• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


O ambiente funebre da intro, intitulada "Intro", é capaz de enganar todos os que esperavam uma bujarda black metal ou até doom metal, já que a "Nihil Time Funeral Process" (que pelo título também engana) começa com um feeling de chanson noir, a fazer lembrar algo que o Nick Cave escreveria se estivesse mal disposto, mas é quando surge o que parecem ser gaitas de foles (ou de beiços, ou algo da família) que nós chegamos à conclusão que não estamos mesmo onde julgávamos estar. E mais, chegamos à conclusão que não fazemos a mínima ideia onde estamos!

Com o recurso a algumas músicas instrumentais, a sensação de estranheza não desvanece, muito pelo contrário, acentua-se já que ficamos com a sensação que estamos a juntar uma série de coisas que além de não pedirem para estarem juntas, nem queriam que lhes fizessem a desfeita, o que deixa o ouvinte com um certo ar desconcertado, a tentar perceber para que direcção é que isto vai... temendo e mais tarde percebendo que não vai mesmo a lado nenhum. O experimentalismo é bom para quebrar com as fronteiras do que é aceite como normalidade, no entanto, também é bom para se perceber que tipo de experiências não resultam e esta é sem dúvida uma delas.

Apesar de não ser propriamente um martírio de ser ouvido, soa tão disconexo do início ao fim que acaba por criar uma certa habituação e dormência, tornando-se até um pouco indiferente. Será provavelmente uma crítica muito dura, até porque há movimentos internos a cada audição que se tem, o que provavelmente quererá dizer que, havendo paciência, até se pode vir a apreciar de forma mais positiva este "Nous Sommes Faux". A verdade é que não houve paciência para se chegar a esse ponto, nem para tentar perceber se os movimentos internos são de repulsa ou de contentamento portanto... nunca saberemos.


Nota: 4/10

Review por Fernando Ferreira