazer e sentir que somos criativos. Todas as ideias de nos tornarmos uma grande banda estão além de nós e estamos bastante à vontade com quem somos como banda. Nós ouvimo-nos e respeitamo-nos. Não há egoísmo e coisas infantis. Nós não temos uma grande máquina atrás de nós que nos pode puxar para qualquer direcção. Somos a fonte criativa e, felizmente, seguimos um caminho em unidade, em vez de segregados. Se tudo isso é fundamental para o sucesso de permanecer juntos como banda, então fico à vontade com isso. Mas acho que bandas diferentes têm opiniões diferentes. Todas as entidades são diferentes.


M.I. - Este ano os Helheim lançarão o seu 10º  álbum "Rignir" e, de acordo com a banda, "este foi de longe o álbum mais intrigante que fizemos até agora. Esperem o inesperado!". O que querem dizer com isto exactamente?

De muitas formas, foi o álbum que exigiu o próximo passo para nós, especialmente a nível vocal. Mas também a maneira como criamos algumas das músicas como por exemplo Rignir e Snjova. Elas são bastante diferentes em muitos aspectos, e levou muito tempo para que (assim como as outras) soassem como queríamos que soassem. Todo o conceito lírico também foi o mais demorado que já fiz até agora.


M.I. - O álbum é composto por 8 faixas e escreveste letras inspiradas no ljóðaháttr, uma forma de verso aliterativo do Norueguês Antigo usada amplamente nos Eddas. Quão complicado foi transformá-los em músicas?

A música é criada sem pensar nas letras em mente e vice-versa. São entidades separadas que são colocadas juntas depois de tudo estar pronto. As letras eram realmente difíceis de escrever, já que todas tinham que seguir um certo padrão rítmico, e o facto é que todas as letras poderiam ir para qualquer música do álbum, já que todas seguem um certo padrão. Nós trocamos as músicas por letras diferentes até nos sentirmos confortáveis ​​com a música que compunha a letra.


M.I.  De qual gostas mais: da Edda Prosa ou da Edda Poesia? Em qual te baseaste mais?

Eu não tenho favorito. Eu basicamente usei o Håvamål como trampolim para a forma de verso aliterativo.


M.I. – Todos os título de Rignir aparecem como dinamarqueses ou islandeses porque Edda é uma obra literária da Islândia Medieval. És fluente nessas línguas?

Não, não mesmo. Nenhum dos títulos está em dinamarquês. Estão todos na língua nórdica, ou velho islandês. Eu sei ler dinamarquês como se fosse norueguês, mas falar pode ser difícil às vezes. Norueguês, sueco e dinamarquês são na verdade apenas dialectos uns dos outros. As fronteiras criam a separação do dialecto para o idioma. O islandês é difícil de entender, embora falássemos mais ou menos assim há séculos atrás. Os títulos do álbum estão no Norueguês antigo, mas as letras são escritas em norueguês e cantadas no nosso dialecto de Bergen.


M.I. - É preciso voltar a 2003 e 2006 para ver álbuns / faixas com títulos em inglês. Esta é uma escolha consciente? Expressam-se melhor em outras línguas ou elas encaixam-se melhor nos vossos temas?

Naquela época, chegou a um ponto em que estava farto de escrever em norueguês. Eu queria expressar-me de maneira diferente. Então cansei-me de inglês e nunca mais voltei a esse idioma. Agora sinto-me bastante à vontade apenas a escrever em norueguês e não consigo imaginar o retorno ao inglês.


M.I. - Qual é o significado do símbolo azul na capa?

Azul representa o frio. O símbolo pode representar uma gota de chuva, bem como as sete montanhas de Bergen, que são bastante chuvosas.


M.I. - A banda andará em tournée com Madder Mortem e Vulture Industries. Quais são as tuas expectativas?

