• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Se há um nome clássico do death metal progressivo italiano, esse nome é obrigatoriamente Sadist. Com o início de carreira a remontar aos primórdios da década de noventa, a banda nunca conseguiu romper completamente do underground, graças também a alguma irregularidade discográfica (quer em termos de regularidade quer em termos de, sobretudo qualidade), embora os seus primeiros trabalhos ainda continuem a ser vistos como importantes obras dentro daquilo que se entrende como death metal progressivo. Nesse aspecto, este "Hyaena" é uma espécie de voltar à forma. Espécie.

Nem tudo é efectivo em "Hyaena", embora exista aqui aquele piscar de olhos ao espírito dos primeiros álbuns, no entanto, se no início da carreira da banda italiana, havia um bravo novo mundo a descobrir, aqui, este piscar de olhos, assume-se como tudo menos inocente. Ou seja, banda faz algo bom, tenta progredir abandonando parte daquilo que os caracteriza em detrimento de alguma moda passageira, faz um ou mais álbuns onde criativamente as coisas não correm bem e depois tenta arrepiar caminho voltando ao início de tudo. Nada de errado que isso, já o vimos antes muitas vezes e mais vale tarde que nunca.

Apesar de serem válidos, os álbuns de regresso colocam sempre uma questão: têm de ser de arromba. Caso não o sejam, fica-se sempre com a ideia de que a banda está a tentar recuperar alguma glória perdida. E é esse sentimento que fica por vezes. Claro que para quem tem saudades de Death, Cynic (do primeiro álbum) e até Atheist, pode encontrar aqui muitas razões para paixão à primeira vista e não será desajustado mas para quem espera mais do que isso, talvez saiba a pouco. O conceito sobre o animal que dá nome ao álbum é surpreendentemente rico, pelo menos o suficiente, para que este trabalho se aguente durante quarenta e seis minutos com riffs intrincados, o belo do baixo fretless, teclados que estão muito presentes tanto na composição e estrutura das músicas, como na mistura, e uma voz que faz lembrar Chuck Schuldiner no seu melhor.

Para quem gosta de death metal progressivo e técnico tem aqui entretem para umas boas temporadas, definitivamente, embora pareça ser um passo mais pensado do que propriamente sentido. O resultado é mais que positivo, todavia.


Nota: 7.5/10

Review por Fernando Ferreira