• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Os britânicos Asking Alexandria já contam com quase uma década de existência. Porém, foi apenas este ano que se estrearam em Portugal, no passado dia 4 de Março, na sala Lisboa ao Vivo. A procura foi imensa e os bilhetes esgotaram um mês antes do evento! A primeira parte da noite esteve a cargo dos norte-americanos The Word Alive e dos britânicos Silent Screams. Foi uma noite dedicada à sonoridade metalcore.

Antes da hora estipulada para a abertura de portas, a fila para entrar no Lisboa ao Vivo já dava a volta ao quarteirão. Com lotação esgotada, era natural que se esperasse uma casa cheia, e assim foi. O público era maioritariamente jovem, e energia não lhes faltou do início ao fim da noite.

Quando os Silent Screams pisaram o palco ainda havia fãs lá fora, à espera de entrar na sala. O quinteto chegou cheio de força e o público acompanhou. No segundo tema, “Desperation”, já se fazia crowdsurf, e observavam-se grupos de amigos a dividir-se temporariamente: “Quem quer ir para o moche? Quem não quer, fica aqui atrás!”, ouviu-se algumas vezes. Em “The Way We Were”, o vocalista Joel Heywood considerou que o crowdsurf não devia ser exclusivo dos fãs, e atirou-se para cima do público, que vibrou com a atitude do músico. A atuação dos Silent Screams, com duração de meia hora, terminou com o seu mais recente single, “Love//Less”, no qual a banda pediu um circle pit.

O público estava ao rubro e nem o intervalo para a entrada da segunda banda acalmou os ânimos. Como música de fundo, pôde-se ouvir “Comboys From Hell” e “Walk”, dos Pantera, e o público sabia as letras de cor, cantando em uníssono. A noite prometia.

De seguida, surgem os The Word Alive. Foi notório que a sua estreia em terras lusas era esperada por muitos, à semelhança dos cabeças-de-cartaz da noite. O vocalista Telle Smith referiu estar feliz por atuar em Portugal, e que esperam regressar em breve.  Em “Made This Way”, qualquer pessoa que entrasse naquela sala ia pensar que os The Word Alive atuavam em nome próprio. Viam-se poucos pés no chão! A banda também aproveitou para tocar um tema novo, “Misery”, que viria a ser conhecido do grande público apenas cinco dias após aquela data, referiu o vocalista. Terminado este tema, e devido à grande aderência por parte dos fãs, o músico refere, espantado e entre risos: “vocês não conheciam mesmo esta música?”. Porém, terá sido “Life Cycles” o tema mais aplaudido dos norte-americanos. Poucos foram os que não gritaram “I'd rather die..!”. Ficaremos a aguardar pelo regresso em breve, conforme prometido.

Surge o último intervalo da noite, antes de entrar a banda mais aguardada. Aqui, já não se ouviram temas dos Pantera. Talvez pelo facto de o público ser bastante jovem, a organização apostou em colocar música ambiente um pouco mais…generalista. Entre Lady Gaga, Eminem e Carly Era Jepsen, foi uma miscelânea de temas que nada tinham a ver com música metal. Se metade da sala ficou perplexa e um pouco entediada, a outra metade divertia-se a dançar.



Os Asking Alexandria entram em palco e o ambiente volta-se novamente para o metalcore. De referir que a banda voltou a contar recentemente com o seu vocalista original, Danny Warsnop (co-fundador da banda), depois de um pequeno interregno que foi preenchido pelo vocalista Denis Stoff, entre 2015 e 2016. Este foi um período suficiente para a banda lançar um novo álbum, “The Black”, o único com Denis nos vocais. Contudo, a atual tour europeia dos Asking Alexandria não contempla um único tema deste álbum mais recente. Comparar as vozes dos dois vocalistas era inevitável, e o regresso de Danny pareceu agradar à maioria, que gritou o seu nome vezes sem conta (voltando um pouco atrás, ainda na fila para entrar no Lisboa Ao Vivo, ouviram-se comentários como “Só estou aqui porque o Danny voltou” ou “o último álbum não soa nada a Asking Alexandria”). Se o tempo real de atuação dos britânicos foi aproximadamente 50 minutos, o concerto durou mais porque contemplou piadas do início ao fim, principalmente entre o vocalista Danny e o guitarrista Ben Bruce (também co-fundador da banda), que se mostraram bastante cúmplices e que proporcionaram largos risos entre a plateia. Com uma setlist comum às restantes datas europeias, Danny surpreendeu e, num dos seus momentos de humor, cantou um excerto de “Like A Virgin”, de Madonna. Os temas mais aplaudidos da noite foram “Dear Insanity” e “To The Stage”, ambos do álbum “Reckless and Relentless”. Depois desta noite, com lotação esgotada e tantos aplausos, certamente que os britânicos Asking Alexandria não vão esperar mais uma década por um regresso ao nosso país.


Texto por Sara Delgado
Fotografia por Ana Julia Sanches
Agradecimentos: Prime Artists