• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Se esta não é uma das melhoras bandas espanholas de sempre, deve andar par a par com as melhores. Este “Mantiis” já tem dois anos, sendo que quando foi lançado em 2012 pela própria banda, numa edição limitada de quinhentas unidades, esgotou rapidamente, praticamente evaporando-se. A banda tem estado activa em cima dos palcos (como pudemos constatar no final do mês passado quando abriram para Sólstafir) e reconhecendo o seu valor, a Season Of Mist, reedita este trabalho colocando-o disponível para todos aqueles que não conseguiram agarrar essa primeira edição de autor. O trabalho é composto por uma única faixa, dividida em catorze partes (que no leitor de cd funcionam como faixas).

É um trabalho difícil de categorizar embora seja claramente progressivo, seja claramente metal, seja claramente metal. É nessa dificuldade que reside o brilhantismo deste trabalho e da banda, essa incapacidade de qualificação que se tem um dos grandes indicativos de que este trabalho é daqueles que vão ficar na história. Contornando facilmente o problema que surge a muitas boas bandas que tentam colocar tudo no mesmo saco e acabam por se espalharem ao comprido, revelando não tendo maturidade e/ou capacidade para atingir de forma satisfatória tal tarefa. Neste caso, é exactamente o contrário que acontece. Tudo flui, nada é forçado. De faixa para faixa, de capítulo para capítulo, todas as nuances, todas as mudanças, todas as transições fazem sentido, tudo faz sentido, seja nos momentos mais calmos (como o início sequencial com “Not Yet Five” e “Oncoming Dark”) como nos mais agrestes (assim como na que se segue, “ Through The Glass” e “Cinnamon Glass”, um dos momentos mais intensos do disco e uma faixa que já se revelou obrigatória ao vivo).

Mas estar a salientar este ou aquele momento é como retalhar uma bela peça de arte que deve ser apreciada no seu todo, embora as peças em separado funcionem muito bem – quem já teve a felicidade de os ver ao vivo já comprovou que as músicas mesmo com a ordem alterado encaixam e fluem igualmente bem. Ou seja, dê por onde der, em separado ou em conjunto, a música contida em “Mantiis” é superior. Este é um trabalho maior no espectro do metal experimental ou progressivo (reforçando mais uma vez que não vale a pena especificar muito correndo o risco de ser injusto ou impreciso) e que é aconselhável a todos que gostam de música desafiante. Correcção, é obrigatório.


Nota: 9.5/10

Review por Fernando Ferreira