• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


"Unstoppable Power" é o título deste álbum de Condor, segundo full lenght de estúdio da banda norueguesa que, ainda que extremamente jovem, conta ainda com mais uma Demo, um EP e um Split, o que demonstra, para além de uma precoce proficiência musical dos seus elementos, o quão longe o nosso país está das culturas nórdicas no tocante à produção de álbuns de Metal. Mas deixemo-nos de reflexões sobre a cultura metaleira, vamos ao Thrash!

O álbum começa com “Embraced by the Evil”, que conta com uma pequena introdução falada, um pouco ao estilo do lado B do clássico “The Number of the Beast” (se não sabes do que estou a falar nem devias estar a ler isto), que rapidamente dá lugar aos riffs frenéticos e batidas de Thrash infindáveis, que nos vão acompanhar ao longo de todo este disco.

As composições deste trabalho parecem saídas diretamente de 1983, com as guitarras a variar entre uns leads intrincados, dignos de um Dave Mustaine, e algumas secções mais simples, com recurso a power chords e a trémulos. Fazendo uma breve pesquisa online pela banda, por várias vezes é caracterizada como Thrash\Black ou Blackened Thrash, talvez pela voz ser algo mais rasgada e menos cantada que no Thrash Clássico mas, aqui entre nós, isto é do Thrash mais puro e Old school que a contemporaneidade nos tem trazido.

Entrando na segunda metade deste trabalho somos premiados com o tema que empresta o nome ao álbum. Começando a todo o gás com um andamento de pedal duplo, dos mais marcantes de todo o disco, culmina num dos refrões mais memoráveis, que, repetindo-se duas vezes, se prolonga por quase dois minutos, até ao inevitável retorno ao riff inicial, acabando a música com todo o (Unstoppable) Power com que começou. A lírica desta faixa centra-se num mal invisível, devastador, iminente, que nos levará a uma perdição inevitável, e aproveita para deixar um presente aos mais atentos e fãs de thrash referido que “He is the angel of death”.

Imediatamente a seguir surge a música “83 Days of Radiaton”, com uma vibe “Judas Priest meets Thrash Metal”, sendo a faixa que nos transmite a sensação mais Old School. Oiçam aquele refrão…Tão bom que ainda haja bandas a fazer isto!

Devo também destacar um dos elementos, a meu ver, mais importantes para este disco soar tão bem, a sua produção/masterização. Este trabalho claramente não soa a álbum moderno, aliás, quando o ouvi pela primeira vez foi tive que confirmar se a data de lançamento estava certa, de tão anos 80 que isto soa, desde a voz, às cordas, mas principalmente a bateria. Além dela ser tocada com influências claras dos primeiros anos do Thrash (muitos fills, mudanças de dinâmica, acelerações e atrasos, o uso incessante dos timbalões e o mais tímido pedal duplo), de nada serviria se esta soasse demasiado comprimida, demasiado moderna. O som deste “Unstoppable Power” é, sem dúvida, dos elementos que mais destaca este excelente trabalho.

Para terminar o álbum da melhor forma, é “Horrifier” a última música que ouvimos do trio norueguês. A faixa é boa até cerca do minuto 3.30, bons riffs, boas dinâmicas mas, depois de uma curta pausa a criar suspense, é o caos total, a bateria acelera para o Thrash mais rápido do disco, as cordas repetem um riff anterior mas mais rápido, as acentuações tornam-se ainda mais poderosas, enfim, THRASH!

Nota: 8.6/10

Review por Jordi Lopes