• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Nargaroth presenteia-nos com esta obra-prima, com a qual podemos contar com uma imensidão de sentimentos, envoltos na melodia que deste álbum sai. Desde os primórdios desta one-man band, nos quais se notava ainda um cunho meio arranhado, semelhante àquele sentido nas bandas deste género. Nargaroth mostra-nos que à medida que o tempo passa, a qualidade consegue ser traçada e desenvolvida. Ash dá-nos esta prenda que os Deuses pensaram. Tal como Fernando Pessoa dizia - "Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce" - Ash oferece-nos passagens melódicas que nos transportam para dimensões divinas. Se há provas que o Black Metal alemão é bom, está vivo e de boa saúde, Nargaroth é uma prova eterna disso.

Começando com "Dawn of Epiphany", na qual conseguimos ter um raio luminoso (ainda que breve) desta intervenção divina, dando provas duma aurora de epifania, revelando ao ouvinte que algo de muito bom está para vir. E que o ouvinte o comprove com a faixa seguinte. "Whither Goest Thou", um a música com cerca de 6 minutos, onde viajamos talvez no pensamento de Ash. "Conjuction Underneath the Alpha Wheel" mostra-nos uma grande influência do passado de Nargaroth, com sons rasgados e uma voz inigualável (quase como uma retrospetiva que Ash nos quer transmitir), com melodias não desconhecidas para os ouvintes da banda. O mesmo podemos testemunhar na faixa seguinte, onde Ash nos reforça a ideia de que "redefinição" não significa mudança, mas sim aperfeiçoamento.

Conseguimos testemunhar, só nas primeiras quatro músicas desta oferta dos Deuses, uma viagem cósmica nos sentimentos de Ash. "The Agony of a Dying Phoenix", a quinta faixa do álbum, parece ser tirada de um cenário apocalíptico no qual testemunhamos um solo - ainda que curto - brilhante e é impressionante como 7 minutos e meio passam a voar, como uma fénix. 7 minutos e meio que nos fazem transpirar de emoções e renascer das cinzas. "Epicedium to a Broken Dream" introduz-se de forma calma e vai abrindo caminho para riffs pesados e mais lentos. Ash quer-nos abrir o coração e mostrar-nos o lado penoso, quase que a transmitir-nos o luto prolongado da fénix. A ser verdade, são uns 5 minutos repletos de palpitações e calafrios pelo corpo abaixo. A sétima música, "Love is a Dog From Hell" dá-nos a conhecer um dos lados sombrios de Ash com a sonoridade crua do Black Metal dos anos 90. O que será que Ash quer dizer com "love is a dog from hell"? Na verdade, são 2 minutos de pura raiva. "Era of Threnody", a faixa que dá nome ao álbum, é uma epopeia de 9 minutos e meio na qual somos bombardeados pelo ritmo único, envolve-nos em momentos especiais. Pelo meio quase que nos imaginamos numa floresta acompanhados pela chuva e tempestade forte seguida de uma voz cristalina, como se estivéssemos a sair da tempestade e enfrentar um sol radiante por entre as nuvens ainda cinzentas. "TXFO", penúltima música do álbum, parece-nos dar vontade de prosseguir nesta viagem cósmica na Era de Nargaroth. Somos encorajados ao longo de quase 4 minutos a não desistir e eis que chegamos ao fim da viagem com "My Eternal Grief, Anguish Neverending", o tema que traça o fim do álbum e.. que viagem! A voz já cansada de Ash a revelar-nos um cansaço de tal mistura de sentimentos e histórias. Ainda assim, conseguimos sempre reparar no espírito guerreiro deste génio da música.

"Era of Threnody" é pouco para descrever esta viagem. Esperamos que as suas criações sejam iguais à angústia que nos transmite: intermináveis.

Nota: 9/10

Review por Carolina Lisboa Pereira