• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Os Klamm encaixam perfeitamente no estilo avant-garde (esse estilo que basicamente é usado quando não se faz a mínima ideia do que se está a ouvir), mesmo que usem instrumentos que por outras vezes estariam mais próximos do folk Juntando uma pitada de black metal, aqui e ali, temos a fórmula para algo que já vimos algumas vezes antes. Esse é um ponto que acompanha a audição do álbum do início ao fim, com a diferença que também existe uma certa costela mais experimental e progressiva. O facto de usarem coros também é um importante factor de distinção que faz a diferença no final..

Cantado inteiramente alemão – engraçado como uns anos atrás, esta opção era vista como um suicídio comercial e hoje em dia até se torna banal – “Ernte” é uma obra que não é de fácil assimilação. Há aqui uma certa aproximação com outros grupos de avant-garde que acaba por não lhes ser favorável. Conforme o álbum vai avançando vai-se tendo a sensação de que estes terrenos que os Klamm pisam já foram pisados antes por bandas como os Bethlehem, In The Woods e até Die Apokalyptischen Reiter, o que nos dá uma sensação de familiaridade que pode ser tanto favorável como desfavorável.

Neste caso é desfavorável na sua grande maioria das vezes. Quando se passa mais tempo a pensar onde é que já se ouviu esta ou aquela melodia, ou porque é que algo soa tão familiar, do que a apreciar a própria música, é por algo não está bem. Se pegarmos no tema título e em “Mahl”, o tema que se lhe segue a cadência sombria e soturna, quase depressiva, faz-nos pensar em Shinning e Bethlehem, com resultados satisfatórios. No entanto, como um todo, é um álbum que leva o seu tempo não só a entrar, como também (e sobretudo) a permanecer. Claustrofóbico e desagradavelmente intenso, onde até a linguagem em alemão ajuda a esse efeito (aquela “Rauch” arrepia nesse aspecto), “Ernte” é uma obra a conhecer por aqueles que estão abertos a este tipo de sonoridade. Todos os outros não passam do segundo tema, o épico de quinze minutos “Windsaat”.


Nota: 6.7/10

Review por Fernando Ferreira