• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)




Os Mammoth Storm são, como o próprio nome indica, uma banda de doom paquidérmico e monolítico que têm com este “Fornjot” o seu álbum de estreia. É precisamente com um tema épico de onze minutos que a banda sueca inicia a sua discografia no que aos longa-duração diz respeito. Não basta ter temas enormes para que se tenha um épico. Neste caso, as melodias etéreas das guitarras são essenciais para que se crie o ambiente necessário para que se sinta a escuridão a envolver o ouvinte conforme a música vai avançando. E acreditem, a escuridão vai engolfar o ouvinte que se atrever a ouvir “Augurs Echo” e à sua melodia cinematográfica.

Com a produção a cargo da própria banda e em conjunto com Johan Ericson (que já trabalhou com bandas como Draconian), a produção é suja mas ao mesmo tempo tem a capacidade de permitir o ouvinte flutuar, principalmente pelas linhas de guitarra etéreas que ocasionalmente surgem para dar aquele toque da sua graça. E o som aliado a uma composição dinâmica – e quem disse ou pensa que o doom não é dinâmico, ou é surdo ou não percebe nada disso – que faz com que os temas mesmo compassados tenham um andamento cativante: o groove daquela “Vultures Prey” é impressionante.

Com uma capacidade para escrever verdadeiras músicas, quer elas tenham treze minutos (“Hekla”), quer elas tenham menos de três (“Sumerian Cry”, uma espécie de intro que dava para banda sonora de um filme qualquer do Conan, cheio de misticismo e groove hipnótico), este é um álbum de qualidade ímpar para todos os que não conseguem passar sem o seu doom metal arrastado e desafiante. Os Mammoth Storm são então mais um grande nome juntar a outros como Ahab e Bong, não copiando propriamente nenhum deles (ou qualquer outro) mas mantendo-se fiel aquilo que representa o doom metal. Ah, já me esquecia… DOOOOOOOOOM!

Era só isto.


Nota: 8.8/10

Review por Fernando Ferreira