• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


Formados em 2010, os parisienses Necroblood brindaram-nos, finalmente, com o seu álbum de estreia adequadamente intitulado “Collapse of the Human Race”.

O álbum começa com uma intro super cliché, uma sample de alguma espécie de missa satânica, tão edgy que é difícil levá-la a sério, mas após esta música recebemos por volta de 40 minutos de War Metal devastador e irreverente.

War Metal não é um género conhecido pela sua variedade ou pelo seu uso extenso de elementos progressivos, é mais um género preocupado em atingir níveis gradualmente mais desumanos e extremos e, como tal, poucas bandas são capazes de inovar dentro deste microgénero híbrido daquilo que é mais extremo nos reinos de Death e Black Metal e os Necroblood não fogem à regra.

No entanto, mesmo que não atingem níveis tão avassaladores como os australianos Diocletian ou os Damaar, os franceses presenteiam, com este album, qualquer fã devoto de War Metal devastador e blasfemo.

O seu estilo pode ser descrito com uma mistura das sonoridades dos dois grandes focos o War Metal mundial. Os Necroblood pegam nos riffs destruidores mas um quanto catchy característicos de bandas pioneiras do War Metal finlandês como Archgoat ou Beherit (na sua era de demos), complementando com a distorção e agressão de bandas canadianas como Revenge, Conqueror ou até mesmo os fundadores, Blasphemy.

A fórmula é simples, um baixo com a distorção no máximo que faz tremer a terra, guitarras apocalípticas criando riffs avassaladores repletos das típicas build ups e mudanças de tempo dramáticas, que são apenas contrabalançados por ocasionais leads sinistras mas pseudo melódicas e uma prestação barbárica atrás do kit de bateria. 

Por fim, com tudo o que já foi dito, este é um álbum linear, tal como era esperado, sem qualquer “surpresa” e que não será certamente muito revisitado no futuro, mas que poderá saciar por uns tempos os fãs sedentos pelo género mais selvagem do Metal Extremo, juntando –se ao catálogo de culto de lançamentos de War Metal de qualidade deste ano, que conta já com os débuts dos Perverted Ceremony e Weregoat ou os EP’s dos Ululatum Tollunt e dos nacionais, Satanize.

Nota: 7.7/10

Review por Filipe Mendes