• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Se há um nome clássico do death metal progressivo italiano, esse nome é obrigatoriamente Sadist. Com o início de carreira a remontar aos primórdios da década de noventa, a banda nunca conseguiu romper completamente do underground, graças também a alguma irregularidade discográfica (quer em termos de regularidade quer em termos de, sobretudo qualidade), embora os seus primeiros trabalhos ainda continuem a ser vistos como importantes obras dentro daquilo que se entrende como death metal progressivo. Nesse aspecto, este "Hyaena" é uma espécie de voltar à forma. Espécie.

Nem tudo é efectivo em "Hyaena", embora exista aqui aquele piscar de olhos ao espírito dos primeiros álbuns, no entanto, se no início da carreira da banda italiana, havia um bravo novo mundo a descobrir, aqui, este piscar de olhos, assume-se como tudo menos inocente. Ou seja, banda faz algo bom, tenta progredir abandonando parte daquilo que os caracteriza em detrimento de alguma moda passageira, faz um ou mais álbuns onde criativamente as coisas não correm bem e depois tenta arrepiar caminho voltando ao início de tudo. Nada de errado que isso, já o vimos antes muitas vezes e mais vale tarde que nunca.

Apesar de serem válidos, os álbuns de regresso colocam sempre uma questão: têm de ser de arromba. Caso não o sejam, fica-se sempre com a ideia de que a banda está a tentar recuperar alguma glória perdida. E é esse sentimento que fica por vezes. Claro que para quem tem saudades de Death, Cynic (do primeiro álbum) e até Atheist, pode encontrar aqui muitas razões para paixão à primeira vista e não será desajustado mas para quem espera mais do que isso, talvez saiba a pouco. O conceito sobre o animal que dá nome ao álbum é surpreendentemente rico, pelo menos o suficiente, para que este trabalho se aguente durante quarenta e seis minutos com riffs intrincados, o belo do baixo fretless, teclados que estão muito presentes tanto na composição e estrutura das músicas, como na mistura, e uma voz que faz lembrar Chuck Schuldiner no seu melhor.

Para quem gosta de death metal progressivo e técnico tem aqui entretem para umas boas temporadas, definitivamente, embora pareça ser um passo mais pensado do que propriamente sentido. O resultado é mais que positivo, todavia.


Nota: 7.5/10

Review por Fernando Ferreira