• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Após a reedição dos trabalhos anteriores, pelas mesmas mãos que apresentam agora este “The Bones Of A Dying World”, é chegada a vez de pensar em coisas presentes. Não é que este álbum difira muito dos anteriores e que foram reeditados pela Metal Blade. A questão com os If These Trees Could Talk é que eles têm o seu género muito bem definido, pós-rock, e como tal não é expectável que agora desatassem a tocar grindcore matemático com saxofones amestrados. Não há espaço para surpresa e por nós tudo bem.

É exactamente o que esperamos  e é exactamente o que queremos.

São nove temas que nos apresentam as paisagens que já tínhamos saudades de visitar. Tal como um local, tal como uma viagem que se faz regularmente e que serve para nos desintoxicarmos do stress diário. Não temos qualquer dúvida do papel terapêutico da música – tanto para os ouvintes como para os executantes e compositores. Nem toda a música instrumental tem este dom e nem todo o pós-rock também, pelo que há algo aqui, nestes senhores, que conseguem tocar nos botões correctos. Sempre.

Poderíamos ser maldosos e dizer que os botões são sempre os mesmos. Até poderemos admitir que sim, que não há muita variação na fórmula que a banda apresenta, de disco para disco, mas como ficar indiferente a temas como “Solstice”, “Earth Crawler”, “Iron Glacer” e “One Sky Above Us”? Impossível. A viagem continua tão eficaz e tão viciante como antes. As músicas continuam tão brutais como antes. Para quem gosta de música instrumental e de viajar na maionese, está aqui (mais) um excelente trabalho.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira