• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)



Demasiado tempo passou desde que ouvimos falar dos Airbag. “The Greatest Show On Earth” foi lançado em 2013 e três anos passaram num repente, apenas porque nos fomos distraindo com outras coisas, uma delas, o álbum a solo de Bjorn Riis (guitarrista, teclista e baixista), lançado em 2014. Quando soubemos que “Disconnected” estava por aí, à nossa espera, a nossa ansiedade disparou, assim como a nossa preocupação. Nos tempos em que correm é difícil nos impressionarmos – isto com toda a humildade que seja possível ter – porque ouvimos muita coisa, e confessamos que é difícil que fique algo, independentemente da qualidade, que geralmente é bem acima da média, não nos podemos queixar. No entanto com o dito anterior álbum da banda norueguesa, parece que acertaram em todos os botões correctos, pelo que obviamente esperamos algo ainda melhor para o seu seguimento.

As expectativas fazem-nos voar muito alto e podem provocar quedas espectaculares. Felizmente para nós, porque é difícil recuperar dessas quedas, “Disconnected” faz-nos voar tão alto como “The Greatest Show On Earth”. Ou mais ainda, mas não nos deixemos levar já pela excitação. Este trabalho é composto por seis faixas que, tal como o que aconteceu com o anterior trabalho, remontam à melhor herança Pink Floyd, isto sem soar como uma cópia, mantendo a sua própria identidade e aquela capacidade única de prender do início ao fim do trabalho que apresentam e ao mesmo tempo deixando o ouvinte leve e livre para voar e fazer a sua própria viagem para além para das guias indicadas.

Logo a abrir o álbum temos uma “Killer” que nos deixa completamente rendidos e esse estado espelha-se em ”Broken”, “Slave”, “Sleepwalker”, “Disconnected” e “Returned”. Se formos mauzinhos podemos dizer que não há aqui nada de novo, nem para o género progressivo, nem para aquilo que a banda já nos apresentou mas quando as músicas em questão são de uma qualidade brutal, esse tipo de argumento perde completamente a razão de ser. Continuamos a fazer a eterna referência a Pink Floyd, mas não se considere que os Airbag vivem à sombra de quem quer que seja (Riverside também é um nome que surge de vez em quando). Temos um álbum sólido de rock progressivo que evoca muita coisa, muita época, mas que é puramente Airbag. E só isso chega para ser um dos álbuns do ano.

Nota: 9.5/10

Review por Fernando Ferreira