• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Os Papa Roach regressaram a Portugal após 15 anos desde o seu último concerto por cá, também no Coliseu de Lisboa. Vieram sob pretexto de apresentação do novo álbum, “Crooked Teeth”, mas a noite foi muito para além disso. A primeira parte do evento esteve a cargo dos também norte-americanos Ho99o9.

Os Ho99o9 estrearam-se no nosso país no passado mês de Agosto, no festival Paredes de Coura, e trouxeram consigo o seu primeiro longa-duração, “United States Of Ho99o9”. Se tivermos de resumir a sua sonoridade numa única palavra, horrorcore será, muito possivelmente, a mais acertada. Juntam hip-hop, punk, hardcore e um pouco de industrial - a mistura é explosiva. Os músicos theOGM e Eaddy quase que competiam para ver quem se contorcia mais em palco. Destaque para o jogo de luzes em alguns momentos, que ajudou a compor um ambiente aterrador, complementado por um som comum a quase toda a atuação que se assemelhava ao de uma serra elétrica. Resumindo: a seguir a esta atuação, estávamos prontos para visitar o MOTELx. A julgar pela reação do público, o grupo norte-americano era desconhecido da grande maioria. A receção não foi propriamente calorosa – mas não é que os norte-americanos o tenham sido também…por razões óbvias!

Contrariamente à primeira atuação, mal os Papa Roach entram em palco, ao som de “Crooked Teeth”, tema-título do novo álbum, podemos dizer que o público ficou eufórico. Um público bastante heterogéneo, variando entre os adolescentes que descobriram a banda há pouco até aos mais velhos, que vieram ver ou rever a banda norte-americana e, talvez, recordar os seus próprios tempos de adolescência. Nesse sentido, seguiram-se “Getting Away With Murder” e “Between Angels and Insects”. Nesta última, a banda conseguiu arrancar o primeiro circle pit ao público e o vocalista Jacoby Shaddix já suava em bica. É de referir a excelente performance do músico, cuja voz parece não ter sofrido com o passar dos anos e mostrando-se bastante potente ao vivo, independentemente do registo em que cantava. Depois de “Face Everything and Rise”, bastante aplaudida pelo público, Shaddix referiu ser bom estarem de volta a Portugal, depois de tanto tempo desde o último concerto.  “Born For Greatness” foi, muito possivelmente, o tema mais aplaudido do novo registo: foram muitas palmas, bouncing (como Shaddix pediu algumas vezes), crowdsurf…uma verdadeira festa. Terminado este tema, o público gritou pelo nome da banda vezes sem conta até que regressassem ao palco, com a contagiante “She Loves Me Not”.

Chegou o “momento das baladas”: em “Scars”, o público acompanhou Shaddix nas letras e foi aprovado com distinção; “Periscope”, faixa do novo álbum e que conta com a participação de Skylar Grey, mostrou-se mais pesado ao vivo do que na versão de estúdio; por último, “Gravity”, onde muitos fãs criaram um ambiente envolvente com as luzes do telemóvel ou isqueiros a mover-se no ar. E de que forma íamos regressar à agitação do início do concerto? “Wooohooooo!”. Sim, com “Song 2”, cover dos Blur e que não deixou ninguém indiferente. Em “Traumatic” pareceu que, por momentos, estávamos num concerto de Slipknot, não só pelo instrumental do tema mas porque Shaddix pediu ao público para se baixar no recinto e, posteriormente, levantar-se em grande estilo, provocando um circle pit respeitoso. Em “Forever”, a banda mencionou o quão sentiam a falta de Chester Bennington, vocalista dos Linkin Park e “um bom homem”, referiu Shaddix, prestando homenagem com um excerto do tema “In The End”. Seguiram-se “Blood Brothers” e “American Dreams”, na qual Shaddix disse “Nós somos os Papa Roach e acreditamos na paz, na Humanidade e em vocês”. “Lifeline” fez regressar a parceria entre o público e Shaddix no que ao ecoar as letras diz respeito,  e “Help” surgiu mesmo antes do encore.

Os Papa Roach regressaram momentos depois com “None of The Above”, a poderosa “Dead Cell” (e mais um, também poderoso, circle pit – sim, houve muitos ao longo da noite), a mais que emblemática “Last Resort” (aqui o Coliseu já destilava, mas sem nunca perder a energia) e, por último, “…To Be Loved”, que veio encerrar uma atuação que passou sem que déssemos conta, e na qual ainda pudemos contemplar Shaddix com orelhas de coelho, mesmo na reta final.

Podemos concluir que os Papa Roach dão um espetáculo e tanto e que, certamente, os portugueses não querem esperar mais uma década e meia por um regresso.

(ver mais fotos de Ho99o9 e Papa Roach)

Texto por Sara Delgado
Fotografias por Hugo Rebelo

Agradecimentos: Everything Is New