• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Depois do álbum de estreia “Humans” que tão bem foi aceite pelo público e crítica, este coletivo apresenta agora novo trabalho que nos oferece algumas surpresas. A propósito do lançamento do novo álbum “Heartless Oppressor, a Metal Imperium propôs-se a espreitar por trás da cortina deste projeto, que segue caminho com passos firmes e assertivos.

M.I. – Se os Primal Attack tivessem que criar um slogan para promover o vosso novo álbum “Heartless Oppressor”, qual seria?


Miranda - Talvez “Nós gostamos, e tu?” (risos)


M.I. – Depois de ouvir este álbum, apesar de achar que continuam na linha do “thrash metal’’ que vos caracterizou no primeiro álbum, penso encontrar alguns laivos de outras “ disciplinas” do metal e mesmo de outros géneros musicais. Confirmam a exploração de estes outros caminhos sonoros? Foi consciente, propositado ou deixaram-se levar?


Miranda - Apesar da raiz da banda ser o thrash metal, penso que já no Humans havia muita coisa um pouco fora desse registo, no “Heartless Oppressor” havia a vontade de expandir ao máximo possível a nossa paleta musical pois, entre todos nós temos influências que vão desde Pink Floyd a Behemoth (risos).
Pica - Apesar de ser a base da banda, até acho que o thrash é o estilo menos ouvido por nós. O que torna a coisa divertida, pois não somos influenciados pelo estilo. Diria que é a nossa visão do thrash com todas as influências pessoais misturadas!
Miguel Tereso – Hoje em dias as pessoas sentem a necessidade de rotular tudo, especialmente neste meio. E isso condiciona imenso a criatividade das bandas, contribuindo também para o actual factor de “música-mais-do-mesmo”. Este álbum tinha como um dos objectivos ser difícil de rotular e fazermos simplesmente o que gostamos sem ligar às “regras” dos géneros.


M.I. - Estes novos caminhos percorridos, transparecem o vosso amadurecimento enquanto músicos e seres humanos?


Miranda – Sim, é notório que este álbum é muito mais complexo que o anterior em todos os aspectos e, neste caso, foi mesmo o álbum que quisemos fazer. A parte da exploração de novas sonoridades, para nós acaba por ser uma coisa natural, pois não estamos nem queremos estar “trancados” a determinado estilo musical só porque alguém acha que sim.
Miguel Tereso – Os anos passam, os gostos refinam, adquire-se mais experiência, seja nos palcos ou em casa a compor/gravar. Descobrem-se novas ideias e caminhos para explorar, o que resulta naturalmente num amadurecimento da sonoridade.


M.I. – O tema “Heart and Bones” é reflexo dessa ousadia de desbravar caminhos sonoros inexplorados?

Miranda – Sim, é um tema um pouco diferente, até a nível de estrutura da música em si.
Pica - É sem dúvida um tema que marca este disco, e que mais prazer deu a gravar!

M.I. – Ainda a propósito dos outros caminhos sonoros, quando iniciam uma nova composição, é a música que se vai construindo por si própria ou são os Primal Attack que tomam a dianteira da construção e destino da mesma?

Miranda – Depende, felizmente ainda não temos uma fórmula mágica para a composição de músicas, muitas podem vir de ideias faladas, outras pode ser um riff de guitarra ou uma batida e é a partir daí que vamos explorando por onde é que música nos leva e por onde é que podemos ir.


M.I. – As vossas telas musicais são desenhadas por consenso após cedências, experiências, tentativa e erro ou cada tela é o resultado final do contributo individual da vontade de cada um de vocês e daquilo que cada um de vocês entende entregar a cada tema?

Miranda – O nosso principal compositor é o Tereso, normalmente ele gosta de mostrar músicas já “finalizadas”, algumas vezes as coisas já estão bem e não temos necessidades de mexer, mas, sempre que tenho alguma ideia para determina parte não temos problema nenhum em começar a remexer na música até que, no final, já nada tem a ver com a primeira ideia. Basicamente as nossas músicas estão “fechadas” quando achamos que já não há ali mais nada para explorar.


M.I. – Quando compõem, surge primeiro a música ou a letra?

Miranda – Até agora foi sempre a música, não quer dizer que não possa acontecer no futuro termos determinada ideia a nível de letra e tentar a partir daí, mas, até agora, a música vem sempre primeiro.
Pica - Acho que será sempre assim, pode aparecer uma ideia de letra primeiro, mas só depois do instrumental conseguimos encaixar e escrever uma letra que resulte e nos deixe satisfeitos!


M.I – Sinto nas letras de Primal Attack uma consciência social. É uma preocupação da banda? Transparece o vosso olhar sobre o mundo?

Miranda – Sim, a nível lírico, neste álbum, o Pica aceitou deixar-me escrever algumas coisas e acho que conseguimos uma parceria muito boa, e este álbum fala mesmo sobre o nosso olhar sobre o mundo, todos os temas são sobre eventos que vivemos ou observamos.
Pica - São 3 anos que separam os dois discos, onde muita coisa aconteceu, muita coisa mudou nas nossas vidas e tudo está neste “Heartless Oppressor”. A ideia de ter o Miranda e, numa fase mais final, o Tereso, a participar nas letras foi óptimo, pois cada música ganhou muito com isso e não perdeu o sentido.


