• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Teremos que confessar que apesar de ser uma banda de culto da música moderna norte-americana, os Prong nunca conseguiram reunir muitos consensos, fruto talvez de uma passagem de uma sonoridade mais crossover para uma mais industrial, onde “Cleansing” e “Rude Awakening” foram os momento mais marcantes dessa segunda era. A carreira da banda tornou-se algo irregular tanto a nível de qualidade como de regularidade, em grande parte devido à participação de Tommy Victor, o seu principal estratega, nos Danzig (onde ainda está) e nos Ministry.

No entanto nos últimos anos parece que estão a tentar recuperar o tempo perdido, sendo o terceiro álbum desde 2014. Não é isso que impressiona, todavia, é mesmo a potência com que o mesmo surge. Pesadões e com a produção bem poderosa a condizer, temos aqui um belo álbum, isto para os padrões de quem achava que a banda era algo aborrecida. Claro que para estes, haverão sempre alguns problemas já que a banda não surge aqui com outra identidade. Não, continua a ser Prong, a diferença é que as coisas estão apenas um pouco mais interessantes.

Existem escorregadelas na forma da “Do Nothing” que é uma excelente música para passar na rádio, melhor que outras como a “Belief System”,mas que acaba por soar deslocada aqui neste conjunto de músicas. A potência, no entanto, também acaba por não ser tudo na vida e neste caso, faltaria alguma consistência, ainda assim, para os fãs da banda, acabamos por ter um bom álbum. Para todos os outros, para quem tinha problemas com eles, talvez a produção e a potência deste trabalho os consiga a pensar por momentos que algo mudou, mas não são necessárias muitas audições para perceber que a essência é a mesma. O saldo no meio disto tudo é positivo


Nota: 7/10

Review por Fernando Ferreira