• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


No passado dia 5 de maio, os The Ruins of Beverast, a one-man-band do alemão Alexander von Meilenwald, ex-baterista dos Nagelfar, lançaram o seu quinto álbum, intitulado “Exuvia”.

Continuando a fusão de Atmospheric Black Metal com Doom Metal, é claro, desde o início, para os conhecedores deste projeto, que “Exuvia” consiste numa progressão lógica de como o seu som tinha vindo a evoluir desde o monolítico opus, “Rain Upon the Impure”, lançado em 2006, apresentando-se ainda mais focado nas passagens melódicas e elementos progressivos e tribais. 

Outro aspeto importante e muitas vezes negligenciado, a capa do álbum, que apresenta uma ilustração tribal fantástica pintada em tons de roxo que se adequam em completo ao som e às atmosferas criadas neste álbum. Esta capa, como tema tribal, encaixa na perfeição com o tema recorrente do álbum, a guerra entre o Homem e a Natureza e os espíritos dos nativos, aos olhos de Meilenwald, claro. 

Abrindo o álbum com uma épica composição de 15 minutos, a title-track, percebemos logo o som que Alexander procurou alcançar com este álbum. A guerra entre o Homem e as bestas começa, com uma densa atmosfera, riffs arrastados e hipnotizantes que induzem o ouvinte num profundo estado de transe e as já típicas explosões implacáveis de Black Metal puro e agressivo. Esta música é o modelo de como o álbum se irá desenrolar, sendo complementada por cânticos ritualísticos, padrões de percussão tribais, leads extraordinárias e misteriosas samples que enriquecem a atmosfera, nunca se tornando monótona.  

As duas faixas seguintes seguem portanto uma fórmula muito semelhante, até chegarmos à quarta composição deste álbum na qual, como ouvinte, fui apanhado de surpresa. Começando com uma intro lenta e agradável contendo melodias celtas de gaita-de-foles, esta música progride para o momento mais upbeat em toda a discografia deste projeto, com um som quase desconfortantemente otimista. Não deixando de ser atmosférica, esta é a faixa mais acessível do álbum mas que apresenta uma complexidade extrema de composição; desde os cânticos em êxtase da mastermind deste projeto, ao interlúdio psicadélico, à bridge irreverente de Black Metal épico e aos tremendos vocais femininos, esta música destaca-se pela sua singularidade. 

O álbum aproxima-se então do seu fim chegando às duas últimas faixas que representam o culminar e o pico da influência tribal nativo-americana presente nesta obra. A penúltima música, “Towards Malakia”, começa com uma mística nota de flauta seguida de cânticos tribais para posteriormente se desenvolver à volta de riffs hipnotizantes, interpolados pelos riffs de Doom Metal austeros a que os Ruins já nos acostumaram e terminar mais uma vez com percussão e cânticos de guerra índios. Finalmente, o álbum fecha em perfeição com a “Takitum Tootem! (Trance)”, a qual se pode referir como uma “adaptação” a Doom Metal de uma música nativo-americana; sendo repetitiva e ritualística, esta faixa representa o cessar da batalha, a expurgação do mundo e o triunfo da Natureza sobre o Homem. 

Concluindo, mais uma vez os The Ruins of Beverast voltaram em força neste álbum, que considero que assinala o culminar do som que procuraram alcançar nos últimos dez anos. Uma obra-prima em toda a sua essência e um essencial deste ano. Certamente um dos grandes candidatos a álbum de 2017. 

Nota: 9.3/10

Review por Filipe Mendes