• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Se há um nome do punk/hardcore/crust que mais tenha influenciado inúmeras bandas metal/crossover, esse nome é, sem dúvida, os britânicos Discharge, com um álbum para lá de mítico e histórico: “Hear Nothing See Nothing Say Nothing”. De tal forma histórico que parece que tudo o que fez desde esse ponto acabou por soar inconsequente, não o sendo verdadeiramente. Pelo menos, não por completo. Da instabilidade ninguém os livrou, sendo que esta presente encarnação é o terceiro regresso da banda (que já dura desde 2001) e “End Of Days” é o sétimo álbum que surge precisamente oito anos após o último.

O que temos é o punk/hardcore/Crust bruto da banda ao nível daquilo que o seminal primeiro álbum nos trouxe em 1982, mas não queremos ser blasfemos nem ferir susceptibilidades. Não existem aqui faixas imediatas como a “The Possibility Of Life’s Destruction” mas o espírito hardcore selvagem está lá, ainda que um saudável travo metálico (temos aqui muitos bons solos). Se a banda influenciou nomes tão díspares como Metallica e Hellhammer/Celtic Frost, aqui temos um conjunto de músicas que podem fazer o mesmo neste novo milénio, vivêssemos nós numa época diferente.

E a questão é essa mesmo. Não vivemos numa época diferente e este trabalho, de qualidade superior, pode muito bem passar despercebido na infinidade lançamentos semanais e mensais que temos, ainda que estejam agora na toda poderosa Nuclear Blast. Independentemente dos tempos serem outros, é impossível não se ficar espantando com a energia pura e dura de temas como “Hatebomb”, “Looking At Pictures Of Genocide” e “Hung Drawn And Quartered”. Mesmo que não influenciem toda uma nova geração de música extrema, não deixa de ser um álbum capaz de suportar o teste do tempo.


Nota: 8.5/10

Review por Fernando Ferreira