• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


No passado dia 14 de Maio, os Nirvana Studios, em Barcarena, tornaram-se um ponto obrigatório de passagem para qualquer aficionado do death metal. Afinal era noite para receber os veteranos britânicos Cancer, mas não nos fiquemos por aí.

O Deathmania, evento trazido até nós pela Rocha Produções, mostrava um cartaz mais do que promissor. Afinal não é todos os dias que vemos um cartaz com sete nomes do melhor que se faz por cá no que toca a este estilo. Infelizmente chegámos atrasados e não conseguimos ver as actuações dos Wall Of Death e dos Derrame, duas bandas lisboetas, que tanto quanto se sabe têm muita coisa boa para mostrar.


Chegámos mesmo a tempo do concerto dos Undersave, que já prometiam uma noite de peso mesmo com a sala Le Baron Rouge meio despida. Apresentaram o seu novo baterista e souberam motivar a audiência para o que ainda estava para vir.

Os Analepsy dispensam apresentações e foram, sem dúvida, um dos principais pontos de interesse da noite. A actuação assentou maioritariamente no seu “Dehumanization By Supremacy”, único álbum lançado até à data, e deixou o público a querer mais. Contámos ainda com “Aeons in Vacuum” e “The Vermin Devour”, entre outros, e foi também aqui que se estreou o vocalista dos Bleeding Display, Sérgio Afonso.

Depois foi a vez dos Neoplasmah, que subiram ao palco com a notícia de que este seria um dos últimos concertos da banda nos próximos tempos, uma vez que estão em vias de gravar o seu terceiro álbum. Conduziram toda a gente numa viagem equilibrada entre temas do primeiro e segundo álbuns, com destaque para a prestação da vocalista Sofia Silva e temas como “Auguring The Dusk Of A New Era” e “Vortex Voyagers”.

O espaço ia enchendo e os Theriomorphic souberam pôr a sala a mexer, não só com o som mas também com a atitude que demonstram em palco, já nossa conhecida. A cover que tocaram de “Outra Rodada” dos Mata-Ratos não deixou ninguém indiferente, numa altura em que já toda a gente tinha sido abençoada pelo menos com uma cerveja ou duas. Ouviram-se bons solos de guitarra, temas do primeiro e segundo álbuns, e ainda a participação de Paulo Gonçalves (ex-vocalista de Shadowsphere/actual Ignite The Black Sun) num dos temas.

A última banda portuguesa a actuar foi Bleeding Display e não se podia ter “encerrado” a coisa da melhor maneira. O vocalista apareceu em palco coberto de sangue e sem darmos por isso havia um machado à vista. O mosh que tinha começado já no concerto anterior intensificou-se, contando com alguma ajuda de temas como “Beyond Flesh” e “Blood Cult”. A banda fez questão de se fazer acompanhar em palco por vários elementos das outras bandas, que deram o seu contributo em diferentes temas: João Jacinto (Undersave) no baixo, Ricardo Proença (Analepsy) na voz do tema “Persuasive Demons”, e mais uma vez subiu ao palco Paulo Gonçalves para participar no tema “Remains To Be Seen”.

Como podem calcular, à 01h00 estava toda a gente cheia de pica, quando apareceram finalmente os Cancer. Os três elementos aguentaram-se muito bem num concerto que durou mais de uma hora, e que nos levou a revisitar alguns dos temas mais emblemáticos da banda, perdidos entre 1990 e 2005, quando lançaram o seu último álbum. A onda thrash puxou ainda mais ao mosh e foi bonito ver a Le Baron Rouge cheia, a vibrar com temas como “Die, Die”, “Tasteless Incest” ou “Hung, Drawn And Quartered”. Ainda tiveram tempo para nos introduzir a um novo tema, e só foi mesmo pena não podermos contar com um encore, mesmo depois do apelo do público.

A noite valeu bem a pena, acima de tudo para podermos relembrar que o underground português continua de boa saúde e ainda tem muitas (e boas!) cartas para dar, e não só no que toca ao death metal.


Texto por Andreia Teixeira
Fotografias por Igor Ferreira
Agradecimentos: Rocha Produções