• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


"Unstoppable Power" é o título deste álbum de Condor, segundo full lenght de estúdio da banda norueguesa que, ainda que extremamente jovem, conta ainda com mais uma Demo, um EP e um Split, o que demonstra, para além de uma precoce proficiência musical dos seus elementos, o quão longe o nosso país está das culturas nórdicas no tocante à produção de álbuns de Metal. Mas deixemo-nos de reflexões sobre a cultura metaleira, vamos ao Thrash!

O álbum começa com “Embraced by the Evil”, que conta com uma pequena introdução falada, um pouco ao estilo do lado B do clássico “The Number of the Beast” (se não sabes do que estou a falar nem devias estar a ler isto), que rapidamente dá lugar aos riffs frenéticos e batidas de Thrash infindáveis, que nos vão acompanhar ao longo de todo este disco.

As composições deste trabalho parecem saídas diretamente de 1983, com as guitarras a variar entre uns leads intrincados, dignos de um Dave Mustaine, e algumas secções mais simples, com recurso a power chords e a trémulos. Fazendo uma breve pesquisa online pela banda, por várias vezes é caracterizada como Thrash\Black ou Blackened Thrash, talvez pela voz ser algo mais rasgada e menos cantada que no Thrash Clássico mas, aqui entre nós, isto é do Thrash mais puro e Old school que a contemporaneidade nos tem trazido.

Entrando na segunda metade deste trabalho somos premiados com o tema que empresta o nome ao álbum. Começando a todo o gás com um andamento de pedal duplo, dos mais marcantes de todo o disco, culmina num dos refrões mais memoráveis, que, repetindo-se duas vezes, se prolonga por quase dois minutos, até ao inevitável retorno ao riff inicial, acabando a música com todo o (Unstoppable) Power com que começou. A lírica desta faixa centra-se num mal invisível, devastador, iminente, que nos levará a uma perdição inevitável, e aproveita para deixar um presente aos mais atentos e fãs de thrash referido que “He is the angel of death”.

Imediatamente a seguir surge a música “83 Days of Radiaton”, com uma vibe “Judas Priest meets Thrash Metal”, sendo a faixa que nos transmite a sensação mais Old School. Oiçam aquele refrão…Tão bom que ainda haja bandas a fazer isto!

Devo também destacar um dos elementos, a meu ver, mais importantes para este disco soar tão bem, a sua produção/masterização. Este trabalho claramente não soa a álbum moderno, aliás, quando o ouvi pela primeira vez foi tive que confirmar se a data de lançamento estava certa, de tão anos 80 que isto soa, desde a voz, às cordas, mas principalmente a bateria. Além dela ser tocada com influências claras dos primeiros anos do Thrash (muitos fills, mudanças de dinâmica, acelerações e atrasos, o uso incessante dos timbalões e o mais tímido pedal duplo), de nada serviria se esta soasse demasiado comprimida, demasiado moderna. O som deste “Unstoppable Power” é, sem dúvida, dos elementos que mais destaca este excelente trabalho.

Para terminar o álbum da melhor forma, é “Horrifier” a última música que ouvimos do trio norueguês. A faixa é boa até cerca do minuto 3.30, bons riffs, boas dinâmicas mas, depois de uma curta pausa a criar suspense, é o caos total, a bateria acelera para o Thrash mais rápido do disco, as cordas repetem um riff anterior mas mais rápido, as acentuações tornam-se ainda mais poderosas, enfim, THRASH!

Nota: 8.6/10

Review por Jordi Lopes