• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Iron Reagan - Crossover


Lich King - Omniclash


Demonic Resurrection - Dashavatar


Black Anvil - As Was


Benighted - Necrobreed


Mechina - As Embers Turn To Dust


Adamantine - Heroes & Villains


Barathrum - Fanatiko


Persefone - Aathma


Blame Zeus - Theory Of Perception


Kreator - Gods Of Violence


Lock Up - Demonization


Obituary - Obituary


H.O.S.T. - Bastard Of The Fallen Thrones


Antropomorphia - Sermon Ov Warth


Fall From Perfection - Metamorph


Pallbearer - Heartless


Mastodon - Emperor Of Sand


wolfheart - Tyhjyys


Sinister - Syncretism


Primal Attack - Heartless Oppressor


Grog - Ablutionary Rituals

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Dying Fetus revelam detalhes do novo álbum

Os Dying Fetus vão lançar o seu novo álbum, "Wrong One To Fuck With", a 23 de Junho pela editora Relapse Records, e será o tão aguardado sucessor de "Reign Supreme", lançado em 2012.(...)

Novembers Doom - Novo álbum disponível para audição na íntegra

O novo álbum dos norte-americanos Novembers Doom, intitulado "Hamartia", é lançado hoje pela The End Records. Este trabalho pode ser ouvido na íntegra através desta ligação. (...)

SWR Barroselas Metalfest XX - Horários das atuações

Ampliando a imagem acima, é possível conhecer o horário de atuação de cada uma das bandas que irá compor o SWR Barroselas Metalfest XX. Recorde-se que o festival ocorre entre os dias 27 e 30 de Abril, em Barroselas. (...)

Tony Iommi está a trabalhar em novo material de Black Sabbath

O já conhecido guitarrista dos Black Sabbath, Tony Iommi confirmou em entrevista que está neste momento a juntar e trabalhar o som do último concerto que a banda deu, em Birmingham, e também há rumores(...)

Tankard lançam novo vídeo com letra

Os Tankard lançaram um novo video com letra para a música "Arena Of The True Lies", que fará parte do seu sétimo álbum de estúdio, "One Foot In The Grave"(...)


Se este fosse um álbum mau, o seu título dava para fazer tantos trocadilhos com a suposta qualidade do disco, que até dava para compor uma crítica inteira com base nisso. Mas lá está: “se fosse”, o que deixa logo esclarecido que não é um caso desses, até porque uma situação dessas seria pouco provável e quem já teve contacto com este coletivo germânico, sabe que o trabalho deles é de qualidade, sendo os seus dois álbuns anteriores a este – “IIII” e “Insects” – boas provas que os Farsot se esforçam para fazer um post-black metal que não desaponte os apreciadores do género.

“Fail.Lure” surge cerca de seis anos após “Insects”, o que já é algum tempo e quando há estes intervalos maiores, muitos ficam a pensar se existiram mudanças significativas na sonoridade da banda. O tema de abertura “Vitriolic” vem desde logo responder a essa questão expondo uma panóplia de texturas numa só faixa, com secções contemplativas e límpidas, tanto a nível vocal como instrumental que se transformam naturalmente em momentos negros, sujos e raivosos e tudo devidamente equilibrado. E a melhor parte é que estas qualidades se perpetuam ao longo do álbum onde figuram momentos como os ganchos fortes presentes em “With Obsidian Hands”, misturados com o black metal encorpado da faixa e alguns momentos em que a emoção forte é a angústia, muito bem expressa na voz, a qual, diga-se de passagem, consegue ser surpreendentemente percetível em todas as suas formas, inclusive a berrada. “Circular Stains” é em si também um tema circular, pois há um padrão que se repete na música, mas inteligentemente talhado para ter sempre o seu bocado de diferença que mantêm o ouvinte bem agarrado;uma técnica que os Farsot replicaram mais perto do final com “A Hundred To Nothing”, se bem que não tão bem conseguida como nesta aqui.

Outro destaque é o tema de encerramento do disco: “Watertower Conspiracy” é a faixa mais singular do álbum, deveras a mais singular! Trata-se de uma solene viagem de 20 minutos, onde a componente metal de guitarras, baixo e companhia são substituídas por elementos eletrónicos, mais típicos de dark e minimal wave que conseguem conceber uma atmosfera de imensidão e desolação. É um tema que vai dividir os ouvintes, especialmente por nem parecer ser da mesma banda, contudo a sua natureza encaixa-se perfeitamente na mesma do resto do álbum que, para melhor ou pior, encerra.

Os Farsot dão assim mais um salto qualitativo na sua sonoridade. Em seis anos não se pode dizer que a sua música melhorou, antes que terá evoluído neste sentido que consegue pintar com a mesma tinta perdição, loucura, êxtase e sobriedade. E a cor da tinta é preta.

Nota: 8.7/10 

Review por Tiago Neves