• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


Os israelistas Orphaned Land retornaram a Portugal apenas um ano após terem atuado no Vagos Metal Fest, sendo estes uma banda com presença cada vez mais habitual no nosso país. A banda atuou no Hard Club (Porto) a 17 de abril e no RCA Club (Lisboa) tendo pelo menos esta segunda data tido uma casa cheia de fãs, ávidos por ouvir o metal oriental da banda.

A abertura da noite do concerto em Lisboa ficou a cargo dos indianos SystemHouse 33. A banda não trouxe uma sonoridade exótica conforme seria expectável e sim um thrash/groove metal que é bastante praticado em solo nacional. Em Portugal somos especialistas neste tipo de som mas o quarteto da Índia mostrou que em qualquer parte do mundo se pode fazer boa música em qualquer género. Os SystemHouse 33 foram protagonistas de um concerto enérgico, durante os três quartos de hora que dispuseram para mostrar a sua música, dando uma boa imagem de si ao público português. Eles disseram querer voltar a Portugal e seguramente alguns dos presentes estarão presentes num eventual próximo concerto.

Os Subterranean Masquerade são compatriotas dos Orphaned Land mas não se pense que por isso a sonoridade que estes praticam é muito idêntica à da banda de Kobi Farhi. A proposta musical praticada por parte do grupo tem aqui e ali a influência do médio oriente mas menos do que no caso dos Orphaned Land, tocando um metal progressivo muito seu e interessante, sendo esta uma banda com qualidade para poder ser descoberta por um número maior de pessoas. Aqui a amostra foi boa com a banda a ter uma eficiente presença em palco e com o seu vocalista a mostrar boa disposição ao proferir algumas palavras em português como "Obrigado linda beijinhos". Um momento caricato num concerto que foi baseado essencialmente em temas do mais recente álbum do grupo, "Vagabond", que por esta amostra se revelou digno de atenção.

Os Orphaned Land souberam intercalar os temas fortes do seu mais recente trabalho, "Unsung Prophets & Dead Messiahs", com os clássicos da sua já profícua carreira, resultando em mais um concerto de belo efeito em solo português. "The Cave", o tema inicial do acima referido álbum, iniciou bem o concerto, sendo que o grupo logo passou para temas antigos do calibre de "All Is One", "Barakah", "The Kiss of Babylon (The Sins)" e "Ocean Land (The Revelation)" com o público a ser facilmente conquistado. Seguiu-se o hit do novo disco, "Like Orpheus", com Kobi Farhi a cantar bem a parte pertencente a Hansi Kürsch. O grande nome do metal do médio oriente continuou a apresentar temas mais recentes com a poderosa "We Do Not Resist", com o público a gritar "Resist", antes do início do refrão. Após uma bem conseguida "Let The Truce Be Known", o frontman da banda perguntou aos fãs se queriam ouvir um tema do novo álbum ou do clássico "Mabool", sendo que as reacções foram idênticas e não esclarecedoras. Assim sendo, a banda optou por tocar um dos temas obrigatórios do álbum mais antigo desses dois, "Birth of the Three (The Unification)", um dos melhores da noite, que terminou com o público a saltar e a cantar. O concerto prosseguiu com dois temas recentes ainda não tocados por terras lusas, "In Propaganda" e "All Knowing Eye" com destaque para a primeira. Kobi Farhi revelou que esta é a primeira tour em que está envolvido como pai e que a sua filha se chama Leila, tendo seguidamente pedido para o público cantar "Leila, Leila, La", durante o tema "In Thy Never Ending Way (Epilogue)", numa espécie de homenagem ao seu recém-nascido rebento. Os fãs obedeceram a todos os pedidos do cantor durante o espetáculo e neste caso não houve excepção. Após uma breve saída de palco a banda regressou para tocar a balada "Brother", aqui despida da parte orquestral. Mais uma memorável passagem do grupo israelita por Portugal terminou com a inevitável "Norra El Norra", com o público todo a saltar e ainda houve tempo para um excerto da parte final da velhinha "Ornaments of Gold".

Reportagem por Mário Santos Rodrigues