• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


No passado dia 5 de maio, os The Ruins of Beverast, a one-man-band do alemão Alexander von Meilenwald, ex-baterista dos Nagelfar, lançaram o seu quinto álbum, intitulado “Exuvia”.

Continuando a fusão de Atmospheric Black Metal com Doom Metal, é claro, desde o início, para os conhecedores deste projeto, que “Exuvia” consiste numa progressão lógica de como o seu som tinha vindo a evoluir desde o monolítico opus, “Rain Upon the Impure”, lançado em 2006, apresentando-se ainda mais focado nas passagens melódicas e elementos progressivos e tribais. 

Outro aspeto importante e muitas vezes negligenciado, a capa do álbum, que apresenta uma ilustração tribal fantástica pintada em tons de roxo que se adequam em completo ao som e às atmosferas criadas neste álbum. Esta capa, como tema tribal, encaixa na perfeição com o tema recorrente do álbum, a guerra entre o Homem e a Natureza e os espíritos dos nativos, aos olhos de Meilenwald, claro. 

Abrindo o álbum com uma épica composição de 15 minutos, a title-track, percebemos logo o som que Alexander procurou alcançar com este álbum. A guerra entre o Homem e as bestas começa, com uma densa atmosfera, riffs arrastados e hipnotizantes que induzem o ouvinte num profundo estado de transe e as já típicas explosões implacáveis de Black Metal puro e agressivo. Esta música é o modelo de como o álbum se irá desenrolar, sendo complementada por cânticos ritualísticos, padrões de percussão tribais, leads extraordinárias e misteriosas samples que enriquecem a atmosfera, nunca se tornando monótona.  

As duas faixas seguintes seguem portanto uma fórmula muito semelhante, até chegarmos à quarta composição deste álbum na qual, como ouvinte, fui apanhado de surpresa. Começando com uma intro lenta e agradável contendo melodias celtas de gaita-de-foles, esta música progride para o momento mais upbeat em toda a discografia deste projeto, com um som quase desconfortantemente otimista. Não deixando de ser atmosférica, esta é a faixa mais acessível do álbum mas que apresenta uma complexidade extrema de composição; desde os cânticos em êxtase da mastermind deste projeto, ao interlúdio psicadélico, à bridge irreverente de Black Metal épico e aos tremendos vocais femininos, esta música destaca-se pela sua singularidade. 

O álbum aproxima-se então do seu fim chegando às duas últimas faixas que representam o culminar e o pico da influência tribal nativo-americana presente nesta obra. A penúltima música, “Towards Malakia”, começa com uma mística nota de flauta seguida de cânticos tribais para posteriormente se desenvolver à volta de riffs hipnotizantes, interpolados pelos riffs de Doom Metal austeros a que os Ruins já nos acostumaram e terminar mais uma vez com percussão e cânticos de guerra índios. Finalmente, o álbum fecha em perfeição com a “Takitum Tootem! (Trance)”, a qual se pode referir como uma “adaptação” a Doom Metal de uma música nativo-americana; sendo repetitiva e ritualística, esta faixa representa o cessar da batalha, a expurgação do mundo e o triunfo da Natureza sobre o Homem. 

Concluindo, mais uma vez os The Ruins of Beverast voltaram em força neste álbum, que considero que assinala o culminar do som que procuraram alcançar nos últimos dez anos. Uma obra-prima em toda a sua essência e um essencial deste ano. Certamente um dos grandes candidatos a álbum de 2017. 

Nota: 9.3/10

Review por Filipe Mendes