M.I. – É importante para os Primal Attacl a mensagem das vossas músicas?

Miranda - Tanto para mim como para o Pica as letras não são só gritos que estão na música, é importante dizer alguma coisa. Neste álbum, especialmente, tivemos um cuidado especial em não ser tão negativos em relação às coisas e de passar uma mensagem mais positiva sobre a vida.
Pica- Tivemos um cuidado acrescido no que toca à dicção, letra e mensagem, para aumentar o impacto sem perder peso.
Miguel Tereso – Para mim, a mensagem é muito menos importante do que a maneira como é transmitida. Interessa-me muito mais acertar a emoção, convicção e musicalidade da performance/interpretação, que propriamente o sentido e mensagem de quem a escreveu.


M.I. – Já agora, por mensagens, o nome da banda denota um ataque primitivo, instintivo, animal. A vossa música é um ataque como resultado da expressão crua do vosso eu, enquanto banda, ou é o ataque necessário ou propositado para sacudir mentes?

Miranda – Penso que o nome da banda vai ganhando mais significado conforme o tempo vai passando, quando escolhemos o nome para a banda nem pensámos muito na lógica ou significado do mesmo, mas penso que com o passar do tempo o nome faz cada vez mais sentido.


M.I. – Na sequência do significado do vosso nome, as faixas “Strike back” e “Truth and consequence” são tradução do vosso posicionamento no mundo e da vossa visão?

Pica – Sim, sem dúvida! A “Strike Back” é sobre mudar de vida, ir atrás de algo sem perder a noção de que vai ser duro, mas que no final tudo vale a pena! A “Truth and Consequence” é mais uma visão social, pura e dura.


M.I. – Qual o tema preferido do álbum de cada um de vocês, e porquê?

Pica- “Heart and Bones”! Fala do abandono animal e dos maus-tratos aos mesmos, e é algo que me diz muito. Não percebo como nos dias que correm, ainda temos um animal para ficar preso a uma corrente de 1 metro, sendo que este é um dos exemplos menos agressivos, mas que me custa muito ver!
Miranda – São todos!! (risos) Cada tema deu o seu trabalho especial até estar finalizado e como tal é impossível escolher, é como perguntar a um pai qual é o filho que gosta mais (risos).
Miguel Tereso – A resposta a essa pergunta varia de semana para semana!


M.I. – Já fizeram apresentação deste álbum ao vivo? Como foi a reação?

Miranda – Sim. Foi muita boa, já tínhamos o disco pronto há algum tempo e estávamos com curiosidade para saber como as pessoas iriam reagir às novas músicas, felizmente gostaram e o feedback que temos recebido tem sido extremamente positivo.


M.I. – Na vossa opinião quais os temas que funcionam melhor ao vivo?

Miranda – Normalmente numa banda como nós a malta que vai ver os concertos quer é fazer mosh e pits, logo por aí acho que as músicas mais bem recebidas acabam por ser as mais rápidas.
Miguel Tereso – Os temas mais simples funcionam sempre melhor ao vivo. Quando se tem muitos pormenores ou temas mais elaborados por vezes é difícil reproduzir isso ao vivo e pode soar “estranho” a quem não conhece. 


M.I. – A vossa música é uma opressora sem coração no sentido que invade os sentidos de quem a ouve, pela explosão de energia que transmite, sem pedir licença?

Miranda – A nossa música é muito basicamente aquilo que gostamos e nos identificamos, e a “energia” acho que acaba por ser uma das palavras-chave para nós, uma das principais “sensações” que queremos transmitir.

M.I. - Quem ou o quê, é o maior opressor dos dias de hoje?

Miranda - Sinceramente acho que acabamos por ser nós próprios os nossos maiores opressores, o facto de muitas vezes nos negarmos a fazer determinadas coisas só porque achamos que não vamos conseguir ou pelo simples medo de falhar pode ser a maior opressão de todas.


M.I. - Imaginem-se a entregar uma cópia do vosso álbum a um dos vossos ídolos: quem seriam, como os convenceriam a ouvir o vosso álbum e como seria o processo de persuasão?

Pica - Eddie Vedder e seria convencido com uma garrafa de Quinta Da Fata tinto, reserva ou touriga nacional. Um grande vinho convencia um grande músico a ouvir um grande disco!
Miranda – Qualquer método de persuasão que não envolva alguém atado a uma cadeira obrigado a ouvir o álbum não tem piada (risos). A partir do momento em que estivessem atados, tinha curiosidade em saber o que é que o David Gilmour ou o Roger Waters achavam.


M.I. – Um álbum dos Primal Attack é um filho que entregam para adoção, para mãos alheias, ou um filho mimado e cuidado que protegem?

Miranda – Por enquanto é um filho mimado, foi feito com muito amor e carinho (risos), possivelmente quando nascer o irmão mais novo terá de ir brincar sozinho para o seu quarto mas até lá não irá certamente sair dos nossos braços.

Entrevista por Cláudia Santos