• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes

The V - Now Or Never


Zandelle - Perseverance


Defect Designer - Ageing Accelerator


Noctum - Until The... Until The End


Sinister - Dark Memorials


Shape - Crossing Roads


Luca Turilli's Rhapsody - Prometheus Symphonia Ignis Divinus


Harmony - Theatre Of Redemption


Watertank - Destination Unknown


Stormhammer - Echos Of A Lost Paradise


The Bridsmaid - Grayson


Slug Comparison - Slug Comparison


Ectovoid - Dark Abstraction


Paradise Lost - The Plague Within


Orakle - Éclats


My Hollow - On Borrowed Time


Powerwolf - Blessed And Possessed


Russkaja - Peace, Love & Russian Roll


Chaos Magic - Chaos Magic


Deadspace - The Promise Of Oblivion


Natural Information Society & Bitchin Bajas -Automaginary


Leah - Kings And Queens


Dimino - Old Habits Die Hard


To/Die/For - Cult


On Top - Topless


Aponkatation - Conquerors Beyond The Stars


As Light Dies - Gea


Enforcer - From Beyond


Corpse Garden - Entheogen


Sacrilege - Six6Six


Blizzard Hunter - Heavy Metal To The Vein


Ultimate Holocaust - Blackmail The Nation


Ossicles - Mantelpiece


Xandria - Fire & Ashes


Yes - Like It Is - At The Mesa Arts Center


Timecop1983 - Reflections


Thy Art Is Murder - Holy War


Old Graves - This Ruin Beneath Snowfall


Sacrilege - Ashes To Ashes

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



















Novidades sobre os nacionais D U M

O projeto nacional idealizado no longínquo ano de 2005 por Augusto Peixoto (Head:Stoned), começa agora a dar frutos. Os nacionais D U M, preparam-se para lançar um novo

Megadeth - Dave Mustaine justifica alterações na formação da banda

Após a recente substituição do guitarrista Chris Broderick por Kiko Loureiro (Angra) e do baterista Shawn Drover por Chris Adler (Lamb of God), Dave Mustaine, vocalista/guitarrista/líder dos míticos (...)

Vagos Open Air - Horários de actuação das bandas já disponíveis

Os horários de atuação e a distribuição do cartaz desta edição do Vagos Open Air por dias já se encontra disponível. Os horários dos concertos estão(...)

Amplifest 2015 - Novidades no cartaz

O projeto a solo de Mathieu Vandekerckhove - guitarrista fundador dos Amenra (que de resto também irão atuar no festival) e os WIFE (projeto de James Kelly dos Altar Of Plagues) (...)

Warm Up Moita Metal Fest 2016 - Cartaz completo

Anteriormente, foi dado a conhecer que os alemães Dew-Scented seriam os cabeças-de-cartaz para o Warm Up Moita Metal Fest, que irá decorrer no dia 13 de Novembro(...)


E agora, algo completamente diferente! Os Wardruna são noruegueses, de Bergen, e não tocam black metal. Na verdade, são uma banda que nem ser usam distorção. Gaahl é um dos vocalistas - Linday Fay Hella é a outra - e a música tem um toque folk e ritualista que até se pode dizer que é familiar ao black metal, mas o espírito não poderá ser, em termos sonoros, mais oposto. Mais de uma hora de duração (sessenta e oito minutos) fazem do segundo álbum deste projecto uma viagem a tempos passados e com que se queira lá ficar com muito gosto.

Tal como no álbum anterior, cada tema pega numa Runa e explora-a liricamente e sonicamente - e assim será no próximo já que se trata de uma trilogia que cobrem as vinte e quatro runas do Elder Futhark, um dos antigos alfabetos rúnicos, usado na escandinávia. Os instrumentos usados aqui são bastante orgânicos (não se notando muito bem o que são samples e o que são instrumentos..."reais"), todos tocados pelo multi-instrumentalista Kvitrafn (que já foi baterista de bandas como Sahg e Gorgoroth) e a atmosfera transmitida é fantástica. Uma coisa é usar a cultura pagã que está na origem dos povos da escandinava como gimmick, numa intro, aberturas de concertos, até misturar com metal, de forma bem sucedida.  Outra coisa é explorar esse lado apenas, num segundo álbum, com onze músicas, ssessenta e oito minutos, sem soar repetitivo.

Esta viagem por "Yggdrasil" é uma viagem à cultura nórdica, é uma viagem que muitos poderão achar aborrecida, por acusarem a ausência de guitarras distorcidas, blastbeasts ou vozes a gritar por satanás. Para aqueles que não sentem as coisas desta forma e conseguem mergulhar a fundo, esta é uma verdadeira pérola em que para sair deste mundo basta fechar os olhos e abrir os ouvidos. Inesperado, surpreendente e deliciosamente essencial.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira