• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)



O início de "Sun" é bem pacato, tirando a batida forte da bateria, e atmosférico, fazendo jus ao nome da banda. Ao segundo álbum, a banda belga continua onde tinha ficado com a estreia, na sua mistura entre o estilo-de-metal-que-se-chama-djent-mas-basicamente-é-pegar-na-fórmula-dos-Meshuggah-e-tentar-fazer-algo-mais-ou-menos-diferente, o pós-rock, um pouco de rock alternativo aqui e ali e a parte do ambient que acaba por estar presente em todas as músicas deste trabalho. Aquilo que podemos desde logo notar é o potencial melódico da banda.

Temas como "The Farthest Star" têm refrões que não soariam desfasados de uma música pop - atenção, não entendam isto com uma crítica, mas é algo que tem que ser dito porque efectivamente as melodias são bem catchy, a diferença é mesmo tudo o resto que diferencia um tema como o atrás citado de uma música descartável, feita para durar alguns meses nas tabelas das rádios que são pagas para passar a música em questão. A prova dessa diferença é o tema seguinte. "Void" é um tema instrumental de uma beleza gritante, o que nos leva a corrigir o que dissemos atrás. A banda também lhe dá no progressivo.

A forma como as músicas respiram e nos transportam de um ponto para o outro - isto sem ter que usar propriamente dez minutos de música para o fazer - é impressionante e uma das suas grandes qualidades. Claro que quando se mete muito nos trejeitos djent (como odeiamos este termo), poderá perder algum interesse ("Into Orbit" soavam tão melhor sem eles) no entanto, para quem tiver o espírito aberto conseguirá perceber que tudo faz sentido, mesmo esses momentos. É um trabalho de uma riqueza impressionante e que obriga a uma séria dose, maciça, de audições. Surpreendentemente bom.


Nota: 8.5/10

Review por Fernando Ferreira