Tenho grandes expectativas para esta tournée. Quer dizer, somos bons amigos dos rapazes dos Vulture e, embora não conheçamos os humanos dos Madder, ouvimos coisas boas sobre eles. Acho que será uma tournée bastante relaxada de várias maneiras. Os dias de deboche completo em tournée estão mais ou menos acabados (excepto em algumas ocasiões, (risos) ). Quando se trata da participação, sou mais cétpico, já que todas as bandas são pequenas e não têm um grande número de seguidores. É importante ser realista e ter as expectativas mais baixas em determinadas situações, ou podes ficar desapontado. Eu prefiro ficar positivamente surpreso por ter baixas expectativas do que o contrário. Tendo dito isto, é claro que sempre daremos o nosso melhor à audiência, contanto que haja a energia e a atmosfera certas, não importa se são 50 ou 500.


M.I. - É divertido andar em tournée? Gosta tanto como há 20 anos?

Não sei, para ser honesto, as memórias são traiçoeiras. O que posso dizer é que tento cuidar-me um pouco mais. Já não tenho 20 anos e sinto-o. Não estou a dizer que sou velho ou algo assim, mas é claro que ter 41 é muito diferente de ter 18-19. Ao pensar nisso, acho que em certas coisas fui muito aventureiro. Tudo era novidade e, hoje em dia, nada é novo. Hoje o foco é diferente. A tournée não é vital para mim, mas tocar ao vivo é.


M.I. - Infelizmente, não há datas portuguesas incluídas na tournée. Já tocaste aqui? Em caso afirmativo, o que achaste da audiência portuguesa? Se não, gostarias de vir cá?

Eu só estive em Portugal com os Taake. Tocamos no Barroselas. Esse foi um grande festival e gostaria de voltar lá com qualquer banda. Os portugueses foram extremamente simpáticos. Realmente quero dizer que foram muito abertos e úteis. Isso fez-me sentir bem-vindo. Porra, temos que ir a Portugal.


M.I. - Conheces a cena metal portuguesa?

Receio que não. Tanto quanto eu sei, só conheço uma banda e é tão óbvio a banda de que eu estou a falar que nem vou dizer o nome deles.


M.I. - Se pudesses viajar no tempo... que conselho darias a ti mesmo há 20 anos? Por quê?

Não me escute. Sou um merdas (risos).


M.I. - A banda já existe há mais de 25 anos... alcançaste todos os objectivos que pretendias quando criaste os Helheim? O que resta para os Helheim alcançarem?

Sim e mais. Somos todos muito afortunados com a forma como as coisas estão a correr para nós e não quero reclamar de nada. Fizemos algumas escolhas estranhas e erradas, mas esse é o curso dos acontecimentos. Casos errados podem causar um efeito positivo depois. Aprendes e cresces com os teus erros. Se escolheres sempre olhar para trás em desespero e te arrependeres, pode ser quase impossível crescer no futuro. Pelo menos essa é a minha filosofia. Não resta nada para fazer além de continuar a fazer o que estamos a fazer e isso é levarmo-nos aos nossos limites para em todos os álbuns que criamos. A nossa paixão para criar absorve as ideias mundanas do que pode alcançar. Isso é secundário na melhor das hipóteses. O foco total e a dedicação exigem que fiques cego para as distracções em teu redor. Entramos numa hibernação criativa onde nada mais importa do que o nosso espaço de trabalho criativo.


M.I. - Muito obrigado pelo teu tempo. Espero que te divirtas na tournée. Desejo-vos todo o sucesso com "Rignir" e espero venham a Portugal um dia. Deixa uma mensagem para os leitores da Metal Imperium, por favor.

Muito obrigado, Sónia. Esperamos realmente que a oportunidade possa surgir um dia para os Helheim irem explorar e tocar em Portugal. Espero que existam alguns portugueses que tenham ouvido falar de nós, senão está na hora de nos descobrir. Termino esta entrevista citando-me a mim mesmo: O paganismo é resistência!

For English version, click here

Entrevista por Sónia Fonseca