• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Embora se veja um pouco por todo lado que os Dalkhu tocam black metal, o nosso espírito contraditório não deixa de ser provocado. “Descend Into Nothingness” é tão black metal como o primeiro álbum dos Darkthrone. Não é que não se reconheçam qualidades blasfemas ao trabalhos dos eslovacos, apenas por uma questão de rigor, não nos é possível reconhecer a pureza deste black metal quando temos tantos elementos de death metal no seu sangue, a começar na voz gutural e a acabar num certo virtuosismo das guitarras. Ok, ok, poderão pensar imediatamente em Dissection, mas até mesmo eles não podem negar o seu toque de death metal melódico. De qualquer forma, não é este factor que retira ou dá qualidade ao segundo álbum dos Dalkhu.

A primeira coisa a analisar, que é bastante óbvia, é a brutalidade de cada um destas faixas. Ela está omnipresente mas mesmo assim a mesma não torna este trabalho unidimensional já que existe muito espaço para outros elementos que enriquecem em muito esta proposta. De qualquer forma, “Pitch Black Cave” que abre as hostilidades do álbum não deixa margem para dúvidas, o death metal da banda é poderoso e vigoroso. A apetência para o pormenor melódico também fica logo a descoberto com as viciantes melodias debitadas pelo tremolo picking. Esse poder e vigor deve-se em grande parte à produção que mantem o som orgânico apesar de tudo.

Para quem procura algo mais que blastbeats, o preconceito poderá levar ao engano após uma audição menos cuidada, mas o certo é que há muito mais por aqui do que aquilo que faria supor com este trabalho, sendo que as guitarras lead são sem dúvida o ponto de maior interesse. A voz, por outro lado, acaba por ser um dos elementos mais castradores, já que não existe muita variação na mesma – até o Glenn Benton empresta mais dinâmica às suas linhas vocais do que aquilo que se verifica aqui – ainda assim, não é esse factor que torna este um álbum mau. Não é comum vermos bandas da Eslováquia mas quando surgir a próxima pelo menos já teremos o nome dos Dalkhu como referência.


Nota: 7.6/10

Review por Fernando Ferreira