• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Os finlandeses Apocalyptica encontram-se a promover o seu novo álbum, lançado este ano, bem como outros temas de registos anteriores, através da “Shadowmaker Tour”. Esta era uma das tours de 2015 mais aguardadas pelos portugueses, relembrando que as datas contempladas no nosso país, marcadas inicialmente para Abril, foram adiadas para o presente mês de Novembro (bem como a sua restante tour). A banda tocou no Hard Club, no Porto, a 2 de Novembro; no dia seguinte, coube à capital acolher a banda, desta feita no Coliseu de Lisboa. É sobre esta data que vimos falar. 

A primeira parte do espetáculo esteve a cargo dos australianos Tracer, que também lançaram um álbum este ano, intitulado “Water For Thirsty Dogs”. Apesar do seu ar jovem, a banda já conta com 14 anos de existência. O vocalista e guitarrista Michael Brown comentou ser muito bom regressar a Portugal, após três anos desde a sua última visita a terras lusas, elogiando a sala lisboeta escolhida (sendo a primeira vez que tocavam na capital). O rock trazido pelo trio de Adelaide, apesar de acabar por contrastar com o som dos Apocalyptica, conseguiu contagiar o público, principalmente as primeiras filas. A voz ao vivo de Michael Brown surpreendeu pela positiva, mostrando-se bastante poderosa; os outros membros da banda, o baixista Jett Heysen Hicks e o baterista Andre Wise, trataram de transmitir bastante energia ao público. Foram várias as vezes que o vocalista interagiu com a plateia, pedindo que cantassem com ele ou fazendo piadas, e a plateia retribuiu. Destacaram-se temas como o tema-título do novo registo, “Water For Thirsty Dogs” e “Austronaut Juggernaut”. Certamente fizeram novos fãs por cá. 

Por esta altura, o Coliseu já estava cheio, aguardando ansiosamente pelos finlandeses, que pisaram o palco às 22h00. Comparativamente à última vez que a banda passou em Portugal (na Aula Magna, em 2010), a típica multidão de negro deu lugar a um público mais heterogéneo. Poder-se-á dizer que os Apocalyptica ganharam outra notoriedade nos últimos anos, conquistando mais fãs ou, no mínimo, “curiosos” que pretendiam presenciar o som dos violoncelos de Eicca Topinnen, Paavo Lötjönen e Perttu Kivilaakso. Ouvindo alguns comentários que iam escapando pela plateia, foi notório que alguns dos presentes assistiam pela primeira vez a um espetáculo da banda, mostrando-se agradavelmente surpreendidos. 

Nos primeiros temas, “Reign of Fear” e “Grace”, o instrumental permitiu reavivar memórias (ou criar novas) no público lisboeta, tendo sido a partir de “I’m Not Jesus” que os fãs se começaram a manifestar. Foi também neste tema que Frankie Perez, vocalista que participou no último álbum dos finlandeses, se deu a conhecer. Apesar dos Apocalyptica serem tipicamente conhecidos e apreciados pelo seu instrumental, a verdade é que, ao vivo, os temas cantados acabam por ser mais aplaudidos pelo grande público. Exceção feita para as covers, principalmente dos norte-americanos Metallica (que, neste concerto, estiveram representados com “Master Of Puppets”, “Seek & Destroy” e “One”), cujas letras são ecoadas em uníssono pelos fãs. Também não faltaram “Inquisition Symphony” e “Refuse/Resist”, dos Sepultura. 

Os Apocalyptica surpreenderam por tocar um tema antigo não muito contemplado nos seus concertos, “Harmaggedon”, de 1998. Mas, possivelmente, a maior surpresa terá surgido a meio do tema “Hall Of The Mountain King”, quando começamos a ouvir o hino nacional “A Portuguesa” através do maravilhoso som dos violoncelos. Os portugueses não se fizeram esperar e cantaram-no numa só voz, até à última palavra. 

O tema “I Don’t Care”, do álbum “Worlds Collide” (2007), veio encerrar a noite, que terminou com uma promessa: Eicca garantiu que, muito em breve, os finlandeses vão voltar a pisar os palcos portugueses. Pelos aplausos e sorrisos que a banda recolheu, garantidamente serão recebidos, novamente, por uma casa cheia.

Texto por Sara Delgado
Fotografias por Anne Carvalho
Agradecimentos: Everything Is New