• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Tal como o próprio nome indica, este “Opus IV – Oblivion” é o quarto álbum da banda de doom gótico Weeping Silence. Para quem está admirado por não os conhecer, talvez faça sentido o facto de serem de Malta. Cada vez mais, a boa música, chega-nos dos lugares mais inesperados e o facto dos Weeping Silence chegarem já ao quarto álbum é um excelente indicador disso mesmo. Andando no mundo do doom gótico e sinfónico, “Opus IV – Oblivion” não faz muito para se distanciar de caminhos anteriormente por bandas como After Forever e Epica, embora, verdade seja dita, a costela doom faz toda a diferença aqui, pelo menos o suficiente para que soe fresco. E chamemos-lhe costela porque não é o suficiente para que este seja considerado um trabalho de doom metal.

Categorias e rótulos aparte, o que há a salientar aqui é a qualidade geral deste trabalho que consegue recuperar algum do encanto perdido algures na década de noventa – época em que o estilo estava a desbravar caminhos, dos primeiros trabalhos de bandas como Theatre Of Tragedy, Within Temptation e After Forever. Nomes como os atrás indicados são incontornáveis quando se fala de um certo espírito doom gothic a puxar ao sinfónico com belas vozes femininas, mas não propriamente obrigatórios para que se consiga situar os Weeping Silence. Apesar dos lugares comuns que emprega a sua grande força está mesmo nas músicas em si.

Assim sendo, temas como “Eyes Of The Monolith” e “Stormbringer” conseguem deixar qualquer fã do género apanhadinho sem que para isso recorram à cópia descarada. O equilíbrio entre as duas vozes – o eterno jogo de bela e monstro – também só joga a favor dos temas já que faz com que exista um incremento da dinâmica. Tendo em conta de que se trata de um álbum com quase uma hora, a dinâmica é muito bem vinda porque de outra forma poderia ter-se aqui um trabalho algo maçudo. Não quer isto dizer que seja de fácil assimilação. Apesar da presença de algumas musicas com algum potencial comercial, como a melancólica balada movida a piano “Bury My Fairytale”, o peso e a densidade  inerentes ao estilo está bem presente. Para quem tinha saudades de um bom trabalho de doom/gothic metal sinfónico, tem aqui uma boa oportunidade de matar saudades.


Nota: 8/10

Review por Fernando Ferreira