• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)




Longe vai o tempo das matinés de domingo, onde as tribos rumavam a uma determinada sala e esqueciam entre copos, amigos e música ao vivo que o fim de semana estava a acabar e o dia seguinte era de escola/trabalho.

Essa é a atmosfera que a Pit Brunch decidiu não fazer cair no esquecimento, agendando para o passado dia 26 de Novembro, na sala do Lisboa Ao Vivo, a primeira edição de uma matiné que se espera tenha continuidade. O cartaz tinha os lisboetas Grankapo como cabeça de cartaz, coadjuvados por quatro jovens bandas da onda hardcore/grind/metal.

Pouco passava das 16 horas quando os Bas Rotten tomam o palco de assalto com um potente e gutural grindcore. A banda de Lisboa ainda não tem um disco editado mas isso não os impede de já se terem aventurado fora de portas, com concertos em França e Espanha. Tendo editado recentemente uma demo em formato digital com dois temas, “Machine” e “Mogul”, os Bas Rotten presentearam os presentes com uma actuação ao melhor estilo grind/thrashcore, embora mais curta que o habitual, desfiando temas a uma velocidade supersónica, com destaque para “Hostile Demands”, “Surge” e o encerramento com “Safe”. Uma banda a ter debaixo de olho pelos amantes do género!!

"Chaos AD" é o nome do quinto disco de originais dos brasileiros Sepultura e aquele que a maioria da crítica designa como o melhor da era irmãos Cavalera. Já a banda das Caldas da Rainha que utiliza essa mesma nomenclatura não podia ser mais diferente da banda do país irmão. Os CHAOSxA.D. tocam um crust grind crú como manda a lei, sem grandes virtuosismos, completando a barreira sonora com um Zé Gualter que tanto dá gritos lancinantes a plenos pulmões como um louco possesso, como ruge do fundo do seu corpo qual animal acabado de ver desferido um golpe fatal. “Favela” e o encerramento com “Victim of your own Mind” e “Hostile Takeover”, os dois temas recentemente editados digitalmente na página da banda no Bandcamp, foram os que ficaram mais na cabeça.

Os Titan Shift de Lisboa traziam na bagagem o seu disco de estreia, “Thrive”, que mostra uma banda bastante coesa para tão jovens membros. No Lisboa ao Vivo tivemos uma prestação sem falhas da banda lisboeta, com excelente prestação dos irmãos Mais, o vocalista Henrique e o guitarrista Guilherme, e de um irrequieto Sebastião Castro, que apesar de ter nas unhas um enorme “bacalhau” deve ter gasto grande parte do seu peso em suor. O EP de estreia da banda é bastante interessante, e ao vivo as músicas ganham uma roupagem bastante fiel mas melhorada, a apontar para um futuro promissor. Com músicas bem mais demoradas que as restantes bandas presentes, num estilo thrash com pitadas groove, destacamos o trabalho em “Road to Ruin” e “Through My Eyes”.

Da Praia da Areia Branca, na Lourinhã, veio o grande destaque da matiné, os Stand in Front. Com um hardcore ao melhor estilo Old School, a banda liderada por Ivan Silva meteu a plateia a mexer como nenhuma outra tinha feito até então. Mesmo auxiliado por uma muleta para ajudar na convalescença de uma lesão na perna, a energia que vinha do palco apanhou todos de surpresa. Imaginem como será com um Ivan 100% recuperado!! Com a demo tape “Words As Weapons” fresquinha para divulgação, a banda não fez prisioneiros, e destilou o seu veneno em faixas como “Senhor Presidente” ou “Betrayal”, antes da despedida com o hino “Hardcore Family”, dedicado aos poucos mas bons que decidiram passar uma tarde de domingo a ouvir bandas em vez de estar nas compras da Black Friday.

Os Grankapo já são velhos conhecidos da cena underground nacional, com uma década de actividade nas costas, e não é de estranhar o à-vontade que sentem em cima de palco. Com um Fuck bastante interventivo, a banda arrancou logo com “Man Killing Man” e “Private Hell”, a faixa que abria o disco de estreia “The Truth”, de 2011, disco de onde foi também retirado “Left for Dead”, a faixa apresentada logo de seguida. Vários agradecimentos à organização pela coragem de retomar umas matinés há muito perdidas no tempo e foi tempo de “My Son”, a faixa que a banda incluiu no split-EP de 2010 editado pela HellXis , seguido de nova incursão no LP de 2011 com “Feel my Hate” e “We’ll Never Die”, com “Won’t Fall Down” e “Burn” pelo meio, os dois temas mais recentes da banda, editados em 2016 pela HellXis num split-EP com os germânicos Ryker’s. Para o final, os dois hinos da banda de Loures, “Life Goes On” e “Grankapo”. Mais uma actuação excelente dos Grankapo, mas fica o desejo de ouvir novidades discográficas da banda...

Findo o evento, fica a sensação de dever cumprido por parte de organização e bandas presentes, com elevado nível de profissionalismo, e a promessa, já expressa nas redes sociais da Pit Brunch, de continuar a apostar no formato. Venham mais!!!


Texto por Vasco Rodrigues
Fotografia por Rui Oliveira
Agradecimentos: Pit Brunch