• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Mais que um festival, afirmam ser uma experiência. Dizem no início nem saberem o que era um rider. Uma coisa é certa, o bom gosto corre nas veias. Agora, com a sexta edição, concretiza-se um velho sonho, mas esse vem mais para o fim. Agora é ainda o início, o dia antes do primeiro, aquele dia em que a minoria dos amigos acede a uma cave nas ruas do Porto para ver um concerto e ouvir um disco.

Tudo seria mais fácil, se o festival se preenchesse com dezenas de nomes sobrepostos, mas aqui não se pretende preencher uma longa lista de “já vi”, preferindo-se um pequeno grupo de “ouvi e vi”. Não é um festival para passar, é para estar. É uma experiência.

Cave 45, bar de Rock, palco numa cave escura, numa rua movimentada como todas as do centro portuense, um nome só para a noite: Aluk Todolo. Francês, com raízes no Black Metal, o trio repete a passagem pelo Amplifest, onde tinha tocado em 2013. O conceito foi repetido, uma lâmpada cuja intensidade luminosa varia com a descarga decibélica desenvolvida ao longo do espectáculo. Esta mesma lâmpada ilumina o palco. Dentro do espaço reduzido do Cave 45, o efeito é exponenciado. Não aconselhável a claustrofóbicos. Se o guitarrista Shantidas Riedacker é o elemento mais expansivo, o baterista Antoine Hadjioannou é a força motriz. A actuação do grupo baseia-se na maratona percussionista deste, que ao longo de quase uma hora obtém sucessivos ritmos da bateria. Não há aqui a pretensão de afirmar que o tema X ou Y foi executado, antes a necessidade de explicar o transe em que se imerge a meio da actuação do trio.

Sem nenhuma comunicação, para lá do natural agradecimento, e após uma breve pausa, o colectivo regressou ao palco para algo que pareceu improvisado, esteve para lá do simples encore e pareceu mais uma actuação de agradecimento face à boa recepção. O resultado foi nova dose decibélica, embora numa toada geral, mais doomíca que a anterior. Genial.

Após uma tal devastação sonora, já eram poucos os que ficaram para a pré-escuta do novo de Mono, com as habituais melodias delicadas e hipnóticas. O corpo já não aguentava.

Texto e fotografias por Emanuel Ferreira
Agradecimentos: Amplificasom