• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Ora aqui está o tipo de trabalho que tem tudo para levar uma sova de quem gosta de heavy metal. Desde o nome da banda – tipicamente incompreensível para designar um colectivo – passando pelo título do trabalho e finalizando, obviamente no som em si, há por aqui todo um vasto potencial para a desgraça. “Carousel” é o álbum de estreia dos Speaking The King’s e apresenta-nos um metalcore que em nada se distancia dos parâmetros já esgotados do estilo. Uns fogem dele a sete pés, outros abrem os braços completamente. As questões de gosto não se discutem e a música deverá falar sempre mais alto que tudo o resto. Neste caso, infelizmente, a música não chega para calar qualquer voz crítica, senão vejamos.

Para cada ponto positivo temos um negativo. Se por um lado temos uma produção híper-forte, por outro lado, não deixa de ser mais um álbum a soar a plástico acabado de sair de uma linha de montagem da música da moda, fútil e descartável. Se temos melodias pegajosas, refrões contagiantes e alguns riffs engraçados, por outro faltam músicas que soem a músicas, a verdadeiras músicas e não a conjunto de itens essenciais para se passar na rádio. Tirando estes pequenos grandes detalhes, não há muitos defeitos que se possam apontar a esta estreia de um ponto de vista mainstream. Tudo aqui está feito de forma a conseguir bons resultados nas tabelas de vendas.

Soa bem, é moderno, boas melodias, irreverente (pelo menos de uma forma standardizada) e tem tudo aquilo que é exigido a uma banda que queira ter sucesso. Só há um pequeno detalhe. Essas exigências não quer dizer que se traduzam propriamente em sucesso imediato e muito menos em garantia de qualidade. Há um departamento onde a coisa descamba completamente. Falta-lhe alma, falta-lhe raça, falta-lhe vida, algo para além do convencional e do esperado. Estreiam-se como meninos bem comportados e trazem ao mundo algo que este se vai esquecer daqui a não muito tempo. Para isso não era preciso que viessem.


Nota: 5/10

Review por Fernando Ferreira