• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Entrevista aos Venom Inc

Os Venom Inc nasceram em meados de 2015 como uma nova banda que reúne toda a força e poder dos seus membros: Tony “Demolition Man” Dolan (baixo/voz) com os membros originais de Venom – Jeff “Mantas” Dunn (guitarra) and Anthony “Abaddon” Bray (bateria). A banda tem estado em tournée(...)

Falecimento do antigo baixista de Celtic Frost

O antigo baixista e membro fundador de Celtic Frost e de Hellhamer Martin Eric Ain, faleceu no passado sábado dia 21 de Outubro, aos 50 anos de idade. A causa da morte foi (...)

Novo álbum de Pestilence em Março

Os Pestilence irão lançar o seu novo álbum "Hadeon", em Março, pela Hammerheart Records. Este trabalho terá treze faixas que combinam as raízes de Pestilence, com a sua (...)

Arch Enemy com novo vídeo "The Race"

Os Arch Enemy acabam de lançar mais um vídeo do seu novo álbum, "Will To Power", que foi lançado no dia 8 de setembro através da Century Media.(...)

Angel Dust estão de volta!

A banda alemã informou através da sua página de Facebook que está de volta e já em estúdio a gravar o seu próximo trabalho. Depois de se terem separado em 2011, (...)


Se esta não é uma das melhoras bandas espanholas de sempre, deve andar par a par com as melhores. Este “Mantiis” já tem dois anos, sendo que quando foi lançado em 2012 pela própria banda, numa edição limitada de quinhentas unidades, esgotou rapidamente, praticamente evaporando-se. A banda tem estado activa em cima dos palcos (como pudemos constatar no final do mês passado quando abriram para Sólstafir) e reconhecendo o seu valor, a Season Of Mist, reedita este trabalho colocando-o disponível para todos aqueles que não conseguiram agarrar essa primeira edição de autor. O trabalho é composto por uma única faixa, dividida em catorze partes (que no leitor de cd funcionam como faixas).

É um trabalho difícil de categorizar embora seja claramente progressivo, seja claramente metal, seja claramente metal. É nessa dificuldade que reside o brilhantismo deste trabalho e da banda, essa incapacidade de qualificação que se tem um dos grandes indicativos de que este trabalho é daqueles que vão ficar na história. Contornando facilmente o problema que surge a muitas boas bandas que tentam colocar tudo no mesmo saco e acabam por se espalharem ao comprido, revelando não tendo maturidade e/ou capacidade para atingir de forma satisfatória tal tarefa. Neste caso, é exactamente o contrário que acontece. Tudo flui, nada é forçado. De faixa para faixa, de capítulo para capítulo, todas as nuances, todas as mudanças, todas as transições fazem sentido, tudo faz sentido, seja nos momentos mais calmos (como o início sequencial com “Not Yet Five” e “Oncoming Dark”) como nos mais agrestes (assim como na que se segue, “ Through The Glass” e “Cinnamon Glass”, um dos momentos mais intensos do disco e uma faixa que já se revelou obrigatória ao vivo).

Mas estar a salientar este ou aquele momento é como retalhar uma bela peça de arte que deve ser apreciada no seu todo, embora as peças em separado funcionem muito bem – quem já teve a felicidade de os ver ao vivo já comprovou que as músicas mesmo com a ordem alterado encaixam e fluem igualmente bem. Ou seja, dê por onde der, em separado ou em conjunto, a música contida em “Mantiis” é superior. Este é um trabalho maior no espectro do metal experimental ou progressivo (reforçando mais uma vez que não vale a pena especificar muito correndo o risco de ser injusto ou impreciso) e que é aconselhável a todos que gostam de música desafiante. Correcção, é obrigatório.


Nota: 9.5/10

Review por Fernando Ferreira